Busque em todas as seções:
EDIÇÕES ANTERIORES: anteriores

Amigo Animal

ACESSIBILIDADE: A A A A
Marcos Moreno 04/09/2015
Marcos Moreno
kikitomoreno@terra.com.br
Amigo Animal

O próprio homem não pode expressar o amor e humildade por sinais externos, tão claramente como um cachorro, quando ele encontra seu amado mestre.- 
Charles Darwin


A importância das redes sociais em relação à proteção animal
Claro que sempre haverá quem fale algo contra as redes sociais. Claro que sempre haverá um caso horrível relacionado às redes sociais. Claro que sempre haverá divisão entre opiniões sobre as redes sociais. Mas também é claro que elas são muito importante e, particularmente, em função do tema da coluna, claro que são fundamentais na luta em defesa dos animais. Por exemplo: o aposentado Alberto Bezerra, 60 anos, carrega o amor pelos animais do berço. Afirma, categoricamente, sempre ter se dado melhor com os cães do que com as pessoas que conheceu na vida. Em 2004, quando foi morar em Candeias, Jaboatão dos Guararapes, no Grande Recife, resolveu utilizar a nova casa para acolher bichos abandonados. O local ganhou o nome de Abrigo do Senhor Alberto e, hoje, com a ajuda de voluntários sensibilizados pela página homônima no Facebook, ampara 112 cachorros. A jornalista Goretti Queiroz, 52, conta que o poder de influência da profissão a motivou a lutar pela causa animal, estudando políticas públicas e cobrando uma postura do governo em torno do tema. Há oito anos, resgata, cuida e media a adoção de pets. Através de páginas na rede social, ela atinge aproximadamente 40 mil pessoas com campanhas pela defesa de cães e gatos.

O que Alberto e Goretti têm em comum é a luta pela proteção dos bichos com a ajuda de desconhecidos mobilizados pela web. São exemplos aleatórios. Aqui, na nossa cidade, já temos protetores e disseminação de casos de necessidade nas redes sociais.

Exemplo de um caso: no último dia 31, a queda de um cachorro de cima de um viaduto provocou revolta e mobilizou os moradores de Taubaté. Segundo relatos, o filhote, de cerca de um ano e meio e 12 quilos,  teria sido atirado de um carro no ‘Viaduto Torto da Estiva’. Na queda, o cachorro ficou preso na grade de um lava-rápido e foi socorrido por pessoas que passavam no local.

Nas redes sociais, os munícipes cobraram da prefeitura as imagens das câmeras de monitoramento do Centro de Operações Integradas (COI) que ficam próximas ao local, para tentar identificar o autor da ação. O caso levou o prefeito a se manifestar no final de semana. Segundo ele, as câmeras não flagraram a queda do cachorro. Mas claro, a história não acaba aqui. Os moradores que estão cuidando do Anjinho (nome que o cãozinho recebeu) registraram Boletim de Ocorrência para que caso seja investigado. E assim é! A coisa tem funcionado bem. E para quem pensa em maltratar um bichinho lembre-se: sempre pode haver uma câmera que vai publicar essas imagens em redes sociais.

***

Flash Pet


Cacau, essa cadela linda da raça labrador é da Gabriela Maltos, que tem outros bichinhos sob sua tutela, inclusive a fujona 
Phoebe...

Essa é a 
Phoebe. Outro dia, em um passeio matinal, ela bateu asas e ficou perdida. Sorte que foi “pousar” no meu prédio, na casa da Silvia, que ligou para Gabriela... graças ao facebook.

E essa é a Queen, também da raça labrador. Os teres dividem o amor da Gabriela, que, claro, tem espaço para muito mais.

***

Saúde Animal

Um sono do cão!!!


Seu cachorro parece dormir muito? Ou pouco? Será que ele está doente?

Antes de dizer quantas horas um cão deve dormir, precisamos lembrar que eles, assim como nós, possuem características únicas. Um é diferente do outro!

Há os mais agitados, os mais quietos, os que comem mais, os que comem menos, os que adoram água e os que detestam… e há os que adoram dormir e os que dormem pouco.

Exatamente como nós, seres humanos.

E o que determina o sono dos cães?

Ora, muitas coisas. A raça, a idade, o estilo de vida. Mesmo o fato de ser sozinho ou ter companhia de outro cão influencia isso – a gente  também dormiria mais se ficasse só o dia todo num apartamento, sem muito o que fazer.

E até mesmo a estação do ano: ou você pensa que apenas você quer dormir mais no inverno? Ah, você está de brincadeira! No frio todo mundo quer ficar no quentinho, dormindo mais!

Mas quantas horas de sono podemos considerar como normal, para um cachorro?

Se ele for um filhote vai dormir mais, talvez até 16 horas por dia.

Agora, se seu cão for já adulto uma boa média é entre 9 e 11 horas.

No entanto, veja: dormir muito ou pouco não é o que você precisa observar. O que você precisa observar é a mudança de comportamento.

Se até outro dia seu cão era dorminhoco e agora está super agitado, ou o inverso, se ele era super agitado e ficou sonolento, aí sim, você deve prestar atenção.

 ***

Pet Aventura

A seção Pet Aventura de hoje conta mais uma história real relatada no livro de Ana Regina Nogueira, “Viver o amor aos cães”.


Manu

Tantos milagres no mundo caótico. Cães rasgam tênues véus e trazem sinais sutis a quem consegue ler o livro da vida. Manu tinha cinomose quando foi abandonada dentro de um saco de lixo preto, fora do muro, à beira da estrada. Estava em choque, triste, fatigado, temendo o homem- fera. Morte em vida. Duvida-se que sobreviveria, talvez partisse para a glória, mas o errado pensar se esvaneceu. Paralítico e grande, tinha o olhar pedinte. Dia e noite soltava um choroso ganido longo, profundo, um pranto sem consolo. Mal comia. O grupo de serviço socorria seus apelos tecendo o fio invisível de amor, primordial para a cura. Cuidar dele era difícil: dar água na boca, remédio, por fralda. Passo a passo o escuro foi ficando claro, o olhar enevoado substituído por um brilho meigo, descansou das aflições e o amor voltou a palpitar nele. Alguém o chamou de Manu. O nome sânscrito designa uma consciência coletiva  que, por ter transcendido o individual, conduz humanos por caminhos cósmicos. Uma funcionária devota reza, aos bocadinhos, em meio à lida, para sossegar o coração... Esquecida de si, ia aliviando o corpo quase inerte, até..um dia, carregá-lo para tomar sol e decidir fazer-lhe companhia... divertiam-se, quando lembrou uma história bíblica de Jesus. Deu-lhe uma ordem: Levanta e anda, Manu!...E Manu levantou. E deu o primeiro passo hesitante. E mais um...Daí em diante, ninado por ondulações maternais, não se desgrudavam...Hoje, cheio de parceiros, Manu brinca alegre, mandão, sem traço de trauma. Ela segreda enternecida: a gente aprende a amar todos, nenhum é melhor do que o outro, mas tem os que marcam mais. Amo todos, mas Manu...

***