Busque em todas as seções:
EDIÇÕES ANTERIORES: anteriores

Bastidores

ACESSIBILIDADE: A A A A
Bastidores 09/06/2013
Bastidores
Bastidores
Ponte aérea

As razões são muito diferentes – mas, o certo é que Uberaba não é a única a se queixar da falta de voos comerciais e a correr atrás de companhias aéreas que atendam à cidade. Através de texto lido pelo ator Reynaldo Gianecchini, o Hospital de Câncer de Barretos (SP) acaba de lançar uma campanha nacional pela implementação de voos comerciais naquela cidade. Objetivo é facilitar o acesso dos pacientes, familiares e médicos ao hospital. 

Aeroporto vazio
O ator - que recentemente superou um câncer no sistema linfático, revela: “Tem gente que viaja seis horas, 20 horas, e até vários dias para chegar ao Hospital de Câncer de Barretos, e bem perto, a oito quilômetros do hospital, tem um aeroporto, mas sem voos comerciais.” E critica: “Maior que o Aeroporto Santos Dumont — mas, acredite: sem avião!” 

Apoio
Em outro trecho, Reynaldo Gianecchini fala sobre a importância do hospital e pede o apoio da população. “É possível ter um voo pra Barretos? Vamos convencer uma companhia aérea que sim, que é possível!” – complementa o ator. A campanha inclui acessar o site http://www.voocontrao cancer.com.br/ e manifestar apoio. Detalhe: Gianecchini também faz campanhas de arrecadação de recursos para o Hospital do Câncer de Uberaba.

É dose!
Em sua coluna de ontem, o editor do JORNAL DE UBERABA (JU), Mozart Jr., criticou a insensibilidade de alguns diretores de escola – da rede municipal, que não dispensaram os professores na quinta-feira, dia 6, para que fossem vacinados contra a gripe no Centro Administrativo/Prefeitura. Mozart deve ter sentido na pele e na alma o que as pessoas mais sensíveis sentiram ao longo do dia. Dezenas de educadores lamentavam o fato de não terem aproveitado a vacina gratuita, oferecida pelo prefeito para todos os servidores municipais.

Para todos
A não ser que os diretores tenham sido orientados por debaixo do pano para que não liberassem os professores, é realmente surpreendente que uma decisão pessoal do prefeito tenha sido tratada com tamanha indiferença. Vale reforçar que, ao atender à reivindicação do Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Uberaba – SSPMU, Paulo Piau foi explícito: a vacina seria para todo o funcionalismo municipal.

Ética...
A própria Prefeitura de Uberaba faz sua parte ética e retifica as informações de que portadores de necessidades especiais estavam amarrados por cordas, ao serem transportados em ônibus da empresa Lider, através de contrato com a Secretaria de Desenvolvimento Social. “As cadeiras é que estavam amarradas com cordas” – explicam o governo e a direção da empresa. Ponto final pra este assunto...Não tinha estudante amarrado com corda!

Realidade
Porém, a própria direção da Lider admitiu que o ônibus não estava credenciado. E mais: todo mundo concorda que as cadeiras estavam amarradas com cordas. Só aqui, já são duas ações inconcebíveis num transporte de seres humanos – e pior: estudantes. E ainda pior: deficientes físicos. A retificação da informação errada, transmitida à imprensa por membros da Guarda Municipal, tinha mesmo que ser feita. Agora, fica a pergunta: alguém, em sã consciência, acha que usar veículo não credenciado e amarrar cadeiras com cordas são ações menos graves?!


SOLIDÁRIO – Em uma de suas mobilizações em favor do Hospital do Câncer de Uberaba, Reynaldo Gianechinni autografou camiseta do Instituto Boa Fé de Combate ao Câncer, que foi leiloada na ExpoZebu 2009 e rendeu, naquela época, R$ 4,4 mil. Vale lembrar que o ator só foi diagnosticado com câncer em 2011, quando se internou no Hospital Sírio libanês, em São Paulo, para cuidar de uma faringite crônica.