Busque em todas as seções:
EDIÇÕES ANTERIORES: anteriores

Cláudio Humberto

ACESSIBILIDADE: A A A A
Claúdio Humberto 30/07/2014
Claúdio Humberto
ch@claudiohumberto.com.br
Claudio Humberto

“Se juntar todos eles, não dá uma pessoa tão honesta que nem eu”

Ex-presidente Lula, comparando sua honestidade com a dos membros da oposição

 

Janot opera para nomear amigo na vaga de Barbosa

Procurador-geral da República, Rodrigo Janot opera, nos bastidores, para nomear Eugênio Aragão ministro do STF na vaga que será aberta com a aposentadoria de Joaquim Barbosa. Janot anda com prestígio em alta no Planalto após ter arquivado representação que pedia investigação do Conselho de Administração da Petrobras, chefiado pela presidenta Dilma na compra superfaturada da velha refinaria de Pasadena (EUA), em 2006

 

Vapt-vupt

Logo que tomou posse na Procuradoria-Geral, Rodrigo Janot nomeou o amigo Eugênio Aragão no cargo de vice-procurador-geral eleitoral.

 

Fez aquela média

Também foi bem visto por Dilma o recálculo sobre planos econômicos apresentado por Janot, que rasgou parecer de 2010 de Roberto Gurgel.

 

Juntos na causa

O parecer de Janot vai ao encontro da tese do governo, favorável aos bancos. O julgamento do caso no STF deve ficar para depois da eleição.

 

Preterido

Eugênio Aragão, que circula bem entre núcleos petistas, já tentou virar ministro no Superior Tribunal de Justiça, mas acabou preterido para vaga.

 

Dilma tenta se descolar de ‘Top-Top’ no caso Israel

O governo “plantou” nos jornais de ontem correção importante no seu discurso sobre o Oriente Médio: destacou que a presidenta Dilma qualifica de “massacre” e não “genocídio” o que ocorre em Gaza, em razão da ofensiva israelense. Dilma isola e se descola do aspone lulista Marco Aurélio “Top-Top” Garcia – que usou a expressão “genocídio”, provocando reação de Israel e fazendo do Brasil motivo de chacota.

 

Anão é o ‘Top-Top’

O governo de Israel chutou o pau da barraca e chamou de “anã” a diplomacia brasileira por saber que “Top-Top” Garcia a lidera de fato.

 

Vergonhoso

Estreito, atrasado, trapalhão, Marco Aurélio Garcia jamais foi diplomata, mas define a política externa desde o governo Lula.

 

Medo cúmplice

Subservientes, os diplomatas assistem Marco Aurélio Garcia esfacelar o prestígio construído pela Itamaraty ao longo de mais de cem anos.

 

Uso da máquina

A Coligação Muda Brasil representou no TSE contra presidenta Dilma por bate-papo com internautas sobre Mais Médicos no Facebook, em horário de expediente e feito do Palácio da Alvorada, com críticas a Aécio Neves. 

 

Quem sabe

O presidente do Conselho de Ética, Ricardo Izar (PSD-SP), que levou “bolo” ontem do deputado André Vargas, ainda tem esperanças em um depoimento do ex-petista: “Ele ainda pode depor a qualquer momento”. 

 

Habemus Papa

O Papa Francisco, que apelou com veemência por paz no Oriente Médio, poderia tentar negociar com Israel e Hamas. Difícil, mas não impossível: com Lech Walesa, João Paulo II foi decisivo pra derrubar Muro de Berlim.

 

Ficha-suja

O TRE-DF tem até 10 de agosto para responder pedido de impugnação, impetrado pelo PSOL, contra José Roberto Arruda, acusado na Operação Caixa de Pandora, da PF. A sigla exige aplicação da Lei da Ficha Limpa.

 

Briga eleitoral

No Amazonas, aliados do governador Omar Aziz (PSD) não desistiram de tentar retirar o adversário Francisco Praciano (PT) da disputa ao Senado. O petista foi o deputado mais votado do Estado nas eleições de 2010.

 

Contra benesses

O Comandante Adonis (PSD-RJ), conhecido por pilotar aeronave na ação que matou traficante “Matemático”, diz não ter se candidatado a deputado para obter vantagens: “Minha história está associada a trabalho e honra”.

Corrida do cadeirante

Apesar de anunciar agendamento de horário no site, a Shalom rádio-táxi, em Brasília, negou reserva para levar cadeirante ao hospital para consulta. Atendente disse que reserva é só para aeroporto e rodoviária.

 

Denúncia

O MPF investiga a contratação pela Assembleia Legislativa, por dispensa de licitação, de veículos de comunicação que seriam vinculados a Edivan Amorim (PR), irmão do candidato ao governo Eduardo Amorim (PSC-SE).

 

Poço de mágoas

Apesar do apoio de Luiz Fernando Pezão à reeleição da presidenta Dilma, o PMDB no Rio garante que o rompimento com o PT é definitivo.

PODER SEM PUDOR

Palestrante prolixo

Vice-governador de Pernambuco nos tempos da Ditadura, Barreto Guimarães foi convidado a fazer um perfil de Duque de Caxias pelo Clube de Diretores Lojistas do Recife que sempre homenageava o Exército Brasileiro na sua reunião na última semana de agosto. Advertido da prolixidade do convidado, o presidente da entidade cercou-se de cuidados: abriu a reunião cedo, aprovou os assuntos da pauta por silencio dos presentes e dispensou a leitura da ata da reunião anterior. E mandou servir o almoço assim que Guimarães começou a falar. Mas cometeu o erro de subestimar o apreço do palestrante pelos holofotes. Já estava sendo servido o cafezinho, quando o vice-governador parou, tomou um gole d'água e prosseguiu:

-- E então meus amigos, era Luiz Alves de Lima e Silva, Alferes... Neste dia teve loja do comércio de Recife que só reabriu às 15 horas.