Busque em todas as seções:
EDIÇÕES ANTERIORES: anteriores

Amigo Animal

ACESSIBILIDADE: A A A A
Marcos Moreno 03/07/2015
Marcos Moreno
kikitomoreno@terra.com.br
Amigo Animal

"Em termos de evolução, bem maior é o débito da Humanidade para com os animais do que o crédito que lhes temos dispensado para seu bem-estar e progresso." - Eurípedes Kuhl

 

Flash Pet
O 3º Desfile de Cães promovido no sábado passado na praça do Quartel pela SUPRA, e organizado pelos voluntários da ONG, foi sucesso total. Foram premiados cães nas categorias de raças e SRD.  Ainda levaram prêmios e brindes, os que estavam melhor caracterizados para a Festa Junina que rolou por lá, como também  para os “Destaques Especiais”. Sargento Marcelo Thales e  Soldado Eduardo Luiz Domingos apresentaram o trabalho dos cães Look e Angel, labrador e pastor treinados e a serviço do Corpo de Bambeiros. Foi uma festa colorida e muito alegre como mostram as fotos assinadas pelo Eduardo Miranda Araújo.

  

  

  

  

  

***

Saúde Animal

Um grande avanço!


O uso de células-tronco tem se tornado importante aliado no tratamento de doenças graves que acometem os animais de estimação.

A perspectiva de cura de doenças para as quais já não há tratamentos traz esperança não só aos seres humanos, mas também ao mundo animal. Apesar de ainda gerar polêmica, o uso de células – tronco PE um processo em constante evolução com a promessa de restaurar funções de órgãos e tecidos do organismo. Uma cadelinha poodle toy de 15 anos foi uma das beneficiadas pela técnica. Portadora de diabetes que desencadeou uma catarata, ela teve de passar por intervenção cirúrgica para voltar a enxergar. A cadelinha também apresentou um quadro de insuficiência renal. Os donos não pouparam esforços para salvá-la. Passou por seções de soroterapia e diálise para ajudar no funcionamento dos rins. Apresentou melhoras, mas ainda ficou dependendo de cuidados especiais.  Foi quando os donos tiveram conhecimento do uso de células tronco no tratamento de algumas doenças nos pets. Foi um sucesso. Com apenas uma aplicação o estado geral da cadelinha melhorou e o problema renal foi controlado. Obtidas a partir de material adiposo (gordura) de animais saudáveis- em geral de cadelas jovens no momento da cirurgia de castração, ou do próprio animal em tratamento-, as células-tronco surgem como importante aliado no tratamento das doenças graves que acometem os bichos. Os especialistas alertam que para realizar o tratamento é fundamental que o animal não tenha nenhum tipo de infecção. Por isto não é recomendável em quadros de leishmaniose e cinomose, durante a evolução das doenças , que provocam processos infecciosos constantes.

 

Pet Aventura

“O que aprendi com a Fiona”


O aprendizado é um dos itens relatados pelas pessoas que vivem a “aventura” de ter um pet. E esse é o relato bacana do Elmiro
Luiz Silva Neto, que deixa muito claro que amor entre o homem e o animal supera instintos e derruba preconceitos.

Ao contrário do que muitos podem pensar, a Fiona em questão não é a personagem do Filme Shrek. É uma fêmea de Rottweiler que meu irmão comprou quando ainda era filhote e veio para casa com seus quarenta e poucos dias.

Rottweilers filhotes são adoráveis bolinhas de pêlo e eu já sabia disso pois conhecia o Monstrão, outro Rottweiler que meus pais optaram por criar para dar segurança à casa. O Monstrão não era puro e quando cresceu ficou mais fácil de notar a diferença, pois era mais alto do que um de raça pura, porém menos forte...

Conheci a Fiona quando ela já tinha quase três meses. Também brincalhona, gostava de morder – como todo filhote – mas, acima de tudo, gostava de colo.

À época, morava fora e só a via quando visitava minha família. Lá pela quarta vez que a encontrei, aconteceu algo marcante que fez com mudasse minha atitude com ela. Ela já estava quase no tamanho que tem hoje e estava com o Monstrão no quintal. Meu irmão e meu pai aconselharem que eu os visse através da janela, pois tinham receio que ela me estranhasse, afinal não a via a tempos e, agora, aquela mordidinha de filhote brincalhona poderia fazer um verdadeiro estrago.

Quando me avistaram, se apoiaram nas patas traseiras e com as dianteiras tocaram a grade da janela. Ambos com aquele olhar dócil, orelhas abaixadas e língua para fora. Expressão que todo cão faz quando quer carinho. Quando enfiei a mão pela grade, na direção do Monstrão, a Fiona tomou a frente para receber carinho antes. O Monstrão não gostou e tentou se impor, latindo e simulando uma mordida. Retirei a mão de imediato. Sei que não tentou me morder, mas sei que acidentes acontecem quando pessoas tentam separar conflitos entre cães e acabam sendo mordidas.”

Rolou uma situação nesse momento para os dois, Elmiro e Fiona. Mas a história continua...

“Nas vezes seguintes em que a encontrava, sempre com ela presa no canil, me aproximava e ela ficava parada, esperando minha reação. Como não ficava muito tempo por ali, sempre que virava as costas, ela começava a latir. Cheguei ao ponto de pensar que era uma cadela sem solução... Mas com meus pais  e com meus irmãos, o comportamento dela sempre foi dócil. Eles me falavam isso e eu teimava em não acreditar.

Até o momento em que tomei a decisão de mudar a situação. Assistindo um desses programas onde adestradores treinam cães que seriam considerados casos perdidos, vi que a Fiona não era tão rebelde e violenta assim. Ela late com estranhos, coisa que todo cão de guarda faz, mas ela não tentava me atacar e não latia de imediato...

Ela se tornou uma grande amiga e então refleti sobre o tempo que me afastei dela. Imagino a reação dela na primeira vez que ela latiu e avançou na janela, quando me assustei pensando que ela queria me atacar. Hoje sei que aquele latido, para ela, poderia significar: “ei! Você brincava comigo. Por que não quer mais brincar?”. Ou então nas vezes em que ela latia assim que eu virava as costas: “Volte aqui! Você não me fez carinho hoje!”.

Essa comparação pode soar exagerada para muitos, mas, não para mim. Afinal, estamos falando de amor.”

Essa história tem detalhes riquíssimos e muito interessantes, mas não caberia nesse espaço. Mas deixa claro que os cães devolvem o que damos para eles. Se damos carinho...Ainda vamos contar muita história dessa figura linda que a Fiona!