Busque em todas as seções:
EDIÇÕES ANTERIORES: anteriores

Chic&Choc

ACESSIBILIDADE: A A A A
Fabiana Silbor 27/10/2013
Fabiana Silbor
fabianasilbor@gmail.com
Chic&Choc por Fabiana Silbor

Bem vindo!

Bem vinda!

Nessa semana uma avalanche de notícias e estatísticas mostraram, mais uma vez, que a violência impera. Uma das formas mais desastrosas dessa injustiça é a quem vem de pessoas próximas. Sinceramente minhas tentativas de ignorar essa condição humano falharam. E assim eu e, também, prevejo que muitos de meus leitores, também, precisaremos de acertar os pontos, nem é porque o horário de verão começou, mas devido ao fato de a vida merece mais amor próprio.

Lágrimas são ótimas companhias para embaçar a visão. Sem ver direito é mais fácil olhar para dentro. Assim, o encontro com os tormentos ficará inevitável. Solitariamente, acompanhado apenas da maior dor do mundo, você conhecerá o desespero, a desilusão, a desesperança. Esses sentimentos já foram tão definidos pelas pessoas como os piores, mas você perceberá que não. Ao morrer de amor em vida descobre-se que mal maior que a traição não há.

O que dilacera a alma é que esse golpe nunca vem de um estranho. Ou é um amigo, ou é uma paixão, ou é uma relação de negócios estabelecida. Sim! Em todos os casos existia um compromisso de confiança, uma expectativa, uma escolha reafirmada.

Depois do blecaute que emudece o existir vem a mesma pergunta: por quê? E esse questionamento é um caminho que leva a um deserto sem fim. Nenhum argumento justificará. Nem os reais, nem os inventados. Depois, é comum a instalação de um ringue para a batalha: quem é o culpado? Mas essa luta é ilegal. Não há vencedores em guerras. De todos os lados há ferimentos. Alguns deixarão cicatrizes, outros serão fatais e terão, ainda, aqueles que jamais fecharão. A traição é como um resultado de partida: nem sempre ganha quem foi melhor no jogo, nenhum motivo justificará a derrota e mesmo que o juiz ‘roube’, o placar permanecerá. É o que é. É fato.

Todavia, o ato de trair é uma bifurcação. As partes envolvidas são responsáveis em igualdade pela decisão. Normalmente, essa é uma relação tríade. Nas definições dos especialistas humanos, tríade pode ser uma harmonização, uma organização criminosa, uma relação entre três pessoas. Assim como nos livros que conceituam, você poderá interpretar as três na prática e compor repertórios na vida. Uns irão alicerçar o trauma como experiência de aprendizado, a princípio parece bom, mas será uma lembrança latente. Outros criarão conspirações investindo em violações e delitos para vingar sua ingenuidade perdida, o que poderá trazer mais tragédia. Tem, ainda, aqueles que desperdiçarão os dias investigando minúcias, vantagens, misérias e detalhes dos envolvidos, uma decisão cruel e desonesta. Certo é: nenhuma dessas trajetórias o conduzirá à cura. Porque não há lugar para o qual se vá onde é possível fugir de si mesmo.

A salvação é aprender a se amar. Ofertando-se um amor, uma amizade, uma relação tão forte quanto a que você destinou a quem se tornou mais importante na sua vida. Uma celebração feita das mesmas entregas, das mesmas coragens, de todos os desejos, repleta de planos, feliz, idealizada por sentimentos nobres e honrados.

Lembre-se: esse ato tão devastador, que é enganar, advém de uma fraqueza interna e particular. Trazemos em nossas essências medos, carências, despreparos. São essas pequenas ferrugens que acumuladas danificam o nosso coração. Possuídos por uma realidade interna por vezes desconhecida aventuramos em uma busca frenética por alguém que nos preencha, nos atenda, nos valide.

Por isso ame-se! Faça isso por você e por quem você escolher.

Esse será o melhor antídoto para evitar todos os rastros de mágoa que, todos nós, um dia somos fadados a deixar.

O que vem depois? De tudo um pouco. O hoje nunca aconteceu antes.Bem vindo à existência.

Agora vamos as notícias da Zebulândia.


Náufragos e colonizadores

Nenhum lugar é diferente daqui, mas nenhum é igual também! Agora a fazenda anda cheia de imigrantes! Chegaram, ficaram, tomaram posse, uns à força, outros na malandragem, mas todos andam a se sentirem donos! A maioria veio a convite dos 'coronéis'. Outros de lotação com tendências para abusar. Os verdadeiros? Perderam os títulos pela baixa estima de si, dos outros, das raízes! Ainda há uns ‘gritantes’, mas esses mugidos andam baixos demais para quem tem audição seletiva.

A terra bandeirante forrada de sesmarias recortadas pelos dogmas agora está mais global! Suas cartas andam sendo as mesmas: “Empire StateofMind”!

 

Halloween da Zebulândia

A semana começa com muita animação. É um tempo super feliz para aqueles que esperam tanto para celebrar o dia das bruxas. Tem festa ‘prá’ todo lado sendo organizada para comemorar. Aliás, bicho papão, assombração e gente abóbora não faltam! E você já foi convidado? Se ainda não, cuidado! Você pode estar sendo apontado como o ícone da data. O chic desses eventos é fazer a farra sem que o  ‘alvo’ principal saiba. Afinal que graça teria se a bruxa do departamento, da repartição, que passa o ano todo infernizando os outros, ainda, ganhasse uma balada? Fala sério. Ah! Aproveite e dê um espelho de presente para a criatura, quem sabe o ser se enxerga!

Começa o que já estava escrito nos bastidores

Como se sente quem dá o troco? Depende de quantos nós teve que desmanchar e se o caminho percorrido foi o nobre. E quem tem a fórmula intacta para testar esse rastro? Nessa semana a terrinha viu uma odisseia de “sacode a poeira e dá a volta por cima!” De um jeito todo particular. Será um tempo de reinado daqueles que nem os mais ardilosos inimigos imaginaram. Nessa nova ‘agrupação’ ressuscitam-se os antigos, porém nunca desatualizados, planos para a dominação. Uai e eu já tinha cantado essa pedra há tempos.

 

Abadas e mortos

O dia de finados é uma reverência à dor e à saudade dos que ficaram. É, também, um tempo de reflexão sobre os significados da morte. Mas, em Uberaba o feriado, que já foi de total respeito e solene devoção, será de festa. No mesmo ambiente onde está um dos campos sagrados, edificam-se palcos e estruturas para micaretas. Ouvi de um aluno a seguinte expressão: “E daí? A gente tá vivo, tem mais é que celebrar”. De um colega de trabalho “bom que os mortos vão cair na folia”. É... A evolução do ser humano e do capitalismo agigantada com novos valores é uma realidade impressionante.

Recusa de crescer

Nossa terra, Uberaba bão, anda cada dia mais do ‘nunca’. Tantos ‘peters’ aportam por aqui que haja sininho para fazer mágica e fazer todos voarem tão alto quanto querem! Todavia essa teimosia em deixar de crescer aporta para um perigo de bloqueio ao crescimento econômico, intelectual e etc... e tal! Um deles bem que podia ter sido Peter Drucker! Esse sim, acredito, me faria encontrar aventuras que gostaria de vivenciar...

 

Entregou o exame do amante para o marido

As clínicas de imagens e laboratórios precisam adotar com urgência critérios para a entrega de resultados de exames. Apesar das exceções, grande parte dessas empresas entrega o laudo para a pessoa, apenas, com o comprovante do pedido e, muitas vezes, sem nenhum papel. Poucos são os lugares que exigem documento de identidade com foto e protocolam a entrega. Essa ‘confiabilidade’ comodista é um indicador de falta de profissionalismo deixando em risco a própria empresa e a privacidade dos pacientes. A quem compete essa fiscalização? Por outro lado, o paciente que fez os exames deve compreender o óbvio, o controle é um zelo pelo cliente. Reclamar desse rigor é contribuir para a continuidade de atendimentos sem padrões de excelência.

“Pedaços de vidro não me enganam mais! Aprendi a reconhecer os verdadeiros diamantes!”

BjxxxSilbor.