Busque em todas as seções:
EDIÇÕES ANTERIORES: anteriores

Bastidores

ACESSIBILIDADE: A A A A
Bastidores 28/01/2014
Bastidores
Bastidores
Bastidores

GENTE ESPECIAL – Rafael Souza renova as imagens na cabeça de Valter Júnior

O artista 1

O jovem Rafael Souza, 28 anos, casado, pai de uma menininha, é apaixonado por futebol, por jornais e notícias de um modo geral, e pelo trabalho de cabeleireiro – quando pratica a arte que aprendeu, e aprimora, sozinho, através da Internet e observando um tio. Nunca desenhou uma flor num papel – segundo ele. Mas, faz desenhos na cabeça dos clientes como se fora um (guardadas as devidas proporções) Leonardo da Vinci.

O artista 2

Rafael adora ser chamado de “El Loco” – alusão ao jogador uruguaioWashington Sebastián Abreu Gallo, o Loco Abreu do Botafogo e do Figueirense, da seleção uruguaia e agora do Rosario da Argentina...Pratica futebol amador e faz questão de expor as medalhas na parede, bem ao lado do seu espaço de trabalho, no salão Mara Cabeleireiros, de propriedade da mãe.

O atleta 1

O cliente especial de Rafael, neste sábado, 26 de janeiro de 2014, chama-se Valter Júnior. O ajudante de produção em uma fábrica de Uberaba tem 32 anos de idade, cerca de 13 deles dedicados a muitos treinamentos, concentração e corridas famosas, entre elas, a São Silvestre, de São Paulo, e a Volta da Pampulha, de Belo Horizonte.

O atleta 2

Valter Júnior acumulou uma grande quantidade de medalhas – mas, lamenta que, apesar disso, não tenha ainda conquistado um patrocínio de longa duração. Conta com os amigos para viajar e competir. “Não vou desistir nunca!” – desabafa ele. E já que não vai desistir, o jeito é estar sempre preparado para o caso de uma boa surpresa, principalmente nas grandes corridas.

O orgulho

Valter Júnior faz questão de renovar, sempre, o desenho da cabeça, com o amigo cabeleireiro Rafael Souza. Onde vai, o atleta expõe a bandeira do Brasil e a palavra PAZ. Aliás, artista e atleta se orgulham das duas imagens.

Em boas mãos

Comunicador Orlei Moreira assumiu a direção de jornalismo da TV BandTriângulo, e retorna, em fevereiro, com o programa Entrevista Coletiva – que ele comandava na emissora e foi afastado da grade durante alguns meses. “É o casamento, depois de um namoro que vinha rolando há algum tempo, com a missão de promover algumas reformas na área” – disse ele, no Facebook.  “Quem me conhece, sabe que sempre defendi um jornalismo ético e sério, voltado para a informação imparcial que o telespectador consumidor de notícias merece” – acrescentou.

Rolezinho do bem

Alunos da Universidade Federal do Triângulo Mineiro – UFTM, querem melhorias no programa de assistência estudantil da instituição, tipo auxílio-transporte, auxílio-moradia e auxílio-alimentação. Pedem, por exemplo, a normalização das liberações dos recursos, explicando que, os seguidos atrasos estão prejudicando a vida acadêmica dos usuários destes benefícios.

Discriminação

Os organizadores do movimento – que inclui manifestação pública e carta-aberta à reitoria, dizem ainda, que os bolsistas da monitoria não recebem desde novembro de 2013. “Está havendo um descaso por parte da UFTM em relação aos alunos beneficiados com estes programas” – denuncia Fabrício Araújo, do 6º período do curso de Serviço Social, e um dos organizadores. 

Falta de... 
A garotada também aproveita para denunciar que "falta professor, falta livro, falta liberdade nas dependências da escola, falta material para atividades de ensino, pesquisa e extensão..." E segundo os organizadores, ainda existem as dificuldades com o transporte para os que estudam no campus da UFTM na Univerdecidade.

Idosos (?)

E por falar em UFTM, a instituição repercutiu ontem, o resultado de pesquisa publicado agora, em janeiro de 2014, na Revista Família, Ciclos de Vida e Saúde no Contexto Social – Refacs, concluindo que, “a grande prevalência de múltiplas patologias em idosos está associada à diminuição da capacidade funcional, à baixa participação social na comunidade, e à correlação existente entre a qualidade do sono e a capacidade funcional”.

Os pesquisados

Amostra compreendeu pacientes atendidos na Terapia Ocupacional na Residência Integrada Multiprofissional em Saúde – RIMS, do Hospital de Clínicas da Universidade Federal do Triângulo Mineiro – UFTM. “Foram pesquisados os idosos entre 60 e 95 anos, de ambos os sexos, residentes em Uberaba e região, assistidos pela equipe da RIMS, de maio a dezembro de 2010” – segundo o documento.

Há controvérsias

A divulgação da pesquisa da UFTM já rendeu um protesto... Do alto dos seus 80 anos bem vividos e ainda cheios de planos, o empresário (Casa do Folclore) e divulgador e promotor cultural Gilberto Rezende, faz suas reflexões: “Com o avanço da Medicina, e constatando a realidade, não dá mais para chamar pessoas de 60 anos de idosas...Quando a média de expectativa de vida do brasileiro, anos atrás, era de 60 anos, tudo bem... Mas, agora, está perto dos 80 anos...Pra mim, toda pessoa de 60 anos ainda é uma criança...”