Busque em todas as seções:
EDIÇÕES ANTERIORES: anteriores

Bastidores

ACESSIBILIDADE: A A A A
Bastidores 20/09/2016
Bastidores
Bastidores
Bastidores

Livro de uberabense no Fliaraxá

 

Divulgação

“Hugo, o Draculindo” é o livro que teve edição especial lançada no Fliaraxá

 

“Hugo, o Draculindo” é o livro que teve edição especial lançada no Fliaraxá 2016, no último dia 16, no auditório mais importante do evento. Cada criança recebeu um exemplar do livro escrito por José Otávio Lemos, que ocupa a cadeira número 5 da Academia de Letras do Triângulo Mineiro, e ilustrado por Pedro Otávio Patrício Lemos. Os dois, pai e filho, tiveram palestra com mediação da conhecida contadora de histórias Lucrécia Leite, que interagiu bastante com eles e os assuntos giraram em torno do “amor, da leitura e das diferenças”, tema do festival neste ano, 5ª edição. Mais de 60 autores entre nacionais e estrangeiros estiveram com o público em palestras, saraus, oficinas e muitas outras atividades.

 

 

eSocial

A partir do dia 16 de setembro, o eSocial passou a calcular as principais verbas rescisórias dos empregados domésticos. Basta o empregador informar a data e motivo da rescisão e se é devido aviso prévio indenizado. Com essas informações, o sistema efetua os cálculos das verbas saldo de salário, aviso prévio indenizado, 13º salário, férias proporcionais, terço constitucional de férias e salário família, todos baseados no valor do salário contratual do empregado. Em situações específicas, o empregador deve alterar os valores calculados e/ou informar valores para outras rubricas, tais como horas extras, adicional noturno, desconto de faltas, multa por atraso no pagamento da rescisão etc. Nas situações em que o empregado doméstico não tem direito a férias indenizadas e recebe apenas salário fixo, ele não precisa fazer cálculos rescisórios. A nova funcionalidade facilita os procedimentos de geração do Termo de Rescisão de Contrato de Trabalho - TRCT.

Vacina dengue

Todos os anos o Ministério da Saúde lança campanhas de conscientização para reforçar os cuidados com a proliferação do Aedes aegypti e evitar o aumento do número de casos de dengue. Após viver, no ano passado, o maior surto da doença desde o início da série histórica na década de 1990, com mais de 1,6 milhão de doentes catalogados, o Brasil segue em alerta em 2016. Até julho deste ano, foram contabilizados quase 1,4 milhão de infectados. Segundo dados do próprio Ministério, mais da metade dos casos registrados em 2016 aconteceram na região Sudeste, sendo que desse total, mais de 60% se concentraram em Minas Gerais. Diante desse cenário foi liberada para comercialização pela Anvisa a vacina contra dengue. O material é produzido apenas pelo laboratório Sanofi Pasteur e distribuído em todo o país por clínicas e hospitais.

Campanha MGO

Durante a Semana Nacional de Trânsito, 18 a 25 de setembro, a MGO Rodovias realiza simultaneamente duas campanhas de segurança e saúde na BR-050 com o objetivo de reduzir o número de acidentes e mortes no trânsito, e estimular os motoristas a refletirem sobre sua responsabilidade e comportamento para que isso ocorra. Em sua campanha “Desculpas não evitam mortes no trânsito”, a concessionária segue a linha do tema definido pelo Contran (Conselho Nacional de Trânsito) para a Semana Nacional de Trânsito deste ano, que é “Eu sou + 1 por 1 trânsito mais seguro”, e que tem a finalidade de conscientizar o cidadão de sua responsabilidade no trânsito, valorizando ações do cotidiano e visando à participação de todos para o alcance da segurança viária.

 

Aproveitamento

Transformar sobras de papel, listas telefônicas e guias recolhidos por meio do programa de logística reversa em produtos artesanais. Essa foi a forma sustentável que a Algar Telecom, empresa de telecomunicações do Grupo Algar, encontrou para reaproveitar o material que normalmente é reutilizado na produção de papéis (que viram novas listas) para gerar outros produtos e ao mesmo tempo renda para pequenos artesãos da região onde essas mídias são distribuídas.

 

Transformar vidas

 

Um minuto para doar, uma vida de mudanças. Esse é o convite da Legião da Boa Vontade à sociedade, para que mais e mais famílias tenham uma vida melhor. Portanto, quando a LBV chamar, atenda com o coração: diga sim! Com a sua ajuda, a Legião da Boa Vontade investe na educação de milhares de crianças; oferece cultura, lazer e esporte a adolescentes e jovens; capacita jovens e adultos para o mercado de trabalho; orienta gestantes e mães sobre saúde e gestão familiar; ampara e cuida de idosos. Sua doação proporcionará o aprimoramento dos programas socioeducacionais realizados pela LBV. Diga sim à LBV! Acesse www.lbv.org.

 

Inusitadas

Entendo a preocupação do juiz Sergio Moro com a ida de Ricardo Lewandowski para a Segunda Turma do STF, justo a que cuida da Lava Jato. Se presidindo o julgamento do impeachment tudo acabou no favorecimento de Dilma Rousseff, que decisões inusitadas, para dizer o mínimo, poderá Lewandowski tomar naquela instância que possa prejudicar a precisão cirúrgica do desenrolar dos trabalhos do MPF e da PF? Estamos todos preocupados, dessa vez não poderemos permitir chicanas adrede preparadas! Nota encaminhada pela leitora Mara Montezuma Assaf.

 

Método de Lula!

Tudo que vem do ex-presidente Lula merece uma análise profunda. Nessa quinta-feira em seu discurso inflamado e colérico, disse que “A profissão mais honesta é a do político. Por mais ladrão que seja, todo ano ele tem que ir pra rua tentar voto. O concursado, não, faz uma faculdade, e tem emprego garantido para o resto da vida.” Para começo de conversa, todos nós sabemos como concurso público é concorrido. Portanto, o concursado precisa estudar muito, já que para poucas vagas existem milhares de concorrentes. Se não existe fraude, precisam estudar muito. Outra, ao enaltecer os políticos, com certeza Lula estava mimando e bajulando o Congresso, para que aprovem lei, desengavetada por Renan Calheiros, que barra a Lava Jato. Afinal, eles que têm o poder. Ainda bem que depois de 14 anos aprendemos a desnudar Lula e o PT! Estão ficando muito previsíveis. Comentário da leitora Beatriz Campos.