Busque em todas as seções:
EDIÇÕES ANTERIORES: anteriores

Amigo Animal

ACESSIBILIDADE: A A A A
Marcos Moreno 27/11/2015
Marcos Moreno
kikitomoreno@terra.com.br
Amigo Animal

"Um homem é verdadeiramente ético apenas quando obedece sua compulsão para ajudar toda a vida que ele é capaz de assistir, e evita ferir toda a coisa que vive." - Albert Schweitzer (1875-1965)

 

A arte do adestramento

Sim, claro que seu cão entende você. Mas claro também que, se ele passar por um adestramento profissional, vai facilitar muito a convivência. Os cães de pequeno porte não dispensam adestramento, mas podem ser naturalmente mais fáceis de manusear. Pelo menos no que diz respeito a segurá-los fisicamente. Isto não significa que um cão pequeno não possa ser mal educado. Nem que não morda e possa causar sérios danos. Aos próprios donos, certamente. Sem contar aqueles que espantam visitas e fazem, por capricho, xixi e outras coisas em lugares inadequados. Latidos excessivos, agressividade, medo... tudo isto pode ser controlado, desde que o cão seja educado. Educação que um bom profissional pode conseguir. Mas há aqueles que não podem ser segurados. São os cães de grande porte e que, naturalmente, oferecem um perigo maior. Nestes casos, a força aliada a agressividade se transformam em uma arma letal. No caso dos cães de pequeno porte, uma consultoria sobre comportamento pode ser muito significativa.  Já os cães de grande porte, geralmente são adquiridos para que sejam um “vigia”, um cão que “trabalha” como guarda. Existem também os cães treinados para pastorar rebanhos, para guiar pessoas com problemas de visão, farejadores, etc. Os cães que “trabalham” como vigias, residenciais, patrimoniais ou mesmo para defesa pessoal, precisam de um adestramento muito sério.  Não é qualquer profissional que tem capacidade e conhecimento para fazê-lo. O adestrador Adriano dos Santos tem acumulado conhecimento e experiência em seu trabalho, capazes de alcançar ótimos resultados, em todos esses casos. Sua última investida em aperfeiçoamento foi justamente no segmento para cães vigias. Esses animais nunca devem ser subestimados. Ao contrário, devem sim ser bem treinados, para que o dono conheça e possa prevenir mais suas reações e elaborar comandos. Mas os donos também não podem “dar mole”. Existem pessoas que não são capazes de dar fortes comandos. Trata-se mesmo de personalidades, tanto humanas, quanto caninas. Portanto, antes de ter uma “fera” de qualquer tamanho em casa, consulte um profissional para saber qual delas é mais apropriada para você. Minha dica é: procure o Adriano.

 

***

Flash Pet

“Abra suas asas, solte essas feras...” E por falar em amigos “feras” a seção de hoje é uma homenagem a esses grandes amigos.


Fiona é essa lindeza toda. Super controlada pelo Elmiro que nunca perde uma oportunidade de aprender com ela uma boa lição.


Este é freqüentador da coluna desde pequeno. Agora está um adulto maravilhoso. É o Crioulo, da família da Maria e Jorge. Certamente vai ser pai de belas ninhadas.


Falcão ainda é um menino, mas com essa cara a gente já imagina que vai ficar um adulto de respeito.  Ele é o meninão da Elza Maria dos Santos.

 

***

Saúde Animal

Zooterapia: troca de amor garante qualidade de vida!


Vereadora Denise Max, como sempre, coloca a mão na massa e faz funcionar o projeto Zooterapia, que já sendo executado nos asilos de Uberaba. Denise e seus assessores Marileide Campos, Mara Frange, Sergio Meccheri e a voluntária Daniela Cartafina estiveram visitando alguns asilos, levando cães para fazer um pouco de companhia para os velhinhos. 

Esse projeto, além de ter sido implantado em algumas casas de acolhidas para idosos também foi apresentado para a Associação dos Voluntários do Hospital de Clínicas da UFTM – AVHC que estuda a possibilidade de implantar o projeto no Hospital das Clinicas de Uberaba. Vale ressaltar que, esse tipo de terapia utilizando animais já está sendo implantado em vários hospitais e clinicas de reabilitação e de recuperação do País, principalmente nas capitais.

Essa terapia é muito utilizada em pacientes idosos, criança e adultos com necessidades especiais ou com problemas psicológicos. A terapia com cães e outros animais de estimação não promete a cura de doenças, mas resulta em benefícios para os pacientes, como por exemplo: melhora da capacidade motora; sistema imunológico mais resistente; amenização da depressão e ansiedade; diminuição da pressão sanguínea; aumento de sociabilidade e de auto-estima, além da sensação de melhora e bem estar.

O contato com animais vem proporcionando um aumento da afetividade, do ânimo e da socialização dos idosos; se antes essas pessoas se mostravam fechadas e entediados com a rotina do asilo, após essa terapia, os idosos passam a conversar mais uns com os outros, compartilham experiências de vida, relembram os animais de estimação que tiveram e conseguem sair da rotina.

Há relatos de especialista que após a instituição adotar um mascote, muitos idosos recuperaram a saúde e passaram a sorrir mais.

***

Dicas de Raça

Bolinha de algodão!
Essa bolinha de algodão é o Cóton de Tulear, cão do tipo de Bichón. Ele é muito simpático, gentil, carinhoso e atento. Cotóns de Tulear são cães muito sociáveis que se dão bem com crianças, outros cães e animais de todos os tipos, inclusive gatinhos. Essa é uma raça muito ligada à sua casa e ao seu dono, querendo sempre estar em sua presença e cercado das pessoas da família. Não sabe lidar com a solidão, por isso, se você passa longos períodos fora de casa, opte por outro bichinho, o Cotón de Tulear precisa de companhia e fará tudo para agradar quem está perto!

Apesar da aparência fofinha e índole amigável, o Cotón de Tulear pode ser um excelente cão de guarda. Sempre atento, ele servirá como um sonoro alarme se algo sair da rotina e certamente avisará sobre a presença de estranhos. É extremamente inteligente e aprende muito rapidamente, mas pode ser um pouco teimoso caso o dono não se imponha e demonstre que é o chefe. Como muitos cães pequenos, se ele não for educado, poderá desenvolver um comportamento chatinho, como latidos excessivos e ciúme, esse comportamento é chamado de Síndrome do Cão Pequeno. Esses possíveis problemas de comportamento são induzidos por seus próprios donos, que não entendem que o cãozinho não é um bebê, e sim um cachorrinho, e precisa de atividades de cachorro e não ser restrito ao colo!

O Cotón de Tulear é um cão perfeito para apartamentos, ele não precisa de um super gramado nem de muito espaço. Passeios diários são o suficiente para mantê-lo feliz e em forma. Mesmo tendo um nível de energia médio e passeios serem o bastante.

O Cotón de Tulear, talvez por ter sido criado como um cão de companhia por tanto tempo, parece ter a capacidade de compreender o que os donos estão querendo antes mesmo que o comando seja dado, é uma raça que sabe ler e interpretar a linguagem corporal do dono.