Busque em todas as seções:
EDIÇÕES ANTERIORES: anteriores

Bastidores

ACESSIBILIDADE: A A A A
Bastidores 20/12/2014
Bastidores
Bastidores
Bastidores

Escritor, advogado, historiador e “imortal” da Academia de Letras do Triângulo Mineiro, Guido Bilharinho, presenteia a coluna Bastidores com sua obra em fase de lançamento

 

Enquanto isso...

no mundo virtual

Nada como cair a maior chuva do ano em tempos de obras de Água Viva numa cidade rodeada de colinas!!!! Facebook fervilhou na quinta-feira, 18 de dezembro de 2014, com gente reclamando, gente explicando e até gente prevendo o fim do mundo...

 

Previsão maia

Esta aqui foi postada por um jovem religioso no mural do prefeito Paulo Piau (PMDB): “Estamos nos aproximando da volta de Jesus e coisas piores virão. Convoque o povo dessa cidade a se arrepender das coisas ruins praticadas (bebedices, blasfêmias, arrogâncias, idolatria, crimes, abusos etc...). Está tudo na palavra de Deus. Vamos orar por Misericórdia!”

 

Água Viva...

Já esta outra foi postada pela arquiteta, subsecretária de Planejamento, Maria Paula Meneghello: “O projeto Água Viva começou há várias gestões, mais precisamente na administração Marcos Montes. Os projetos foram muito bem feitos e aprovados pelo corpo técnico do Banco Mundial e Caixa Econômica Federal que emprestaram dinheiro para as obras porque confiaram no trabalho feito pelos melhores escritórios de consultoria...”

 

A solução...

E continuou Maria Paula: “Havia sim, inicialmente, a previsão de piscinões, que foram eliminados na administração passada (se referindo ao governo Anderson Adauto), e que poderiam agora fazer a diferença...”

 

Ainda assim...

Mesmo lamentando a “eliminação” dos piscinões, Maria Paula ainda entende que, sem o Água Viva, podia ser pior: “Com uma chuva da magnitude da que caiu quinta-feira, não há canal que dê conta; o grande volume em tão pouco tempo foi o grande problema. Mas, certamente, sem as obras do Água Viva teria sido muitas vezes pior”.

 

Celulares...

Não é por acaso que as vendas de celulares batem recorde atrás de recorde no Brasil – segundo pesquisas sobre economia em 2014... Nada... nadinha mesmo...pode se comparar à quantidade de vídeos postados por facebookeanos das mais variadas faunas e floras, sobre a enchente de quinta-feira, em Uberaba.

 

...e os minutos

de fama

É surpreendente o número de pessoas que – ou ficaram no centro, apesar da enchente; ou foram ao centro por causa da enchente; ou não tiveram jeito de sair do centro, porque ficaram ilhadas pela enchente; ou fazem qualquer sacrifício pra conseguirem uma gravação para a rede social!

 

Ela é professora...

Amigos, ex-colegas de magistério e ex-alunos da professora Dirce Miziara fazem um apelo em socorro da educadora de 99 entre cada 100 ex-alunos de Uberaba... Vítima de um AVC – Acidente Vascular Cerebral, Dirce está com a mobilidade reduzida, necessitando de acompanhamento 24 horas/dia, e, de quebra, está sem trabalho desde antes da doença.

 

Vale lembrar...

Dirce Miziara é uma das 14 integrantes da lista de “membros correspondentes” da Academia de Letras do Triângulo Mineiro... Vejamos o que diz o estatuto da ALTM (cap.II, art.6): "Somente poderão ser membros efetivos e sócios correspondentes pessoas de notório valor intelectual, que tenham livros publicados, ou que apresentem produção literária ou científica publicada, e de reconhecido mérito".

 

Moral da história

Quem puder e quiser colaborar, pode fazer um depósito na conta da professora, na

Caixa Econômica Federal - Agência: 2982; Operação: 001; Conta: 2225-3.

 

Enquanto isso...

na saúde de Uberaba

De acordo com o Ministério Público Federal em Minas Gerais – MPF/MG, “o impasse entre o Hospital de Clínicas da Universidade Federal do Triângulo Mineiro – HC/UFTM e a Secretaria Municipal de Saúde de Uberaba... está próximo do fim”. O release distribuído ontem, pela assessoria de imprensa do MPF/MG, se refere “à assinatura do novo contrato de prestação de serviços no âmbito do Sistema Único de Saúde /SUS”.  

 

Revelações

Explica o MPF/MG, que, em audiência realizada esta semana na Central de Conciliação da Justiça Federal em Uberaba, “as partes conseguiram chegar a um acordo quanto ao estabelecimento de medidas para a recontratualização dos serviços de saúde”. Audiência aconteceu a pedido do Ministério Público Federal em uma representação, “por meio da qual expôs a preocupação de que a controvérsia pudesse prejudicar a prestação de serviços, com riscos de desatendimento para a população”. Ainda assim, uma nova audiência foi marcada para o dia 29 de janeiro de 2015 “para prosseguimento das negociações”.

 

O contrato

O release da comunicação do Ministério Público Federal lembra que o HC/UFMG presta serviços à rede municipal de saúde de Uberaba por força de um Convênio de Cooperação Técnico-Administrativa, que, celebrado em 1º de dezembro de 2009, tinha prazo de 60 meses – e portanto, cinco anos. “Findo seu prazo de vigência, teve início uma série de tratativas entre o HC/UFTM e a Secretaria Municipal de Saúde, órgão local gestor do SUS, para repactuação do contrato” – detalha a notícia do MPF/MG.

 

Pela média

E assim, sem acordo quanto ao teto financeiro a ser destinado ao HC/UFTM, instalou-se a crise, que levou as duas partes à audiência de conciliação. “Ficou estabelecido que o valor contratado com o Hospital de Clínicas será calculado de acordo com a média de produção dos últimos seis meses (julho a dezembro de 2014), condicionado à disponibilidade orçamentária. Esse valor, por sua vez, será reavaliado a cada seis meses pela Secretaria Municipal de Saúde de Uberaba” – diz o release do MPF/MG.