Busque em todas as seções:
EDIÇÕES ANTERIORES: anteriores

Amigo Animal

ACESSIBILIDADE: A A A A
Marcos Moreno 22/08/2014
Marcos Moreno
kikitomoreno@terra.com.br
Amigo Animal por Marcos Moreno

Os bichos podem se comunicar por telepatia com as pessoas” – Rupert Sheldrake

Ciúmes de Cachorro?

Quando a gente (que tem e gosta de cachorros) fala que eles sentem ciúmes, os que não têm essa experiência e/ou não gostam de animais, desdenham, acham que estamos exagerando, que não é nada disto.
Loucura da cabeça dos apaixonados por animais.  NÃO! O cão é o melhor amigo do homem e, assim como ele, é capaz de sentir ciúmes, sugerindo que o sentimento pode ter raízes no instinto de sobrevivência, revelaram cientistas dos Estados Unidos.

Foram testados vários cães e seus donos em um experimento.

O resultado foi que, alguns comportamentos caninos foram muito mais frequentes quando os humanos brincaram com um cachorro de mentira do que com os outros objetos. Os cães com mais frequência morderam, puxaram seus donos e empurraram o objeto, tentando se colocar entre o dono e o cachorro de mentira, do que com os outros brinquedos.

Os cães também se mostraram duas vezes mais propensos a puxar seus donos

Os bichos estudados eram de raças diferentes, como dachshund, lulu-da-pomerânia, Boston terrier, maltês e pug. Quase a metade dos cães estudada era de mestiços. A pesquisa foi chefiada por Christine Harris e Caroline Prouvost, da Universidade da Califórnia, em San Diego.

"Nosso estudo sugere que não só os cães têm um comportamento que poderia indicar ciúmes, mas também que eles tentaram quebrar o vínculo entre o dono e um aparente rival', explicou Harris. "Não podemos falar em nome das experiências subjetivas dos cães, é claro, mas parece que foram motivados a proteger um vínculo social importante para eles".

***


 

Essa linda garotinha chamada Mel foi jogada fora, acreditem! Mas encontrou uma vida bacana ao lado de Margarethe Martha, que a adotou e lhe dedica muito amor Nicole é filha de Mel, que já estava prenha quando foi jogada fora. Ela divide as atenções e a amor de Margarethe. Mãe e filha vivem juntas e felizes E essa é a Rubi, a mais nova integrante da turma da Anita. Pela pose, ela tem tudo para seguir a carreira de modelo. Alguém tem dúvida?

***

Dicas de Raças

O delicado Lulu


Lulu da Pomerânia é, na verdade, a variedade miniaturizada do Spitz Alemão. Enquanto nos Estados Unidos é considerado uma raça distinta, no Brasil e no resto do mundo a variedade é oficialmente chamada de Spitz Alemão Anão.

É uma raça alegre, essencialmente amistosa, dócil, de caráter alerta, curioso e expressão inteligente. É um cachorro orgulhoso, animado e bastante ativo. É conhecido pela auto-confiança e também pela extrema lealdade a sua família. Aprende com facilidade, gosta de aprender truques e considera o treinamento uma grande brincadeira.

Apesar de apresentar um porte pequeno, o Lulu da Pomerânia é um cachorro altamente instintivo e pode desempenhar funções como a de cão de caça e cão de guarda. Como a maioria dos spitz e cães do tipo primitivo, o Lulu da Pomerânia é extremamente resistente ao frio, podendo suportar com facilidade temperaturas baixas.

É a menor variedade entre os cães da raça Spitz Alemão, apresentando no máximo 22 cm de altura, medidos sempre a altura da cernelha.

***

Saúde Animal

Medicina alternativa em Medicina Veterinária


Está sendo utilizada na Medicina Veterinária com dedicação maior em pequenos animais (cães, gatos, coelhos, aves, répteis, roedores e ferrets) algumas técnicas consideradas
Medicina Alternativa, que tem apresentado bons resultados em diversos tipos de tratamentos.

Vale ressaltar que o termo “alternativo” não significa a troca completa pela medicina tradicional, a alopática. As vezes é necessária que ambas, a alternativa e a tradicional, trabalhem ao mesmo tempo no mesmo paciente para um resultado melhor e sinérgico. Por isso, o termo mais adequado é Medicina Complementar.

Os proprietários procuram a medicina alternativa quando o animal de estimação não responde adequadamente ao tratamento com medicamentos tradicionais, o custo elevado da compra desses medicamentos, não percepção de resultado satisfatório na evolução do quadro clínico da doença em tratamento, presença de efeitos colaterais nocivos ao animal ou a informação que há outros tratamentos alternativos estudados e pesquisados por profissionais veterinários.

Há diversos tratamentos alternativos e destacaremos a acupuntura, homeopatia, quiropraxia, fitoterapia e florais.

Os florais foram introduzidos na medicina humana como também pela veterinária na década de 30 do século passado pelo médico inglês Edward Bach, que também era homeopata.

A essencia floral como alguns gostam de escrever nasceu a partir dos estudos do Dr. Bach de flores silvestres da Inglaterra e utilizá-las em pacientes humanos com sérios problemas emocionais. Num total de 38 essências que atuam em diversos aspectos do comportamento humana e animal são tilizadas com total segurança ao paciente humano e animal  com resultados muito satisfatórios.

Dr. Bach trabalhou exaustivamente cada planta e após trabalhosa pesquisa nos deixou com uma visão holística de interpretar a doença que muitos profissionais da saúda ainda a negam. Nas suas palavras "Os medicamentos devem atuar sobre as causas e não sobre os efeitos, corrigindo o desequilíbrio emocional no campo energético".

Prof. Cláudio Yudi Kanayama
Médico Veterinário – Universidade de Uberaba