Busque em todas as seções:
EDIÇÕES ANTERIORES: anteriores

Amigo Animal

ACESSIBILIDADE: A A A A
Marcos Moreno 30/05/2014
Marcos Moreno
kikitomoreno@terra.com.br
Amigo Animal por Marcos Moreno

“Cães enxergam seus donos como se fossem seus pais. Ou seja, são como crianças sim! Portanto, não há nada de errado em considerá-los como nossos filhos”

Bom dia amigos.
Tive sorte em ter minha coluna editada às sextas feiras, o melhor e mais aguardado dia da semana, de um modo geral. Véspera de descanso para quem trabalha a semana toda. E esse final de semana promete ser “meio” diferente em relação ao clima em que vivemos durante todo o ano. Um tempo frio, para não descaracterizar totalmente o nosso “inverno”. E se a gente sente frio e ainda curte colocar aquela roupa para sair de casa, nossos amigos pets também sentem frio. Eles podem até não variar tanto de roupa, na sua maioria, mas podem sentir frio sim. Há uma certa polêmica quanto ao tema, existindo mesmo afirmações de eles não sentem frio. Mas também existem sinais claros do contrário, como podemos ver na matéria abaixo. Pelo sim ou pelo não, é melhor ficar atento às reações dos nossos amigos, sem claro, exagerar na dose. Muita roupa pode colocar o animal em risco e incomodar. Aliás, o exagero não é amigo de nada. Hoje também vamos falar um pouquinho sobre acupuntura veterinária, que acaba de ser reconhecida pelo CFMV. Nosso objetivo é disseminar as novidades, em sentindo bem abrangente, do mundo animal. Mais uma vez obrigado e tenham todos um ótimo final de semana.

***

“Ai que frio!”

 

Quando a temperatura começa a baixar, não são só os humanos que sentem frio, os animais também.

 

O cão pode apresentar sinais clínicos que lembram muito o resfriado humano, com tosse, espirros, febre, falta de apetite e coriza. Damos o nome a esse quadro de traqueobronquite ou "tosse dos canis". Essa doença pode aparecer em qualquer época do ano, porém, há uma maior predisposição nos meses frios pela baixa temperatura. A doença pode ser causada por vírus, bactérias ou fungos e é altamente contagiosa entre os cães através do contato direto entre os animais.

Além das doenças respiratórias, os animais idosos com problemas osteoarticulares como artrose, calcificações na coluna ou hérnia de disco, passam a sentir mais dor quando expostos a baixas temperaturas. 

Alguns cuidados que se deve tomar:

Evite banhos em dias muito frios;
Mantenha a pelagem do animal mais comprida no inverno, evitando tosas muito baixas;
Coloque roupa no cão de pelagem curta, caso ele se ressinta muito do frio. Existem animais que tremem de frio exageradamente! Cães grandes e gatos não toleram roupas;
Há cães que, embora tenham casinha, preferem dormir ao relento ou ficar na chuva... Prenda esse animal num local abrigado nos dias muito frios ou chuvosos;
Vacine seu cão anualmente contra a traqueobronquite, se ele frequenta locais com outros animais (pet shops, hotéis para cães, exposições);
Quando der banho em seu animal, use água morna e seque-o bem. Aumente em 20 a 30% o alimento do seu cão/gato no inverno. Isso não vale para cães e gatos obesos, sem atividade ou com grande tendência a ganhar peso.

Outras espécies: no caso de peixes, regule a temperatura da água e cheque sempre se o termostato está funcionando corretamente. Cubra a gaiola das aves à noite e deixe-as longe de correntes de ar. Os répteis não controlam a temperatura do corpo. Se você deixar sua tartaruga ao relento em dias muito frios, ela pode morrer. Coloque-a em local abrigado.

Se você também quiser ajudar a aquecer um animal sem dono neste inverno, localize uma entidade protetora perto de você e doe o que puder. Uma roupinha velha de seu cachorro e um pouco de jornal poderão fazer a diferença para um cão ou gato que está passando frio.

***

DICAS DE RAÇA


O Terrier brasileiro, popularmente conhecido como Fox paulistinha, é um cão de porte médio. Esta raça foi desenvolvida no Brasil, provavelmente, a partir do cruzamento do Fox Terrier de pelo liso com cachorros de fazenda brasileiros.  Esta raça de cão não apresenta tendência para o desenvolvimento de patologias, porém  deve haver o cuidado padrão com a higiene do cão, principalmente, no controle de pulgas e carrapatos.    O fox paulistinha é um cão independente. Possui um comportamento marcado pela alegria e agitação. É um ótimo cão para crianças, pois adoram participar de brincadeiras. O fox paulistinha é muito ágil e inteligente. O adestramento desta raça de cão é feita de forma rápida e tranquila. Com a família mantém um comportamento tranquilo e carinhoso, porém estranham muito a chegada de estranhos.Por serem muito observadores, são ótimos para fazer o papel de cães de guarda e alerta. São também indicados como cães de companhia.

***

PET AVENTURA


A Bulldog inglês branca chama-se Duda e nasceu em 11/11/2011 em Belo Horizonte.

Ela é da menina Maria Clara Rodrigues Scarpelli de 10 anos de idade e as duas são muito companheiras.
“A Duda é da família mesmo, quando saímos de casa o mais gostoso é voltar e encontrar a Duda com aquela saudade enorme e já cheirando as sacolas.
Todos sabem que o bulldog ronca muito, solta pum mesmo e adora comer.  A Duda não é diferente, mas uma curiosidade é que ela janta todos os dias uma cenoura e parece uma coelha mesmo.
Dias atrás ficamos o dia todo fora, trabalhando e estudando.  Quando chegamos....ai ai ai......a Duda tinha acabado com a cama dela. Estraçalhou mesmo. Daí bronqueamos com ela e ela ficou quietinha, de orelha baixa, séria... mas  não aguentamos, logo demos um abraço gostoso e conversamos com ela. A Duda, como qualquer pessoa feliz, não gosta de ficar sozinha muito tempo, sente solidão, fica triste e acaba fazendo estas coisas pra chamar nossa atenção. Mas não ficamos chateados e pensamos assim lá em casa, “nossa, precisamos cuidar mais dela” e assim fazemos. Amamos muito a Duda! Ela é a alegria que temos em nossa casa.

***


   
Helena, Florinda, Allegra e Bella- "A                         Sheike é um Pastor Alemão dos mais queridos         Bolota e Marmota, os porquinhos da índia de Anita e Ana Dalva
asa das quatro mulheres"    

***

Saúde Animal

Acupuntura veterinária

O conselho Federal de Medicina Veterinária (CFMV) reconheceu mais uma especialidade da profissão: a acupuntura veterinária. No Brasil há hoje cerca de 500 acupunturistas na medicina veterinária. A maior parte desses veterinários estão em São Paulo, mas há também grandes concentrações nos estados do Rio de Janeiro, Minas Gerais e Rio Grande do Sul. Há no Brasil, cursos de pós-graduação e o primeiro programa de residência em Acupuntura da América Latina, na Universidade Estadual de São Paulo. O tratamento por acupuntura é indicado para as enfermidades decorrentes do tempo, como degeneração do sistema nervoso, ósseo e muscular. É comprovada também sua eficácia em quadros neurológicos, como no combate a sequelas da cinomose e lesões neurais, entre outros. Embora muito indicada em equinos e bovinos, a maior incidência do uso de acupuntura é em animais de companhia. Mas a especialidade pode ser aplicada em todas as áreas da medicina veterinária, em maior ou menor grau.