Busque em todas as seções:
EDIÇÕES ANTERIORES: anteriores

Bastidores

ACESSIBILIDADE: A A A A
Bastidores 29/04/2014
Bastidores
Bastidores
Bastidores

LUTO - Morte de dom Aloísio Roque é destaque na “capa” do site da CNBB

Inesperado
Apesar dos vários problemas de saúde que ele vinha enfrentando – incluindo uma doença coronária, a morte do arcebispo emérito de Uberaba, dom Aloísio Roque Oppermann, no final de semana, pegou todo mundo de surpresa. Ele continuava trabalhando normalmente, e foi justamente o fato de não ter comparecido a um compromisso na manhã de domingo que fez com que fosse encontrado morto, logo cedo, em sua residência.

Recado derradeiro
O arcebispo – antenadíssimo, diga-se de passagem, não faltou sequer com o compromisso do artigo semanal (escrevia aos domingos) no JORNAL DE UBERABA. E mais: pelo teor, conclui-se que o desabafo intitulado “Valeu a pena fazer revolução?” foi escrito muito recentemente. Dom Aloísio Roque lamentou as relações do Brasil com a comunista ilha de Cuba, se referindo de forma muito direta ao Programa Mais Médicos. 

Ideologia
O arcebispo emérito lembrou que a revolução de 31 de março, no Brasil, foi consequência do “medo que vinha da ilha da Cuba”. Daí, o questionamento no título: “Valeu a pena fazer revolução?” Os temores explicitados por dom Aloísio no artigo indicavam sua dúvida quanto ao real papel dos médicos cubanos. Ou seja, se estariam propagando a ideologia socialista.

Companheiro
Pelo menos uma cena provocou emoções extremas durante o velório do arcebispo emérito: a chegada, ao local, do seu antecessor, dom Benedito de Ulhôa Vieira. Também arcebispo emérito, o religioso não conseguiu segurar e colocou pra fora toda a sua angústia. Sem dúvida, um dos bispos mais admirados e respeitados que já atuaram em Uberaba, dom Benedito fez muita gente chorar junto com ele.

Raízes
E vale lembrar que, apesar de nenhum deles ter origem por estas paragens, os três arcebispos de Uberaba que se aposentaram fizeram questão de manter residência em Uberaba: dom Alexandre Gonçalves, dom Benedito Ulhôa e dom Aloísio Roque – sendo que dom Roque deixou o cargo entre abril/maio de 2012, quando se aposentou por idade, e foi sucedido por dom Paulo Mendes Peixoto.

Recapitulando
“Para as eleições que se aproximam, os debates não devem ser cenas de pugilato, nem de baixarias. Mas, sim, um confronto saudável, que leve a tempos melhores, e garantam que os bens públicos serão geridos com lisura”.
_Dom Aloísio Roque, já arcebispo emérito, em seu artigo publicado na edição de 5 de agosto de 2012, no JU – em plena campanha de prefeito e vereadores.

Chutes e facas
E por falar em vereadores, dizem as más línguas – e as boas também, que o clima fervilhou, ontem, nos bastidores da Câmara de Uberaba. Os vereadores Paulo César Soares – vice-presidente da Câmara, presidente da Comissão Permanente de Desenvolvimento Social, filiado ao SDD, e Edmilson Ferreira de Paula, presidente da Comissão Permanente de Defesa do Consumidor e do Patrimônio Público, filiado ao PRTB, se estranharam – e põe estranharam nisso!

Origem
(Versão 1)
A encrenca de Paulo César Soares e Edmilson Ferreira tem origem no frigorífico Boi Bravo, do bairro Costa Telles. Na edição de sábado, esta coluna revelou que, durante reunião plenária no dia anterior, o vereador do Solidariedade, mais inflamado do que nunca, insistiu que o frigorífico seja retirado do local. Por sua vez, o vereador do Partido Renovador Trabalhista Brasileiro saiu em defesa da empresa, lembrando, inclusive, que, quando o proprietário Romeu Telles esteve recentemente na Câmara, ninguém criticou – nem mesmo Paulo César.

Origem
(Versão 2)

Já a encrenca de Paulo César Soares com o empresário Costa Telles tem origem bem mais antiga: na década de 1980, quando Paulo César exerceu seu primeiro mandato de vereador. 

Moral da história
Entre feridos e quase mortos, por pouco, não aconteceu uma tragédia ontem, nos bastidores da Câmara de Uberaba.

Emoções
Prefeito Paulo Piau (PMDB) e alguns médicos cubanos foram às lágrimas – literalmente falando, durante recepção aos profissionais que desembarcaram em Uberaba através do Programa Mais Médicos, do governo federal.  O prefeito e a primeira-dama, Heloísa Piau, conversavam com os médicos sobre a situação deles em Cuba e no Brasil. 

Mundo novo
Os médicos – que vão atender no Programa Saúde da Família/PSF, lamentaram que sejam incompreendidos em alguns casos; agradeceram a recepção (incluindo o almoço com a presença do prefeito e dos novos colegas da saúde pública local); revelaram que, a exemplo dos brasileiros que trabalham em outros países, eles vão destinar parte dos salários para suas respectivas famílias, em Cuba; e reafirmaram o compromisso com a saúde da população de Uberaba. 

EMOÇÕES – Antenadíssimo Enerson Cleiton flagrou o momento em que o prefeito Paulo Piau se emocionou durante recepção aos profissionais cubanos que desembarcaram em Uberaba através do Programa Mais Médicos. Ele e a primeira-dama Heloísa Piau conversavam com os médicos sobre a situação deles em Cuba e no Brasil