Busque em todas as seções:
EDIÇÕES ANTERIORES: anteriores

Cláudio Humberto

ACESSIBILIDADE: A A A A
Claúdio Humberto 26/02/2014
Claúdio Humberto
ch@claudiohumberto.com.br
Cláudio Humberto

“Vocês me desculpem, mas eu não vou falar nada, nada, nada”
Edmar Moreira (PR-MG), deputado do castelo, fugindo de declarações após sua posse

Agora é o PV
que tenta atrair 
Joaquim Barbosa

O presidente do Supremo Tribunal Federal, ministro Joaquim Barbosa, anda conversando com a direção nacional do Partido Verde. Alta fonte do PV revelou que a ideia é Barbosa disputar o Senado pelo Rio de Janeiro, fazendo dobradinha com Alfredo Sirkis, candidato verde ao governo estadual. O ministro já revelou a intenção de antecipar a aposentadoria, e disputar mandato de senador é sua maior pretensão.

De mentirinha?
Após afirmar que o Brasil “só tem partido de mentirinha”, Joaquim Barbosa terá de explicar por que considera o PV diferente dos demais. 

Bom de voto
PSB e PDT também cortejaram Joaquim Barbosa. Em pesquisas nacionais para presidente, ele chega a 15% das intenções de voto.

É racionamento
O governador tucano Geraldo Alckmin deve anunciar racionamento de água em São Paulo. Os reservatórios estão abaixo do limite mínimo.

Onipresença
Além de São Paulo e Goiás, o marqueteiro Duda Mendonça quer fazer a campanha de Eunicio Oliveira (PMDB) para governador do Ceará.

Economistas tucanos criticam política do PT
Na festa dos 20 anos do Plano Real, o PSDB escalou a linha de frente de economistas para atacar a política econômica do PT: Edmar Bacha, da campanha de Aécio Neves, e Ilan Goldfajn, do Itaú. Para Bacha, um governo tucano terá a missão de “desfazimento”, mudar tudo na política atual. Goldfajn, ex-BC na era FHC, acha que meta de economizar 1,9% do PIB será frustrada: ficará em 1,4% por causa do baixo crescimento. 

Visão pessimista
“Conto com o rebaixamento do Brasil; se não for em dezembro, será em janeiro”, vaticinou Ilan Goldfajn, economista-chefe do banco Itaú.

Dupla sertaneja
As mensagens dos dois economistas tucanos foram complementares, um falando em tom de pré-campanha e outro mais técnico.

Calcanhar
de Aquiles

Aécio Neves sinalizou, na festa do Plano Real, que já escolheu o caminho para bater no governo Dilma na campanha: a economia.

Arrogância incendiária
A “dura” do ministro Aloizio Mercadante (Casa Civil) nos líderes aliados, que criaram “blocão” para emparedar o governo, incendiou os deputados, que agora ameaçam criar CPI para investigar a Petrobras. 

Aloizio em loja de cristais
Aloizio Mercadante enfureceu ainda os deputados ao desdenhar das intenções do “blocão”, afirmando que Dilma “está bem nas pesquisas” e que a base aliada “é afortunada por poder sair na foto com ela”.

Censura
do Friboi 

O Friboi, da rede JBS, censurou comentários nas mídias sociais sobre seu anúncio com Roberto Carlos, porque achou “ofensivos” alguns comentários sobre a campanha, da agência Lew Lara. Ruim de dar dó.

Nas sombras
Carlos Gabas, vice-ministro da Previdência, trabalha nos bastidores para lançar Pedro Nadaf, presidente da Fecomércio-MT, para a presidência da CNC, a Confederação Nacional do Comércio.

Pé na estrada
Eduardo Campos, pré-candidato a presidente pelo PSB, já definiu que a partir de junho só vai ao Recife nos finais de semana, para ficar com a família. De segunda a sexta, ele pretende gastar sola de sapato. 

Prefeitos acuados
Evento estadual do Pros, em Palmas (TO), reuniu há dias políticos como o deputado Miro Teixeira (RJ) e Ciro Gomes, e centenas de convidados. Mas poucos prefeitos. Deu certo a ameaça de retaliações do governo estadual, chefiado por Siqueira Campos.

Eterna musa
Considerada a musa da Constituinte, a ex-deputada Rita Camata (ES), nos trinques aos 53 anos, chamou atenção de parlamentares durante homenagem ao ex-presidente FHC pelos 20 anos do Plano Real. 
 
Memória seletiva
Dilma sugeriu “diálogo” na crise da Venezuela, mas obediente ao princípio da não intromissão em “assuntos de outros países”. Mas interferiu nos assuntos do Paraguai, forçando-o a sair do Mercosul.

Lição de História
Dilma garantiu que Venezuela e Ucrânia “são situações diferentes”, mas esqueceu de dizer que o final dos déspotas é sempre o mesmo. 

PODER SEM PUDOR
Aumento, nem pensar

Produtores pediram ao então governador de Alagoas, Silvestre Péricles um aumento justo no preço do leite. Doido de pedra, ele gritou:
- Mãe! Mãe! Venha ver estes ladrões. Nunca se viu tantos juntos!
Foi até sua mesa, retirou um revólver da gaveta e bradou:
- Quer saber de uma coisa, mãe? Vou matar esses ladrões!
A velha senhora levou as mãos à cabeça e os apavorados produtores saíram em disparada. E nunca mais se falou em aumento de preços.