Busque em todas as seções:
EDIÇÕES ANTERIORES: anteriores

Chic&Choc

ACESSIBILIDADE: A A A A
Fabiana Silbor 19/01/2014
Fabiana Silbor
fabianasilbor@gmail.com
Chic&Choc por Fabiana Silbor

Bem vindo! Bem vinda!
Vamos começar pelo que interessa: “te amo” e “vai a merda” têm sido as frases mais repetidas ultimamente. E, em nenhuma delas, às vezes, estão contidos os verdadeiros sentimentos que deveriam representar. Viraram, apenas, chavões democráticos para dar desfecho aos momentos leves ou tensos da vida. São ditas para todos. São os tempos ordinários. É fato que as pessoas deveriam dar mais profundidade ao que dizem. A palavra é a expressão da mente e da alma. Um deszelar da humanidade que mais me aflige tem sido esse: o descaso com o que sai boca, simbolizando o que esta no coração.  O amor seja universal, seja para o par, é algo denso. Requer prática contínua, construtiva, contundente. Jamais será resumido em três palavras. Mas são elas que o declaram (ou declaravam). E agora?

Agora vamos fazer o resumo da semana na Zebulândia porque esse assunto é jurássico!


A conversa de adoção de animais é atual e importante. Todavia, as leis que regulamentam essa escolha no município poderiam vir com algumas contextualizações fundamentais que garantam os bons tratos e uma vida digna, segura e saudável aos adotados. Encantados pela doçura dos bichos, muitos donos esquecem que nessa decisão, também, devem estar contidos os cuidados básicos para a saúde e bem estar do animal. É comum ver gatos e cachorros nas ruas que depois de adotados são, novamente, abandonados. Algumas organizações fazem uma divulgação, quase sempre oral, para criar um amadurecimento e uma nova cultura sobre esse ato, mas sem nada no papel, no Brasil é difícil.

Brinquedinho
Nesse verão a brincadeira predileta dos ricos da Zebulândia é exibirem seus novos barcos. Os passeios têm rendido muitos comentários. A bordo das embarcações tem representantes de todas as tribos. Vale lembrar que janeiro tem sido sagrado para quem quer se manter no poder, afinal esse ano nada de descanso em julho. Nesse momento futuro já serão muitas fogueiras para tantas vaidades.

Pense sobre
A pessoa certa é aquela que faz você ter sentimentos que nem sabia que tinha. Por ela você tem coragem de viver tudo que sonha. E seu lar passa a ser qualquer lugar onde estejam juntos.


As belezas do fundo do mar tem sido o destino turístico de muitos uberabenses nesse verão. Com uma programação especial de férias oferecidas por agências e com preços que colocam a concorrência em semelhança quase técnica, os viajantes tem que observar com detalhe o que esses pacotes embutem. Na compra pela empolgação, muita gente tem levado gato por lebre. Além do mais esse tipo de esporte ou atividade, como outras, também, que saem totalmente da rotina, precisam de treinamentos anteriores. Muitos são os casos de aventuras sem sucesso para amadores e principiantes.

Voltas do mundo
O mundo é sempre interligado. Por mais que tenhamos diferenças históricas e culturais estamos em ritmos semelhantes. A nova onda contra intelectuais é mais um rompante de violência contra produções acadêmicas. A lei do silêncio imposta por meio de ameaças para impedir críticas às políticas sionistas na Palestina, em muito se assemelha às tentativas de coação que alguns profissionais de vários segmentos andam sofrendo sob a égide do poderio capitalista. Geograficamente longe, mas com sistemas, em tese, semelhantes, a Zebulândia, também, ainda vive “tempos Israelitas”. Na terrinha, censura se disfarça como camaleão, quando os interesses de poucos querem prevalecer sobre os direitos da população. Mas uma vitória está prestes a explodir no gargarejo do poder. É a justiça que tarda, mas acerta! Quero assistir de camarote. 

Caminho importante
Não se ofenda com pessoas do passado. Elas foram lindas pontes para chegar até o amor. A vida é assim. A gente vai vivendo um amor, depois outro, se decepciona, até que um dia chegue o verdadeiro e aí não haverá lugar para mais ninguém.


Crianças ainda lotam filas de espera para serem adotadas. A maioria dos casais prefere bebês. Sinceramente, está na hora de alguém puxar essa fila e colocar de maneira ética e responsável as identidades da adoção em debate. Apesar das muitas correntes sobre o assunto e até mesmo, de oposições declaradas, grande parte dos especialistas compreende essa decisão como algo maior do que simplesmente um ato compensador. Além do mais, em Uberaba a triste história da falta de abrigos, casas lares ou instituições para meninas continuam. São poucas as opções para elas, menos, ainda, que para eles. E número de acontecimentos no Conselho Tutelar é grande.

Matrimônio de engodo
União poderosa à vista. Em breve as colunas sociais trarão páginas e mais páginas do casamento que abre 2014 prometendo ser o acontecimento mais lucrativo do período. Dizem as “boas” línguas que o enlace que terá cara de conto de fadas está mais para negócios entre duas famílias que juntam na união, também, patrimônios vultosos. Mas, quem, na elite, pode criticar? Ninguém. Essa é uma historinha bem repetida. Os noivos prometem uma festa bem cool.

Quem nunca?
Dor de amor é tormenta escura. Depois do blecaute que emudece o existir vem a mesma pergunta: por quê? E esse questionamento é um caminho que leva a um deserto sem fim. Nenhum argumento justificará. Nem os reais, nem os inventados. Depois, é comum a instalação de um ringue para a batalha: quem é o culpado? Mas essa luta é ilegal. Não há vencedores em guerras. De todos os lados há ferimentos. Alguns deixarão cicatrizes, outros serão fatais e terão, ainda, aqueles que jamais fecharão. Nem sempre ganha quem foi melhor no jogo, nenhum motivo justificará a derrota e mesmo que o juiz ‘roube’, o placar permanecerá. É o que é. É fato.


O minimalismo tomou conta do espírito do ano que promete. Com os asiáticos e suas matemáticas avisando aos quatro cantos que 2014 será um ano feliz, muita gente já começou a listar o que deve deixar ir, definitivamente. Esse despojar é santo. Um desapego que oferece felicidade a todos que assumem a falta de querer. Até porque a vida para ser experimentada exige uma dose elevada de interesse, que por si, exige, também, envolvimento. Esse desassossego nem sempre é bem vindo entre seres egoístas


Vitrine predileta do candidato
O Facebook continua sendo o cenário predileto, via vitrine, para os pegas dos grupos opositores, na política, da Zebulândia. Enquanto brigas de quintal esquentam debates entre os nativos, Mark Zuckerberg comemora números de dezembro que indicam que mais de 50 milhões de usuários da internet acessaram propagandas pelo Face. Poder é mesmo relativo, né? Seja pelo voto de menos de duas centenas de habitantes, seja pela supremacia na rede... Dá-lhe apego. São os primos da Dona Baratinha. Doidinhos com uma moedinha!

Bafão
Socialite recém divorciada dá (no melhor dos sentidos) o que falar novamente. Dessa vez as fotos da “jovem” senhora postadas em uma rede social por amiga (será?) revelaram tórrido romance de férias com brasileiro professor de capoeira que oferece aulas na Grécia. A beldade aproveitando (com vontade) o verão brasileiro na Europa foi vista e registrada com o moçoilo em altos “pegas” na praia de Ornos (ainda bem que não é cornos, kkkkk) em Mykonos. Claro que o babado aconteceu depois que o tal do retrato circulou. Amigos do ex, senhores distintos, ficaram indignados. Ah! Faça-me o favor, né? Aff. E o mundo muda, mas a tal da hipocrisia social só no aprimoramento.

Comodismo
Uma psicóloga muito divertida me fez pensar. Ela reclamou que o peixe do pesque e pague é muito diferente do peixe que vive no rio. Fez uma explicação clássica que nadar contra a correnteza produz um bicho melhor. Eu nunca tinha pensado sobre isso. Mas a filosofia viajante se apossou de mim nesse exercício. Imaginei os dois tipos de viver, e refleti que a liberdade, independente para quem quer que seja, embute riscos. Mas, estar em ‘prisões protetoras’, onde o inimigo é bem vindo, pode ser ainda mais danoso.

O eleito
Os descolados de plantão já elegeram o lugar mais interessante do momento para curtir um programa de férias que reúne ambiente agradável e boa gastronomia. O restaurante já era conhecidíssimo como ponto de encontro de apreciadores exigentes da boa culinária. O Restaurante Garagem 367 na Rua Dona Rafa Cecílio, 367, na Vila Maria Helena é um santuário de sabores. Tudo feito com o máximo de qualidade e carinho. Uma reunião de sensações é a vivência de conhecer os pratos preparados com diferenciais deliciosos. Afinal, cozinhar é um ato nobríssimo, de puro amor.

A diferença
Algumas coisas precisam ser domadas, outras merecem espaços para perpetuarem-se em liberdade. Uma delas é o pensamento. Às vezes temos que reforçar a disposição disciplinando o excesso e a repetição de uma ideia já estragada. Em outras, é importante deixar fluir. Comprar um caderno lindo para anotar essas divagações que passeiam entre neurônios apressados.

Só na aparência
Muitos abastados da Zebulândia, para manter padrões e doces vitrines, fazem o que podem e o que não podem. Uma regra rebuscada da Terra das Águas Claras: basta parecer que é! E nem sempre é exclusividade do interior e suas durezas. Essa mania de “se mostrar” é alavanca do próprio capitalismo. Para isso muitos que entram no “vale tudo”, como diz uma querida e engraçada amiga, o que não falta é gente que deixa as jóias passando férias no Banco.


O que mais é preciso dizer sobre o respeito às vagas para os portadores de necessidades especiais? Essa é uma foto do tratamento obrigatório de veículos de transporte no oriente. Por aqui, na Zebulândia, só não tem cavalos nas vagas, nem bois, mas o resto tem de tudo, menos o “dono”, por excelência e lei, desses espaços. É uma vergonha para todos nós
 

Sem critérios comprovados
Preguiça desse conceituar exagerado sobre classes. Do tipo: Se é rico é excêntrico. Se é pobre é prega. Sim. A gente vai nas festas endinheiradas e vê cada coisa! E com olhares blasés  (obviamente montados) são feitos comentários sobre aquela situação ridícula como sendo algo incomum, mas “estrangeiro”, portanto chique. Daí a gente chega no churrascão na periferia (onde provavelmente tem gente com menos dívida que nas mansões) e a falta de trato ou a roupa esquisita é considerada de mau gosto. Sinceramente, tenho minhas dúvidas sobre esses críticos consagrados (uma panelinha seleta) que usam de critérios pouco convencionais e nada explicáveis para traçar definições frágeis. Caem fácil com argumentos poéticos, triviais ou bem afiançados.

Para despedir
E poderíamos nutrir de amor nossas melhores composições. E nessas escolhas desenganadas deixamos rascunhos onde poderíamos compor obras de arte! Nem todos bebem da boa fonte. Estamos nos preparando para tempos de reproduções. Vida feita do que dura só um instante.

E eu nutrida de esperança acredito na renovação. Ser completo é encontrar nas minúcias o caminho da consideração! E nas notas estão as melhores composições. Das letras saem os poemas de inspiração. Nenhum todo é feito sem partes de intenções. E a máxima possibilidade é descobrir nossas próprias razões!

Haverá um tempo onde os pensamentos serão mais nobres e nortearão atitudes valorosas. Por enquanto no reinado da relatividade o argumento tenta convencer de que valores se distinguem, mas as respostas estão latentes nos corações e as verdades imperam diante das retóricas vazias.

Eu acredito que surgirão novos humanos vocacionados para uma ação coletiva integral. Formatada para o bem com a convicção de que o tempo de entendimento é bem precioso para nossa evolução.

Bjxxx Silbor!