Busque em todas as seções:
EDIÇÕES ANTERIORES: anteriores

Amigo Animal

ACESSIBILIDADE: A A A A
Marcos Moreno 11/03/2016
Marcos Moreno
kikitomoreno@terra.com.br
Amigo Animal

“Todos os animais, com exceção do homem, sabem que a urgência da vida é aproveitá-la”- Samuel Butler

Cão e gato!

A expressão é bem conhecida: “brigam feito cão e gato”. A inimizade é legendária. Cachorro não combina com gato. Mas de onde surgiu isto? E por que a expressão virou sinônimo de inimizade? Será que eles não podem combinar? Claro que sim. Estamos vendo exemplo de amizade entre espécies a cada dia. E com cão e gato não seria diferente.  Absolutamente isto não é impossível. Eles podem sim viver em harmonia. É claro que, para que isto aconteça, o primeiro contato entre os felpudos precisa ter certos cuidados, para que a primeira impressão um do outro não seja negativa. Essa história de primeira impressão é que é complicada. Entre os humanos principalmente.  Bem, mas para quem quer ter vários amiguinhos de diferentes espécies em um mesmo espaço, é preciso realmente alguns cuidados especiais.  Quanto maior for o espaço, melhor será o entendimento. Aquela velha história “territorial”. Também tem que ser levado em conta o temperamento do animal. Há cães que não gostam de outra companhia nem da mesma espécie. Deve haver gatos assim também. Outra coisa muito importante, é que a divisão do tempo e do afeto. Claro, eles têm ciúmes. Muito ciúme. Cães e gatos podem se juntar em qualquer idade, mas se começarem a conviver desde pequenos, melhor. Mais fácil de se adaptarem. O que não é tão estranho assim, convenhamos. Nós humanos também vamos ficando mais seletivos e mais radicais com a idade. Pelo menos é o mais comum.  A idade ideal para se juntar é aos seis meses do gatinho e ao primeiro ano do cachorrinho. O primeiro contato é para se conhecerem. Vão cheirar um ao outro, brincar. Legal se puderem subir juntos na cama (quando isto é permitido pelo dono). Mas não dá para deixá-los sozinhos não. Há casos e casos. Quando o cão já estava antes na casa, por exemplo, será mais difícil de aceitar o novo morador. Se ele for adestrado e obedecer bem as ordens do dono (deita, quieto, senta, etc), melhor. Essas palavras de comando são importantes se ele resolver atacar o gato. Passando essa fase, tudo se ajeita mais tranquilamente.  No caso contrário, quando o bichano for mais velho de casa, o ideal é deixar o gato comer longe do cachorro, para que ele nãos se sinta ameaçado. Só quando o gato (primeiro morador) se sentir mais confortável com a presença do segundo, podem comer no mesmo local e horário. A chegado de novos animais na casa é sempre motivo de comemoração, mas de stress também. De qualquer maneira, a convivência boa desmente o ditado tão popular. A mídia está sempre mostrando, bem como as redes sociais, amizades inusitadas. Até mesmo entre feras, aves e mamíferos, etc. A espécie mais difícil de convivência tem sido comprovadamente a humana. Especialmente entre os da mesma espécie.

***

Flash Pet

Homenagem ao dia Internacional da Mulher


Três gerações de poodles, Três mulheres para homenagear- mesmo que atrasado- pelo dia Internacional. Elas são Debby, Cindy e Bituca, mãe, filha e neta. Todas dividem o carinho da Renata Hueb


E tem mais espaço tanto na casa quanto no coração da Renata. Essa é a Suzy, a pequena spitz alemã- ou Lulu da Pomerânia, que  compartilha tudo

E essa é Kiara, o xodó da Kefrem Lorena. A família toda fica em volta, paparicando, enchendo de luxo a pequenina... Portanto, essa é a homenagem da coluna ao Dia Internacional da Mulher do universo canino. Por que não?

***

Pet Aventura

Policial faz 'vaquinha' por tratamento de cão com câncer resgatado no DF


Foi notícia nas redes sociais e na mídia especializada. Em outras mídias também. Um soldado da Polícia Militar do Distrito Federal está fazendo uma "vaquinha" online para pagar o tratamento de uma cadela com câncer resgatada em frente ao Centro de Formação e Aperfeiçoamento de Praças, em Taguatinga Norte. A vira-lata Lucy foi encontrada no último dia 2 com carrapatos, sintomas de desnutrição e tumores nas mamas.

O policial Victor Dutra Bomfim, de 25 anos, trabalha no 6º Batalhão de Polícia Militar da Esplanada dos Ministérios. Apaixonado por animais, ele diz que não hesitou em resgatar e levar a cadela imediatamente ao veterinário.

"Foi meu primeiro resgate. Fiquei encantado com a Lucy. Ela é dócil, muito quietinha. Não dava para deixá-la abandonada nas ruas. Ela estava desidratada, não tinha forças para andar", conta.

A cadela passou por uma série de exames em uma clínica veterinária de Taguatinga, onde está internada. O tratamento custou R$ 1 mil. Segundo o policial, cerca de R$ 650 já foram arrecadados entre amigos de trabalho e familiares.

"Não fechei um valor de doação porque ainda não sabemos quanto o tratamento irá custar. O veterinário, graças a Deus, está colaborando, fazendo descontos. Ele também suspeita de que Lucy tenha um TVT [tumor venéreo transmissível]."

Bonfim afirma que não pode adotar Lucy por motivos financeiros, já que possui uma outra cadela, da raça Dachshund, e mora em um apartamento. Porém, ele diz que irá acompanhar o animal também no processo de doação.

"Estou muito apegado com ela. Foi uma coincidência, sabia? Eu estava fazendo um curso na Cepaf [centro de aperfeiçoamento de praças] e ela estava entre os materiais de construção. Quando vou visitá-la no veterinário, por exemplo, ela [cadela] chora quando tenho que ir embora. O próprio médico disse que, apesar do estado crítico de saúde, ele não faria a eutanásia. Ela é muito forte, quer viver", acredita o policial.

A divulgação da "vaquinha" online está sendo feita nas redes sociais e por meio do aplicativo WhatsApp. O policial pede que as doações sejam feitas por depósito, no valor de R$ 10.

***

Saúde Animal

O terrível TVT


Como a doença TVT (câncer venéreo transmissível) apareceu na seção Pet Aventura, vamos falar do que se trata essa doença.

O tumor venéreo transmissível também é conhecido como tumor de Sticker. Essa é uma doença de incidência maior em locais onde não existe controle sanitário, principalmente naqueles em que há uma grande população de cães de rua e com maior incidência em países de clima tropical.

Sintomas da ocorrência da doença em cães são a dificuldade de urinar, sangue na urina ou aumento da região dos genitais. Corrimento vaginal pode ocorrer em cadelas.

Pode ainda atingir órgãos internos das cadelas, como o útero, causando a sua infertilidade. Em alguns casos, pode atingir o focinho: animais cheiram um outro cão doente e adquirem a doença dessa forma, o que causa sangramentos nasais frequentes. Se não tratado, frequentemente leva o animal à morte.

O tratamento recomendado e eficaz é à base do uso de quimioterápicos específicos. A cirurgia para remoção do tumor não resolve o problema, pois a chance de nova ocorrência da doença é grande.

A quimioterapia contra o tumor venéreo transmissível deve ser feita somente em hospitais e centros veterinários, pois é um tratamento que exige diversos cuidados.

A prevenção dessa doença é simples! Evite o contato do seu cão com animais infectados, principalmente animais de rua. Essa é mais uma razão para castrar o seu cachorro!

Caso você esteja pensando colocar seu bichinho de estimação para reproduzir, vale levar ao veterinário para realizar um check-up do sistema reprodutivo, tendo em vista que a doença é venérea.

Matéria revisada por um profissional veterinário da Equipe AgendaPet.