Busque em todas as seções:
EDIÇÕES ANTERIORES: anteriores

Polícia

ACESSIBILIDADE: A A A A

Travesti é morto a tiros no Residencial 2000

29/06/2016

Juliano Carlos

Wellington, conhecido como “Daiane Brasil”, morreu na porta de sua casa

 

Juliano Carlos

 

Policiais militares registraram mais um homicídio na cidade, onde um travesti foi morto a tiros na porta de sua residência no bairro Residencial 2000.

De acordo com informações da testemunha E.R.R., 42 anos, ele estava em sua residência na rua Antônio Francisco Alves em companhia de seu irmão identificado como Wellington Márcio Rosa, 36 anos, conhecido como Daiane Brasil”. Segundo E., seu irmão disse que se fosse procurado por uma mulher loira conhecida como “Valéria’, era para dizer que ele não se encontrava na casa.

Minutos após conversar com E., Wellington recebeu uma ligação no seu aparelho celular, e após atendê-lo, ele foi até a porta da residência e começou a conversar com pessoas não identificadas. Em seguida ele foi alveado por quatro disparos que foram efetuados pelos desconhecidos, que fugiram em alta velocidade em uma motocicleta sentido à rodovia BR-262. Testemunhas que escutaram os estampidos dos disparos saíram na porta da casa, juntamente com a testemunha E., e viram Wellington caído na porta da casa sangrando muito e chamaram socorro (via 192).

Uma ambulância de Unidade de Suporte Avançado (USA) do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) foi no local do crime, e durante os atendimentos os médicos constataram que Wellington foi alvejado por quatro disparos e foi a óbito.

O perito criminal Cláudio Daniel Fonseca, da perícia técnica da Polícia Civil, compareceu no local do homicídio, e ao realizar os trabalhos técnicos constatou que Wellington foi morto com quatro disparos, sendo um no rosto, um no pescoço e dois no peito. O corpo foi encaminhado para a sede do Instituto Médico Legal (IML), e na manhã de ontem liberado para seus familiares realizarem o velório e sepultamento. Os acusados do homicídio não foram presos e estão sendo procurados por policiais civis da Delegacia de Homicídios e Proteção a Pessoa (DHPP).