Busque em todas as seções:
EDIÇÕES ANTERIORES: anteriores

Chic&Choc

ACESSIBILIDADE: A A A A
Fabiana Silbor 19/06/2016
Fabiana Silbor
fabianasilbor@gmail.com
Chic&Choc por Fabiana Silbor

O que os livros de ficção ou os roteiros ‘holywoodianos’ têm a nos ensinar em busca do nosso Marketing Pessoal de cada dia? Muito!
Satirizando desenhos animados famosos e contos de fadas que habitam o imaginário de todos, Shrek há uma década faz sucesso num ambiente competitivo e cheio de novidades.

 
 O vencedor do primeiro Oscar de melhor filme de animação é um manual para desenvolver habilidades necessárias à sobrevivência, principalmente de qualidade emocional, na difícil arte de conviver.

               Para começar, todos nós conhecemos pessoas que lembram, pelos seus modos, os personagens que estão no filme: lobo mau, gato de botas, Pinóquio, burro, princesa. Essa evocação menos tem a ver com a estética e mais com os comportamentos, que vão se revelando, quase sempre, para quem está próximo. 

       Na verdade, todos nós desenvolvemos, em algum momento, atitudes que ilustram as vivências desses personagens. Preocupa quando o que era para ser condimento vira ingrediente principal.

Então, se você pensa seu Marketing Pessoal, o artigo de hoje é para alertar sobre o preconceito com os Ogros que estão entre nós. E até para você reconhecer se é um deles.

               A primeira pista desse tipo de Ser é a falta de modos. Educação é uma palavra que ele desconhece. Trabalhar junto com alguém, dividindo o mesmo espaço requer uma alta dose de sensibilidade para conviver em harmonia. O Shrek da ficção descobre isso ao ser obrigado a conviver com outras pessoas, deixando a solidão do Pântano.


“E como eu palmilhasse vagamente
uma estrada de Minas, pedregosa,
e no fecho da tarde um sino rouco se misturasse ao som de meus sapatos
que era pausado e seco; e aves pairassem
no céu de chumbo, e suas formas pretas lentamente se fossem diluindo
na escuridão maior, vinda dos montes
e de meu próprio ser desenganado...”
Carlos Drummond de Andrade

Nobre apenas de memórias,
vai lembrando de seus dias,
dias que são as histórias,
histórias que são porfias
de passados e futuros,
naufrágios e outros apuros,
descobertas e alegrias.
Jorge de Lima

“E como farei ginástica
Andarei de bicicleta
Montarei em burro brabo
Subirei no pau-de-sebo
Tomarei banhos de mar!
E quando estiver cansado
Deito na beira do rio
Mando chamar a mãe-d’água
Pra me contar as histórias
Que no tempo de eu menino
Rosa vinha me contar
Vou-me embora pra Pasárgada...”
Manoel Bandeira
Lembro-me bem. A ponte era comprida,
E a minha sombra enorme enchia a ponte,
Como uma pele de rinoceronte
Estendida por toda a minha vida!
Augusto dos Anjos

                      Mas, assim como o Ogro da estória, o do escritório, também, só irá se interessar em fazer alguma coisa, se isso trouxer algum benefício pessoal. Egoísta por natureza, a decisão de se interessar pelo outro somente será motivada se ele ganhar algo em troca. E, é nessa movimentação que descobrimos o quanto ele vive só, e por isso mesmo, está sempre tão agressivo.

A carência e a baixa estima são sentimentos que ele disfarça bem com grosseria. Mas se você for insistente e sensível como o Burro ou astuto e metido a garanhão como o gato de botas terá boas chances dele deixar acontecer uma tentativa de aproximação.

               Mas ninguém fará tanto sucesso com o Ogro quanto a Princesa. Com pouca beleza, mas muita deselegância fica difícil imaginar essa criatura apaixonada. Mas, sim, acredite! Sempre existe uma “Fiona” para abrandar esse coração. Aliás, os momentos de doçura dele são sempre quando se aproxima uma candidata. E você pode até bancar o cupido, porque pode apostar, se ele tiver uma noite romântica, seu dia de trabalho poderá ficar bem melhor. E quando ele se apaixonar, assim como o Shrek ele começará a se transformar.

               Tudo bem que conviver com um Ogro todos os dias é um desafio. Por isso temos que fazer uma avaliação pessoal diariamente para percebemos que atitudes negativas e positivas nossas,  se destacam no ambiente de trabalho. Convivência é sempre um exercício de respeito de atenção. 

       Se depois de ler esse texto você se percebeu como um “Shrek” ou reconheceu nessa analogia alguém com quem convive diariamente, que tal se adaptarmos uma técnica cujo modelo tem autoria controversa, mas foi organizada nas décadas de 60 e 70, proposta por um conjunto de estudiosos, pensada para Empresas, mas que poderá ser adaptada e ajudar você a avaliar e se posicionar melhor no seu serviço?

               O Sistema SWOT pode contribuir para você perceber suas forças e fraquezas. E ainda, as oportunidades e ameaças que avolumam nas suas experiências no emprego. Aplicando essa idéia, ao assunto Marketing Pessoal e à convivência, percebemos que Shrek e tantos outros personagens que habitam nosso imaginário e a nossa realidade têm as quatro forças e que nós também as temos.

               Ao avaliarmos com sinceridade pontos fortes, pontos fracos, as ameaças reais que oferecemos, sofremos, as oportunidades que temos e que podemos oferecer daremos foco aos nossos objetivos.


De tudo, ao meu amor serei atento
Antes, e com tal zelo, e sempre, e tanto
Que mesmo em face do maior encanto
Dele se encante mais meu pensamento.
Quero vivê-lo em cada vão momento
E em louvor hei de espalhar meu canto
E rir meu riso e derramar meu pranto
Ao seu pesar ou seu contentamento.
Vinícius de Moraes
Mas a minha tristeza é sossego
Porque é natural e justa
E é o que deve estar na alma
Quando já pensa que existe
E as mãos colhem flores sem ela dar por isso.
Fernando Pessoa

 “Ora (direis) ouvir estrelas! Certo
Perdeste o senso!” E eu vos direi, no entanto,
Que, para ouvi-las, muita vez desperto
E abro as janelas, pálido de espanto…
E conversamos toda a noite, enquanto
A Via Láctea, como um pálio aberto,
Cintila. E, ao vir do sol, saudoso e em pranto,
Inda as procuro pelo céu deserto.
Olavo Bilac

                    Diminuindo os ruídos veremos o melhor lado dos Ogros, ofereceremos menos dedicação em sofrer pelas inabilidades e teremos mais produtividade. Trabalhando melhor, sem embates desnecessários, criamos um ambiente de produtividade para Empresa que nos paga pelo nosso talento, para os colegas, independentemente de nossa admiração e para nós mesmos, dando sentido aos nossos objetivos. E sinceridade é um bom ensinamento dos Ogros.

 Passaremos a perceber, antes de terminar nossa história, uma preciosa lição de Marketing Pessoal e até, de vida: aprender e se divertir com as diferenças! A humildade revela o espelho que os outros fazem para nós e contribui para reconhecer que muito, do que nos irrita, falta ou sobra dentro de nós.

Com o tempo e afinco nessa vontade “SWOT”, assim como no filme, vivenciaremos o lado bom do Shrek e quem sabe, até, conseguiremos compreender, de uma vez por todas, que o príncipe ou a princesa não são os personagens mais interessantes. Mesmo que isso, hoje, pareça “tão, tão, tão distante”.

Um bom Marketing pessoal ajuda a construir relações verdadeiras desenvolvendo a habilidade de reconhecer o melhor em cada parceria. Pensamentos e ações são escolhas pessoais e a maior mudança que podemos fazer é dentro de nós.

Fabiana Silbor é Professora Universitária. Especialista em Marketing e Comunicação.