Busque em todas as seções:
EDIÇÕES ANTERIORES: anteriores

Amigo Animal

ACESSIBILIDADE: A A A A
Marcos Moreno 31/07/2015
Marcos Moreno
kikitomoreno@terra.com.br
Amigo Animal

“As criaturas que habitam esta terra 
em que vivemos, sejam elas seres 
humanos ou animais, estão aqui para 
contribuir, cada uma com sua 
maneira peculiar, para a beleza 
e a prosperidade do mundo”- Dalai Lama.

 

Qual a pena para o caçador?
 
Sim, o mundo está se perguntando qual deveria ser a pena para o caçador (ou caçadores) que matou esta semana o mais famoso leão do Zimbábue, o leão Cecil, de 13 anos de idade, que vivia em área protegida e não podia ser alvo de caça, mas foi atraído para fora do parque onde estava para ser caçado.

Cecil era símbolo da conservação e uma atração turística africana. No dia 1º de julho, ele foi atraído para fora do Parque Nacional Hwange, onde vivia, por um carro carregando a carcaça de um animal morto e foi alvejado por arco e flecha. Ao ser atingido, Cecil fugiu, e só foi encontrado 40 horas depois, quando enfim foi morto pelo caçador.

Segundo o jornal britânico The Telegraph, o caçador é Walter James Palmer, um dentista de Minnesota, nos Estados Unidos. Ele pagou US$ 55 mil para a permissão de caçar no local em que matou o leão. Entretanto, a prática de atrair animais que estavam em áreas protegidas para regiões onde a caça é permitida é ilegal no país.

Dois outros homens são acusados de participar da caçada.

O caçador profissional Theo Bronkhorst e o fazendeiro Honest Ndlovuum podem pegar até 15 anos de prisão no Zimbábue caso sejam condenados.

O dentista já respondeu por crimes similares nos Estados Unidos.

Em 2006, ele foi condenado a pagar uma multa de US$ 3 mil após ter matado um urso-negro no Estado de Wisconsin.

Walter Palmer também tinha um histórico de caça a grandes animais e costumava publicar fotos deles mortos no Facebook, exibindo-os como troféus. Em uma delas, ele posa ao lado de um colega com um leão morto após um dia de caça.

Em declaração divulgada na terça, Palmer admitiu participação na caçada, mas disse que pensava que tudo estava legalizado.

O leão, chamado Cecil, foi depois degolado e teve a pele arrancada, segundo a ZCTF.

Palmer afirma ter pensado que "tudo estava legal e devidamente gerenciado" e disse que confiou na experiência de guias profissionais para "garantir uma caça legal". E ai fica a pergunta: é legal matar um leão seja em que área for?

Bem, nada devolverá a vida de Cecil, claro, mas, no mundo de hoje, de espécies maravilhosas como esta em extinção, o que fazer com um caçador assim?

 

***

Flash Pet

Devagar e sempre!
No último sábado a SUPRA realizou mais uma feirinha de adoção de animais. Desta vez aconteceu em parceria com o Shopping Praça Uberaba, e claro, com o apoio o da vereadora Denise Max. Foram doados quatro cães adultos e quatro filhotes. Todos os cães adultos foram doados castrados. As chipagens realizadas foram cinco. E de feira em feira as ONGs vão conseguindo dar um destino melhor para essas vítimas de abandono.