Busque em todas as seções:
EDIÇÕES ANTERIORES: anteriores

Cláudio Humberto

ACESSIBILIDADE: A A A A
Claúdio Humberto 21/03/2014
Claúdio Humberto
ch@claudiohumberto.com.br
Cláudio Humberto

“Não vou renunciar, porque estou com a consciência tranquila”
Deputado Asdrúbal Bentes (PMDB-PA), cuja prisão foi determinada pelo Supremo

Em Casa com fome por cargos, todos brigam...
...e ninguém tem razão. A troca de farpas entre os senadores Renan Calheiros (PMDB-AL) e Delcídio Amaral (PT-MS), um atribuindo ao outro a indicação do ex-diretor da Petrobras que operou a compra superfaturada da refinaria americana, expõe a falência do sistema de partilha de poder, nos últimos governos, que não tem perigo de dar certo, com a ocupação de cargos técnicos mediante critérios políticos. 

Múltiplos padrinhos
O ex-diretor da Petrobras Nestor Ceveró, que deu no pé do País após estourar o escândalo, trabalhou com Delcídio e tem laços com o PMDB

Chefões
são outros

Os verdadeiros responsáveis pela negociata da refinaria escapam de fininho da polêmica, enquanto se discute quem indicou Nestor Ceveró.

Efeito ‘teflon’,
de novo

Dilma era ministra da Casa Civil e presidia o conselho da Petrobras, mas a decisão de comprar a refinaria foi do então presidente Lula.

Morri, meu rei
Também se finge de morto, à beira-mar da Bahia, no escândalo da refinaria superfaturada, o ex-presidente da estatal Sergio Gabrielli.

No DF, imagem de Arruda dificulta candidatura
Se der uma olhada em pesquisa qualitativa do Instituto Ver, no Distrito Federal, o ex-governador José Roberto Arruda (PR) ficaria preocupado com suas chances de voltar ao governo. A pesquisa apura a percepção do eleitor em relação a candidatos, utilizando associação de palavras. No caso de Arruda, a palavra mais associada ao seu nome é “rouba”. E as palavras “honesto” e “transparência” definem um “candidato “ideal”.

Situação
Na mesma pesquisa qualitativa do Instituto Ver, Agnelo Queiroz (PT) é associado às expressões “escondido”, “parado”, “devagar”.

Paz do inferno
Carcereiros em greve impedem o recolhimento de bandidos perigosos aos presídios paulistas, e ainda dizem que o protesto deles é “pacífico”.

Passagrana
A refinaria superfaturada de Pasadena, cuja compra Dilma avalizou “por engano” do relatório, já tem apelido na internet: “Passagrana”.

Lendas brasileiras
FHC pediu “esqueçam o que escrevi”; Lula “esqueçam o que eu disse” e agora Dilma lança o “esqueçam o que assinei”, após culpar “relatório falho” para pagar US$ 1,18 bilhão por uma velha refinaria nos EUA. 

‘Paella’
De ascendência espanhola, o diretor da Petrobras Nestor Cerveró, que operou a compra da refinaria nos EUA, deu olé nas investigações e viajou “em férias” ao exterior, talvez à Espanha, onde tem parentes.

Grana não falta
Preso pela PF, o ex-diretor da Petrobras Paulo Roberto da Costa criou a empresa REF Brasil para construir quatro minirrefinarias em Sergipe, Alagoas, Ceará e Espírito Santo, com investimento total de R$ 1 bilhão.

Fábrica de
black blocs

Donos de fichas que incluem dezenas de suspeitas de execuções, os PMs que arrastaram Claudia nas ruas, apenas “descumpriram procedimento” aplicável ao caso, por isso foram libertados. Tudo feito à medida para dar pretexto a novos – e justificados – protestos no Rio.

Liberdade
de imprensar

A Brigada Militar invadiu o jornal Pompeano, quinta (13), prendendo o editor Aníbal Ribas, por revelar que o prefeito de Jaguarão (RS), José Cláudio Martins (PT), se negou a fazer teste de bafômetro em blitz. 

Cirurgia
por votos

O Supremo Tribunal Federal mandou prender o deputado Asdrúbal Bentes (PMDB-PA) por comprar votos na disputa pela prefeitura de Marabá. Bentes foi o único a se abster na cassação de Donadon.

Empate técnico 
Pesquisa Ibope divulgada ontem aponta que Dilma, com 40%, venceria as eleições no 1º turno. Mas 38% ainda não sabem, anulariam seus votos ou votariam em branco.

O palco
O PV escolheu a Assembleia Legislativa de São Paulo, onde a sigla tem hoje a terceira maior bancada, para ser palco do lançamento da candidatura de Eduardo Jorge à Presidência neste sábado (22). 

Pensando bem...
...só falta faltar luz no “sinal amarelo” que o governo acendeu na crise energética.

PODER SEM PUDOR
Erro de logística

Hoje ministro do Tribunal de Contas da União, José Múcio Monteiro foi escalado pelo finado PFL para disputar o governo de Pernambuco com Miguel Arraes. Sabia que perderia, mas topou. O PFL botou um helicóptero à disposição e, certo dia, ele desceu em um distrito próximo a Palmares. Maior rebuliço. No palanque, ouviu a saudação: “E agora o candidato a governador de Pernambuco, que vem de helicóptero só para nos prestigiar!” Ele ficou surpreso com a expressão “nos prestigiar”, mas o locutor explicou onde ele chegara de verdade:
- O senhor é candidato em Pernambuco. O nosso distrito é em Alagoas.