Busque em todas as seções:
EDIÇÕES ANTERIORES: anteriores

Amigo Animal

ACESSIBILIDADE: A A A A
Marcos Moreno 22/07/2016
Marcos Moreno
kikitomoreno@terra.com.br
Amigo Animal

“Cachorros não conseguem ver TV. Mas eles fingem, assim conseguem ficar mais tempo perto de seu dono”- autor desconhecido.

 

Gato- maracajá

A Polícia Militar apreendeu um 
gato-maracajá, uma espécie de leopardo que está ameaçado de extinção, dentro de um supermercado de Iguape, no Vale do Ribeira, interior de São Paulo, na manhã da última (19).
Segundo informações da PM, o animal estava bastante agressivo quando foi encontrado, por conta da situação e do local com constante movimentação. Consumidores e funcionários do supermercado ficaram assustados ao se depararem com o animal.
Para capturar o animal, os policiais tiveram que improvisar, utilizando luvas e uma rede de pesca de siri. Ainda de acordo com a PM, em situação de estresse, o animal representa risco à vida humana.
Após a apreensão, o gato foi levado à uma área de Mata Atlântica e solto em seu habitat natural.
O bicho mede 42 a 79cm de comprimento e sua cauda mede de 30 a 51cm. Pesa de 2,3 a 4,9Kg com machos e fêmeas praticamente do mesmo tamanho. Tem cabeça mais arredondada que os demais felinos e olhos surpreendentemente grandes. Sua cauda é proporcionalmente maior que de outros felinos e pode ser eficaz para equilíbrio e como contrapeso para saltar. Suas garras são proporcionalmente maiores, ajudando a agarrar em troncos e galhos.
Vivem em áreas de florestas e são ótimos escaladores e saltadores. Podem saltar verticalmente 2,5 metros em um único impulso. Têm tornozelos traseiros extremamente flexíveis, parecido com esquilos e único entre felinos, permitindo rotação de até 180 graus desses membros, o que resulta em rara habilidade de descer de árvores de cabeça para baixo. São solitários e descansam em árvores de dia.
Naturalmente não foi o gato que invadiu por invadir o local. Nós os humanos estamos, claro, invadindo os seus habitas. Isto todo mundo sabe. O que não sabemos é o que fazer para deter essa destruição do Meio Ambiente. Ou não queremos, o que deve ser o mais provável.

***

Flash Pet

Lessandra Moreira é uma verdadeira protetora de animais. Resgata cães de rua, maltratados, escorraçados, e nas situações mais terríveis. Assim como várias ONGs e /ou outras pessoas que são os “anjos-de guarda” dessas pobres e inocentes vítimas da irresponsabilidade humana . Enfim, ainda bem que existem “Lessandras”..  Esse são alguns dos resgatados à espera de um lar. Adotar é um ato de amor. Quem quiser ajudar entre em contato com ela pelo face.

Thor Sanção
 
Bob

Nina

***

 Saúde Animal


Assim como nós humanos, no inverno os animais também estão mais propensos a adquirirem doenças e a procura por clínicas veterinárias aumenta. Como a transmissão de virose nos cães é mais rápida que nos gatos, eles são os primeiros a chegarem nas clínicas.

Além das doenças respiratórias que são as mais comuns, os animais idosos com problemas osteoarticulares como artrose, calcificações na coluna ou hérnia de disco, passam a sentir mais dor quando expostos às baixas temperaturas. 

Nos Cães, a doença mais comum no inverno é traqueobronquite, conhecida como Gripe Canina ou Tosse dos Canis. Os sintomas são parecidos com os da gripe humana, espirros, falta de apetite e tosse normalmente seca que pode evoluir para catarro. A melhor forma de prevenção é a vacinação. Como a doença é transmitida pelo contato, a vacinação é ainda mais importante para quem tem mais de um animal. Se o animal do vizinho estiver doente, o seu pode contrair a doença mesmo estando dentro de casa. As infecções por vírus são mais brandas e normalmente não precisam de um tratamento específico.  Porém, em alguns casos quando a infecção é causada por bactéria, principalmente a Bordetella, o quadro é mais grave e pode evoluir para pneumonia se não tratado corretamente.

Nos Gatos, a doença típica de inverno é a rinotraqueite, mais comum em filhotes. Transmitida pelo contato entre animais. Secreção nasal e ocular, dificuldade de respirar, febre e desidratação são os sintomas. A prevenção é a vacinação contra o herpesvírus, que é o vírus responsável pela doença. É importante também desinfetar o ambiente e os utensílios do gatinho doente. 

Com o avanço da medicina veterinária, os animais em geral estão vivendo mais tempo e consequentemente, o número de animais com doenças relacionados à idade também cresceu. No inverno, além das doenças respiratórias, os problemas mais comuns apresentados pelos cães e gatos idosos são os relacionados a ortopedia, que afetam principalmente sua qualidade de vida, já que a dor é mais intensa durante as baixas temperaturas.

A mais comum das doenças ortopédicas é a Artropatia Degenerativa ou Osteoartrose, ou simplesmente Artrose, doença que pensava-se ser exclusiva dos seres humanos até há pouco tempo. Na artrose, a cartilagem sofre alterações degenerativas e perde a capacidade de absorver e distribuir impactos, o que resulta em dor nas articulações. Consequentemente os bichinhos ficam mais quietos e relutantes a andar, brincar, correr, subir escadas, etc.

No frio a sensação de sede diminui e é importante cuidar da hidratação dos animais.  No inverno, evite passeios nos dias muito frios e banhos muitos frequentes principalmente nos animais mais idosos. doenças. Esteja então em dia com as vacinas.

É importante ainda que todos os animais tenham uma casinha ou um lugar coberto para dormirem. Cães que dormem ao relento são os primeiros candidatos a desenvolverem doenças respiratórias.

 

***

Pet Aventura

Sem destino!

O filme “Sem Destino”, lançado em 1969, com o ator Peter Fonda- então um jovem que causava suspiros na galera- fez um sucesso retumbante. Claro que no Brasil chegou já na década de 70. E foi icônico. É icônico. Conta a história de dois amigos que resolveram sair viajando em suas motos realmente sem destino, para onde a estrada literalmente os levava. Enfim, cito o filme apenas para lembrar que ele ainda inspira. É o que está fazendo o veterinário americano Robert Kugler. Só que ele saiu de viagem com sua fiel amiga, a cadela Bella.

Bella teve um câncer ósseo que a fez amputar uma pata. Robert Kugler, de Nebraska (EUA), achou que doença estaria sob controle. Mas o câncer se espalhou para os pulmões da cadela.

Então Robert, que trabalha para a Marinha, iniciou com Bella, fêmea de labrador de 9 anos, sua última viagem.

"É a mais bela relação que já tive com alguém. Não me importa que seja uma cadela", comentou o veterinário em entrevista à CNN.

Robert pegou a estrada sem destino. E sem pressa. Atualmente, a dupla está na Flórida. Talvez essa história seja mais emocionante que a do filme.