Busque em todas as seções:
EDIÇÕES ANTERIORES: anteriores

Geral

ACESSIBILIDADE: A A A A

Vigilância Sanitária intensifica fiscalização nos açougues de Uberaba

19/03/2017

A Vigilância Sanitária está intensificando a fiscalização nos açougues de Uberaba, nesta semana. A intenção é acabar com a venda de carnes clandestinas. Muitos crimes de contrabando têm sido registrados na região, segundo informações da Polícia Civil ao g1.com.

Segundo o delegado chefe do 5º departamento de polícia Civil, Heli Andrade, no último mês, alguns casos relacionados ao comércio irregular foram registrados. Um caminhão de carnes foi roubado na BR-262. Em outra ocorrência, três homens foram presos, suspeitos de abate clandestino no bairro Jardim Maracanã. “Esses são apenas dois crimes numa lista grande na região”, completou.

De acordo com a veterinária da vigilância sanitária, o trabalho é feito o ano inteiro, e intensificado em alguns períodos, como este, da Quaresma. “A vigilância sanitária recomenda que os proprietários dos estabelecimentos deixem o rótulo na frente desses produtos, contendo nome, fabricante, data de validade, assim o consumidor terá condições de ver a procedência daquela carne", disse ela.

 

Continua fiscalização até abril - De acordo com o diretor de Vigilância em Saúde, Nelson Ranieri, até agora, foram apreendidos 210 quilos de carne e os proprietários receberam notificações. “Continuaremos com a campanha até o fim de abril, observando alguns critérios, até de procedência da carne”, comenta. A ação visa também colaborar com a Polícia Civil, nos casos de roubo de gado, seguido de procedência ilegal de carnes.

São observados vários itens como condições higiênico-sanitárias do local e dos manipuladores, a segurança do trabalhador, a procedência da carne, a temperatura e o fluxo de manipulação, industrialização de produtos como massa de quibe, alvará sanitário e procedência da carne, quando for possível.

A população também pode ajudar na fiscalização, analisando se o local apresenta alvará sanitário aumentando, assim, a segurança em relação ao consumo de alimentos comprados no local.

O estabelecimento que receber alguma notificação terá o prazo, de 15 dias, para regularizar a documentação e ações necessárias. Uma equipe da SMS fez um estudo sobre os trâmites burocráticos para se conseguir regularizar a situação, dentro da prefeitura e o prazo é suficiente. Os proprietários que não conseguirem regularizar a situação podem ter o estabelecimento interditado.