Busque em todas as seções:
EDIÇÕES ANTERIORES: anteriores

Chic&Choc

ACESSIBILIDADE: A A A A
Fabiana Silbor 29/05/2016
Fabiana Silbor
fabianasilbor@gmail.com
Chic&Choc por Fabiana Silbor

Domingos nobres...
Poderiam ser mais comuns, onde os presentes mudam a vida!
Permanecemos esperando por um sinal, como fiel em procissão.
A verdade está, sempre, guardada no coração.

 

Palavras de forças doces são traduções da generosidade e servem de porto para as inseguranças sobre as potencialidades evolutivas do ser. Felicidades que deixam sorrisos no canto da boca, no meio do nada, mas traduzem tudo.

 

Esperamos dos que são fortes nas decisões uma fragilidade singular diante do que poderia ser. Tudo é novo e nem por isso incerto. É um sentimento de reencontro todo estranho, verdadeiro e antigo. Há de ser ter voracidade para qualquer pedido.


Linda foto de Israel  Buzatti mostrando a beleza de Uberaba

Arte de Alysson Oliveira revelando, sempre, o amor

Antes eu era um tempo. Amanhecia sol e depois nublava. Recomeçava entre nuvens. Às vezes, desaguava minhas transformações... Às vezes, aquietava... Mas são inevitáveis algumas tempestades. Quisera o entendimento e o mimo, suficientes para a bonança.

 

Antes eu era uma estação. De frias chegadas, de flores nas partidas, de mortes nos atrasos irreparáveis e rastros de mágoas; de calor nos abraços de reencontros. Eu era uma parada de duração variável... Estava feliz assim. Mas meus embarques já estavam lassos...

 

Por onde passa a coragem, essa companheira, que, ainda, nos segue faminta de tanto apelo para que tenhamos força e doçura para continuar a desatar os nós? E, nessa estrada estreita chamada de mundo, onde somos todos tão iguais validando nossas diferenças em prazos indefinidos, o tempo que parecia ter chegado, desencontrou.

 

Nas bagagens os chamados que calamos, a tristeza que gritamos. Cruzamos pontes milagrosas, identificamos temores, familiaridades inevitáveis... Paralisantes, recuadas e sedentas, enaltecidas pela superação. Sim! A história de uma vida é toda certa se nos compõem em Bachianas de destemores e consciências absolutas.


Marise Romano e seu grandioso talento colorindo a vida

Movimentos e flashes de Francis Prado coreografando os dias

Só por hoje: ignore os inadequados. Adote os sentidos... Cheire, experimente, toque, ouça, veja. Abuse das melhores músicas, das verduras coloridas, dos sucos nutritivos. Ouça o burburinho dos sonhos, coma o tempo com distrações motivadoras, beba o céu azul, o ar que te permite respirar suas capacidades, o movimento abençoado de viver.

 

Ela, ainda, tem suas preces...

Mas assiste a composição dos vieses que transformou em rotas.

Ela tem a nobreza dos raros.

Poder de transformar sentidos em inquietações.

 

As reticências?

Essas sim tem vida própria.

Tornaram-se companheiras compulsivas.

Atropelam minhas frases, meus pensares.

Também, como saber o que virá...


Linda Ruth Gobbo com máximas produções na arte de fotografar

Belíssima Vivi Izaque preparando os kits mais apaixonantes para o dia dos namorados. Se você quer um presente diferenciado, mega romântico e especial é para ela que você tem que ligar para preparar a mega supresa. Mais informações pelo 99908-0088

O que pode ter no centro da terra? O que uma rocha esconde? Quais segredos estão lacrados em caixas que podem evocar pandora? Quantas obras foram vedadas? Quantas são as construções inacabadas pelos sentimentos ameaçados? O amor é frágil e quando acontece em seres já apropriados de boicotes fortes. Precisa de conspiração para resistir ao drama do coração.

 

É de se pensar nos corpos fechados. E nem invoco nesse questionar os conceitos de proteção, mas falo daqueles lacrados pelo singelismo equivocado, pela dor ou pela opção. Guardados estão corações, almas, desejos, sonhos, motivos, conceitos.

 

A criação morre se for impedida de multiplicar e nenhuma célula sobrevive esmiuçada sem ser tocada pela nobreza do transformar. O que acontece no cristalizar do Ser quando está escuro? Quando está preservado? Quando está latente, mas impedido? Escondidos... A traição está no segredo.

 

Existe um penar e um instigar permanentes dessas condições. Dó de quem poderia romper, rasgar, abrir, escancarar, mas recua. Curiosidade para desvendar aquele cenário, aquele ambiente, aquelas essências que estão presentes naquele silêncio de proteção.

 

Quantas alegrias, poesias, doçuras, loucuras, intenções, inovações, respostas, desejos, ufa! Estarão ali intensificados? Sintomas certeiros aquietados pela sofreguidão de uma falta que poderia ser permitida, construída recebida...

 

Acordei numa revolução. Para perdoar todos que me magoaram no passado e, também, pedindo perdão a quem eu possa ter entristecido. Assim me liberto de qualquer crença que me limita. Pois quero me transformar, delicadamente e decisivamente, no melhor. Elaborar e entrelaçar planos de felicidades. Construir caminhos de amor, em pormenores nas rotinas.


Super requisitado, Jornalista Daniel Afonso, brilha em novos projetos

A existência tem um lado verdadeiro, abençoado, seguro, intensificado pelas boas energias, e elevo meus pensamentos para buscar os dons do universo pedindo fielmente que eles contemplem suas inquietudes trazendo respostas sábias, referenciando esse vivenciar nobre.

 

Querente de uma composição feita de notas sóbrias, mas que exalem afinadas para entoar ritmos que a movam ao melhor. Penso em revesti-la de texturas que aconcheguem, mimem, acalentem, devolvam... Teçam novas tramas de coragem.

 

Essa fofoca, esse ódio, esse machismo, essa falsidade, essa preguiça, inclusive intelectual...

Vai cuidar da sua vida!

É tudo muito simples: se tem algo que te contraria saiba que você tem um poder imenso de contribuir para uma, verdadeira, melhoria. Mas para isso você precisará primeiro aprender sobre o assunto, entender, respeitar os participantes da situação e buscar, em conjunto, uma solução. E isso requer um monte de coisas, inclusive coragem. E nessa época, covardia é mato! Você vai precisar de tempo, de conviver com diferentes, de se envolver em coletividades. Vai encarar?

A pessoa não é cientista político e seu ‘achismo’ em nada acrescenta às mudanças profundas e sérias que precisam ser feitas no Brasil, nas quais, realmente, tem quase ninguém interessado. Porque essa transformação começa da atitude pessoal. É fácil destilar tanta raiva, difícil é olhar no espelho e assumir toda a reforma que precisa ser feita dentro da sua história, do seu coração.

Nem mais uma vítima de violência, apologias ou críticas à loja que fez campanha unissex para vender mais, chega desse 'mimimi' a respeito do novo cosmético, de qualquer fato do outro, enfim... Menos hipocrisia e mais atitude, por favor. Legal é tomar vergonha na cara, arrumar o quarto, aprender um novo idioma, pintar o cabelo, fazer as pazes com o pai, lavar roupa, ser voluntário na Indonésia, rezar, ter um lazer saudável, morar na caverna, sei lá. Cada um tem o direito de fazer o que quiser porque a existência é individual. Então, vai cuidar da sua vida!

Essa fala vazia, incoerente de quem diz uma coisa e faz outra é feia. Muito! E pior: contribui para incentivar essa alienação popular. O oba-oba da “oratória miojo” é desvio de atenção. Põe a mão na massa. Presença! Faça por você. Atualize, pague sua dívida, escolha trocar reclamação por gratidão, abre um sorriso, fale bem das pessoas, honestidade, valor!!! Levanta cedo, trabalha, sai desse estado anestesiado de telespectador e cuida bem de si mesmo, de quem te merece e até do estranho!

Nunca existiu alguém como você. Nunca existirá. Essa benção de ser único é uma dádiva, então, seja um milagre. Faça acontecer. Sai desse papel de vítima e assume sua condição de construtor. Enquanto se desperdiça o tempo fazendo papel de bobo, fingindo ser o que o nunca foi, a vida segue e com ela tudo que você poderia ter sido.

Olhe com generosidade, exercite o perdão, veja como você pode ajudar. Uma cova no chão pode ser túmulo ou se transformar em jardim. Isso se chama livre arbítrio! Faz uma lista dos seus sonhos, põe metas nos seus planos, aprende a amar a quem te ama e vai ser feliz! Gente, mas tem que mudar!? Sim! Mas falar, até, papagaio fala e escrever, até, quem não faz um “o” com o copo, tenta. Quero ver é quem faz! Eu não tenho nada com a vida de ninguém. Essa é a carapuça de todos nós! Cuidar bem da própria vida, antes de dar palpite na vida alheia!