Busque em todas as seções:
EDIÇÕES ANTERIORES: anteriores

Geral

ACESSIBILIDADE: A A A A

Número de gatos abandonados nas ruas de Uberaba gera preocupação

08/01/2017

TV Integração

Protetoras individuais de animais estão preocupadas com situação dos gatos

 

O número de gatos abandonados nas ruas de Uberaba impressiona. O trabalho de protetores independentes ajuda a amenizar um pouco a situação, mas não é suficiente. Além disso, há a preocupação com o risco de problema de saúde pública, devido à falta de controle da natalidade destes animais. Em nota, prefeitura comentou sobre o assunto.

Dezoito gatos vivem na casa da Marisa Agreli: nove são dela e o restante aguarda por adoção. Apaixonada pelos bichanos, a protetora independente não consegue fechar os olhos para o abandono. 

"Quando a gente vê filhotes passando fome, doentes, a gente se vê na obrigação de fazer algo para ajudá-los. Infelizmente não podemos ajudar todos. Precisávamos de uma ajuda maior para conseguirmos tirar estes animais desta situação", disse a protetora independente ao MGTV/TV Integração. 

Em Uberaba, a estimativa é que existam cerca de 12 mil animais abandonados, segundo a Sociedade Uberabense de Proteção Animal (Supra). No caso dos cães, existe uma ONG e casas de apoio que atuam no resgate e atendimento, entretanto, para os gatos ainda não tem nenhum suporte na cidade, contam apenas com a boa vontade de voluntárias individuais.

Nádia de Souza Mazeto também é protetora individual e faz parte de um grupo de aproximadamente 20 pessoas, que tem lutado pelos gatos. Além do resgate e adoção, um dos focos da ONG é a castração. Em um ano e meio, já conseguiram operar cerca de 120 animais. "A gente comprou uma gatoeira, por meio de eventos que fizemos. Montamos a armadilha para pegar os gatos um pouco mais ariscos e levamos para castrar", contou. 

Simone Rossetto também é protetora individual há 16 anos. Ela cria cinco gatos, além de dois que moram na casa dela temporariamente até conseguirem um lar definitivo. "Meus gatos são uma paixão. A presença deles se tornou uma necessidade; são como filhos", comentou. 

 

Preocupação - Para Simone e para todas as protetoras que se dedicam a cuidar dos gatos, o envolvimento do poder público nesse trabalho é fundamental. "Precisamos da atenção do poder público para esta situação. Os animais se reproduzem muito rápido e existe a possibilidade de desenvolverem doenças, que podem ser transmitidas ao ser humano", observou. 

"Tem que ter mais ações. Enquanto não houver uma ação em massa de castração, acho que a tendência é piorar e acabarmos tendo um problema de saúde pública por causa disso", ressaltou Nádia.

 

Trabalho - Em nota, a Assessoria de Comunicação da prefeitura informou que o Departamento de Endemias vem trabalhando no controle da superpopulação de animais e que já tem um projeto para obra de adequação do centro cirúrgico do canil do Centro de Controle de Zoonoses para realização das castrações e está viabilizando recursos para essa finalidade.