Busque em todas as seções:
EDIÇÕES ANTERIORES: anteriores

Bastidores

ACESSIBILIDADE: A A A A
Bastidores 05/10/2016
Bastidores
Bastidores
Bastidores

Os políticos estão destruindo o Brasil
Itamar foi o último presidente eficiente. Entregou o Brasil melhor do que recebeu. FHC, o “pavão da Sorbone”, dizimou a economia. Entregou a preço de banana para os grandes grupos internacionais, tudo que os militares construíram. A maioria das privatizações foi feita com financiamento do BNDES. Pagamos para nos comprar.

Cadê o dinheiro?
Loteou as rodovias paulistas aos grupos políticos da família Covas e Quércia - as minas de ouro dos pedágios paulistas. Criou as desonestas tarifas bancárias. Hoje o brasileiro paga as maiores taxas, juros e pedágios do mundo. Dos 100 bilhões de dólares das privatizações, ninguém sabe ninguém viu...

Lula o Bufão Latino
Seu primeiro mandato, gerido por uma eficiente equipe de ministros, restituiu o orgulho nacional. Já no segundo, para se manter no poder e enfrentar os escândalos de corrupção, iniciou o desmonte da ordem e da ética. 

Dilma, a presidente fantoche
Atuou como uma boneca de ventríloquo. Lula e o PT falavam e governavam através dela. Foi a gestora que mais construiu e realizou obras... Todas fora do Brasil. Inflou a máquina pública com apadrinhados. As tais agências reguladoras, verdadeiros balcões de negócios, passaram a beneficiar a quem deveria fiscalizar.

Temer? Quem sabe!
Está bem intencionado e mal assessorado. Seus ministros, com raras exceções, são velhos adeptos do toma lá dá cá. Não existem santos purificados. São demônios egoístas que pensam apenas no interesse próprio, fazem parte da podre cultura política reinante neste país.

Paraguai é o 
novo Brasil
Cansados de esperar por governos honestos, eficientes, e reformas que nunca acontecem, os desiludidos empresários brasileiros estão batendo asas rumo ao Paraguai. A maior manufatura de brinquedos da América Latina demitiu 1900 funcionários em São Paulo e foi para Ciudad del Este. Uma gigante varejista de moda está fechando 8000 empregos no Nordeste e mudando para o Paraguai. Outras dezenas de empresas fizeram o mesmo.

Paraguai sai no lucro...
O presidente da maior rede varejista justificou a decisão de fabricar no Paraguai e vender (via Mercosul) no Brasil.
 “Lá os impostos laborais não atingem 10%, província e nação apenas 12%, não existem sindicatos, férias começam com dez e atingem o máximo de 20 dias. Não existe FGTS, PIS, Cofins, multas rescisórias de 50%, afastamento por gestação ou nascimento, nem da mãe ou do pai. O funcionário é livre para decidir quantas horas extras pode trabalhar. Décimo terceiro somente se a empresa tiver lucro. Tampouco é exigido vale transporte, refeição, cestas básicas etc. Além de tudo isso, a energia de Itaipu é fornecida a um terço do preço do Brasil e a gasolina da Petrobras é 25% mais barata.” 

Aqui, quem gera empregos é tratado como bandido...
Renan Calheiros com dez processos no STF ainda não se tornou réu. Porém, basta uma denúncia de um funcionário insatisfeito para que o empregador se torne réu em processos, que se quer foram investigados ou comprovados. A falsa cultura de que o patrão é mau e o empregado coitadinho, estimulou o crescimento de uma geração que só pensa em direitos e nunca em deveres e responsabilidade.

O empregador está sempre errado...
Infelizmente a justiça do trabalho vem tutelando esse comportamento, acreditando em mentiras fabricadas por advogados desonestos. Via de regra, cem verdades do patrão não resiste a uma mentira do empregado.

Legislação jurássica
A CLT foi inspirada na “Carta dei Lavoro” da era Mussolini italiana. É extremamente paternalista. Precisa ser modernizada, atualizada. Em relação aos USA, nossos salários são baixos. Porém, um estudo realizado em 1995, por uma transnacional americana, demonstrou equivalência entre o custo da folha de pagamentos de ambos os países. A diferença é que o americano leva para casa 92% do que custa e o brasileiro 48%.

Lucro no Brasil 
é pecado...
O Brasil é socializado através de impostos desonestos, para custear a roubalheira política. Por isso as empresas estão fechando. Ruas fantasmas como, Tristão de Castro, Artur Machado, São Benedito e outras possuem mais lojas para alugar do que abertas. Até os Shoppings Centers estão com corredores vazios e lojas fechadas.

Destruíram e não 
sabem reconstruir...
Municípios, estados e Nação estão pesados para o contribuinte. Ninguém suporta mais impostos indo para o ralo da corrupção. Hoje, quem fecha empresas são governos (impostos, taxas, encargos trabalhistas e regalias como férias de 40 dias etc.), bancos e decisões equivocadas da justiça.

É preciso desidratar o setor público...
O setor público onde trabalha pouco e ganha muito, está inchado, putrefato.  Precisa ser desidratado em 25% do efetivo humano. O custo da administração pública chega a ser desonesto com o contribuinte. Um vereador e seu entorno custa estratosfericamente ao uberabense R$ 4.5 milhões anuais. A Câmara, com 14 vereadores torra quase R$60 milhões por ano. É muito dinheiro para pouco resultado. Por isso ninguém quer largar a boquinha...

Show no Sesi
Toninho Horta estará se apresentando em Uberaba juntamente com o escritor e letrista Petrônio Sousa Gonçalves no Teatro Sesi, na próxima sexta-feira (7), às 20h, com entrada franca. Toninho Horta, compositor e guitarrista, é nome conhecido na música brasileira, tendo, entre inúmeras atividades na área musical, tocado com músicos renomados do jazz mundial, como Sérgio Mendes, Gil Evans, Herbie Hancock, Keith Jarret, George Benson e outros. No Brasil, tem trabalhos realizados com Tom Jobim, Elis Regina, Gal Costa, Maria Betânia, Milton Nascimento, Caetano Veloso e muitos outros.