Busque em todas as seções:
EDIÇÕES ANTERIORES: anteriores

Bastidores

ACESSIBILIDADE: A A A A
Bastidores 17/09/2014
Bastidores
Bastidores
Bastidores

NA REDE - Anderson Adauto postou vídeo, ontem, no Facebook, por volta de 13h, com mensagem sobre sua situação nas eleições de 2014

Resiliência
Demonstrando tranquilidade, e procurando não entrar em detalhes sobre sua situação jurídica, e sem falar em datas, o ex-prefeito, ex-ministro e ex-deputado federal Anderson Adauto (PRB) se diz um resiliente e que, portanto, estará de volta em outra oportunidade.  

A vida continua
AA admite que não conseguiu que o Superior Tribunal de Justiça/STJ julgasse o mérito de seu recurso contra a sentença do Tribunal de Justiça de Minas Gerais/TJMG, que o condenou por omissão. E afirma que, “infelizmente”, teve que abdicar da candidatura em 2014. Mas, segundo ele, a vida continua. “Perder, às vezes faz parte, mas desistir, jamais” – destaca.

Apoios
O ex-prefeito considera “uma pena”. E justifica: “Resgatei a maioria absoluta dos companheiros antigos para me apoiar na região, e, em Uberaba, eu seria contemplado com grande apoio, em reconhecimento pelo trabalho que realizei na cidade”.

Depois da eleição
Vereador Kaká Carneiro (PSL) anuncia o adiamento de audiência pública, proposta por ele, para tratar do armamento da Guarda Municipal de Uberaba. Inicialmente prevista para quinta-feira desta semana, a audiência foi transferida para 16 de outubro, às 19h, na sede da Câmara.

Inconformismo
(Versão 2)

E o presidente do PMDB/Uberaba, deputado estadual e candidato à reeleição, Tony Carlos, não foi o único a impetrar mandado de segurança contra a apreensão de seu material de propaganda, considerado irregular pela Justiça Eleitoral. O vereador Samuel Pereira (PR) – outro que disputa cadeira na Assembleia Legislativa, também levou seu inconformismo para o Tribunal Regional Eleitoral de Minas Gerais – TRE/MG.

Sem liminar
De acordo com os autos, Samuel ficou sem 64 cavaletes, que foram apreendidos em ação da Justiça Eleitoral e Polícia Militar de Uberaba, junto com cavaletes de outros candidatos, inclusive os de Tony Carlos. O juiz/relator do mandado de segurança, Vírgilio de Almeida Barreto, negou a liminar solicitada pelo vereador/candidato e pediu informações à Justiça Eleitoral de Uberaba antes de julgar o mérito do pedido de segurança.

Moral da história
O juiz é o mesmo que já julgou o mérito do mandado de segurança de Tony Carlos. Indeferiu o mandado.

Boa ideia
Vereador João Gilberto Ripposati (PSDB) – 1º secretário da mesa diretora da Câmara de Uberaba e com trajetória ligada ao meio ambiente, pediu que o Centro Operacional de Desenvolvimento e Saneamento de Uberaba/Codau oficializasse a situação de emergência por conta da seca do rio Uberaba (e consequente falta d’água na cidade).

Virtual... mas real
Paralelamente, na rede social preferida dos uberabenses – o Facebook, a população clama por informações detalhadas sobre a falta d’água. Em resumo, a grande maioria dos comentários é pelo jogo aberto. Sem meios-termos.

Na ponta
da língua

A falta de água, aliás, se tornou um assunto generalizado e tem que ser tratado de acordo com o que exige a situação. Terça-feira, 16 de setembro, 13h: a candidata a presidente da República Marina Silva (PSB) abriu seu programa no horário eleitoral gratuito lamentando a situação dramática da falta de água no país, especialmente no Sudeste (que inclui São Paulo e Minas Gerais). De acordo com ela, a situação de calamidade dos reservatórios é consequência do desmatamento que tem ocorrido na Amazônia.

Eleições 2014  
Minas Gerais terá mais de 400 pontos de transmissão remota do resultado das urnas eletrônicas, em mais de 150 municípios. Informação é do TRE de Minas, lembrando que esse tipo de transmissão pode ser feito por linha telefônica convencional, via satélite (16 pontos) ou pela internet, utilizando uma nova tecnologia, denominada JE Connect. 

Facilitando
Utilizada pela primeira vez pela Justiça Eleitoral mineira, a nova tecnologia permite que os dados, criptografados, sejam enviados de forma segura para o TRE, por meio de um computador com acesso à internet. Os municípios que utilizarão a tecnologia são, na maior parte, aqueles cujos locais de votação são de difícil acesso ou aqueles cuja zona eleitoral responsável fica em outro município – Minas Gerais possui 559 cidades nessa última condição.