Busque em todas as seções:
EDIÇÕES ANTERIORES: anteriores

Cláudio Humberto

ACESSIBILIDADE: A A A A
Claúdio Humberto 31/07/2014
Claúdio Humberto
ch@claudiohumberto.com.br
Claudio Humberto

“Foi um resultado fiscal menos dinâmico”

Secretário do Tesouro, Arno Augustin, minimizando o déficit de 1,94 bilhão em junho, o pior da história

 

Alckmin aproveita briga de Skaf para atrair PMDB

Candidato à reeleição em São Paulo, o governador Geraldo Alckmin (PSDB) tem aproveitado a queda de braço entre o adversário Paulo Skaf e o vice-presidente da República, Michel Temer, para angariar apoio nas bases do PMDB. Aconselhado pelo marqueteiro Duda Mendonça, que não vê a hora de dar troco no arquiinimigo João Santana, Skaf ignora os apelos de Temer e se recusa a oferecer palanque para presidenta Dilma.

 

Cabo eleitoral

O deputado Gabriel Chalita (PMDB) – desafeto de Skaf em SP – tem trabalhado, nos bastidores, junto a prefeitos a favor de Geraldo Alckmin.

 

Pura provocação

Padrinho da candidatura, Temer ficou irritado com peça na qual Skaf é questionado sobre apoiar Dilma e responde: “Sabe de nada, inocente”.

 

Joga no lixo

A cúpula do PMDB avalia que a estratégia individualista que Skaf diminui chances de 2º turno, já que Alexandre Padilha não cresce nas pesquisas.

 

Tem seus motivos

Não é à toa que Skaf tenta se descolar da presidenta Dilma: ela carrega 47% de rejeição em SP, onde hoje perderia para Aécio num 2o turno.

 

Partidos reclamam da mão-de-ferro dos candidatos

Os presidenciáveis Dilma Rousseff (PT), Aécio Neves (PSDB) e Eduardo Campos (PSB) têm mais em comum do que se imagina. Assim como o ex-presidente Lula não se cansa de reclamar que a sucessora não ouve ninguém, senadores e deputados do PSDB descem a lenha na postura do tucano Aécio Neves de decidir tudo sozinho. No PSB, o cenário não é diferente: Eduardo Campos não escuta nem a turma de Pernambuco.

 

Só atrapalha

O PSB e PSDB reclamam que a centralização das decisões, além de não envolver aliados na campanha, fragiliza chances de chegar ao Planalto.

 

Deu na mesma

Alvo de queixas, a presidenta Dilma abriu uma brecha e marcou reuniões com presidentes de siglas aliadas, o que não mudou muito nas decisões.

 

Briga na Justiça

O PSDB entrou com nova ação no MP-DF contra Gilberto Carvalho por utilizar cargo de ministro para fazer propaganda negativa de Aécio Neves.

 

Na pindaíba

Candidato ao governo do Rio, o senador Lindbergh Farias (PT) sofre do mesmo mal do correligionário Alexandre Padilha em SP: muito verbo e pouca verba. Os empresários negam doações eleitorais com medo das denúncias que batem na porta do PT e da falta de perspectiva de vitória. 

 

Vista grossa

Flagrado em áudios revelando com toda naturalidade que recebe propina, deputado Rodrigo Bethlem (RJ) avisou ao PMDB que desistirá da disputa à reeleição, mas deverá continuar filiado ao partido, que faz vista grossa.

 

Vice ausente

Diferentemente de Michel Temer e Marina Silva, o senador Aloysio Nunes (PSDB-SP) não acompanhou ontem o presidenciável Aécio Neves na sabatina com empresários na Confederação Nacional da Indústria (CNI).

 

Para compensar

O deputado Luiz Pitiman – candidato tucano ao governo do Distrito Federal – fez questão de comparecer ontem na sabatina de Aécio Neves (MG), que está empatado com a presidenta Dilma nas pesquisas no DF.

 

Gestos

Após a sabatina na CNI, Eduardo Campos (PSB) ofereceu a cadeira principal para coletiva de imprensa à vice Marina Silva: “Minha vez foi com empresários, agora é a sua”, disse brincando, e assumiu o posto.

 

Destemperado

O senador Roberto Requião (PMDB-PR), chamado por adversários de ‘Maria Louca’, abandonou entrevista para rádio CBN de Cascavel ao ser questionado sobre retirada de aditivo que previa duplicação da BR-277.

 

Quer enganar quem?

Presidente do PSDB-ES, César Colnago critica o presidenciável Eduardo Campos, que promete recuperar o Fundo de Desenvolvimento Atividades Portuárias, “quando a bancada dele votou contra o fundo no Senado”.

 

Coisa de doido

Candidato ao Senado, João Paulo (PT-PE) virou alvo de chacota após entrevista sobre maioridade penal na qual falou de valorização da vida, meditação transcendental e terminou contando sobre amigo que tentou suicídio e cujo dia mais feliz da vida foi quando conseguiu fazer cocô.

 

Pensando bem...

... com o futebolzinho jogado nos estádios após a Copa, o Templo de Salomão terá a maior média de público do Brasil.

PODER SEM PUDOR

O bom exílio

Paraibano de Itabaiana, Abelardo Jurema teve uma vida política tão rica quanto estonteante. Foi eleito deputado federal em 1958 e 1962 e depois nomeado ministro da Justiça do governo João Goulart. Com o golpe militar de 64, ele acabaria no exílio, no Peru, onde sobrevivia vendendo charutos. Certa vez ele recebeu a visita do filho, João Luiz, que era menor e vivia no Brasil, e os dois passaram uma boa temporada juntos.

-- Eu queria que esse exílio nunca mais acabasse – disse o garoto, para a surpresa do ex-ministro, que mal aguentava a dor da distância.

Diante do ar de perplexidade do pai, João logo explicou:

-- No Brasil, nunca passei um dia inteiro com o senhor.