Busque em todas as seções:
EDIÇÕES ANTERIORES: anteriores

Cláudio Humberto

ACESSIBILIDADE: A A A A
Claúdio Humberto 03/08/2014
Claúdio Humberto
ch@claudiohumberto.com.br
Claudio Humberto

“Se isso é um erro, eu assumo esse erro”

Aécio Neves (PSDB), admitindo uso de aeroporto construído em terra desapropriada do tio

 

Aécio teme prejuízo com julgamento de Cunha Lima

Candidato à Presidência, o senador Aécio Neves (PSDB-MG) está preocupado com pedido de impugnação da candidatura do tucano Cássio Cunha Lima ao governo da Paraíba, que será julgado nesta segunda (4) pelo Tribunal Regional Eleitoral com base na Lei do Ficha Limpa. A equipe de campanha de Aécio avalia que o presidenciável perderá uma importante base no Nordeste caso Cássio Cunha Lima saia derrotado.

 

Pau a pau

A briga pela impugnação, impetrada pelo governador Ricardo Coutinho, será acirrada. Dois advogados de renome nacional vão atuar no caso.

 

Experiente

Cássio Cunha Lima contratou para defender sua candidatura ninguém menos que o ex-ministro do Tribunal Superior Eleitoral Eduardo Alckmin.

 

Só fera

Do outro lado, está Erick Pereira, doutor em Direito Constitucional pela PUC-SP e parceiro de escritório do ex-presidente do STF Cezar Peluso.

 

Eleições à parte

Amigo também do ex-presidente Lula, Cássio Cunha Lima chegou a cuidar, no Nordeste, da pré-campanha de Aécio Neves à Presidência.

 

Fugindo da hora extra, Caixa não exige ponto

O Sindicato dos Bancários acusa a Caixa Econômica Federal de realizar “manobra” para obrigar gerentes a trabalharem cerca de 12 horas por dia, sem receber hora extra. O banco enviou comunicado aos empregados com a lista do registro no Sistema de Ponto Eletrônico, onde vários gerentes tiveram os nomes excluídos sem qualquer explicação. O registro do ponto estava na pauta dos empregados da Caixa há mais de 10 anos.

 

Quebra de acordo

Em acordo firmado com o sindicato, a Caixa prometeu cobrar o ponto eletrônico de todos os gerentes a partir do dia 1º de agosto.

 

Não é o caso

Pelo artigo 62 da CLT, apenas os ocupantes de cargos máximos nas unidades ficam de fora do registro de entrada e saída do trabalho.

 

Nos conformes

A Caixa Econômica informou, por meio de sua assessoria, que a medida adotada está em consonância com a Legislação Trabalhista vigente.

 

Bola dividida

O PT quer que Dilma cumpra agenda com os candidatos ao governo, Robinson Farias (PSD-RN), e Senado, Fátima Bezerra (PT). O Planalto foge para não desagradar presidente da Câmara, Henrique Alves (PMDB)

 

Processo de cassação

O PSOL deverá protocolar nesta terça (5) representação no Conselho de Ética da Câmara contra Rodrigo Bethlem (PMDB), flagrado admitindo, em áudio, ter recebido propina quando secretário de Assistência Social do RJ

 

Do nosso bolso

Para o deputado Bruno Araújo (PSDB-PE), a presidenta Dilma ofende o povo brasileiro ao tirar ministros do trabalho para “bater palmas em sua campanha”. Sete participaram de sua sabatina na quarta (30) na CNI.

 

Postura errada

O sociólogo e ex-deputado Paulo Delgado (PT-MG) resume a visão dos empresários sobre os presidenciáveis Dilma, Aécio Neves e Eduardo Campos: “Quem precisa de gerente é empresa, o Brasil precisa de líder”.

 

Submissão

Diretora da União Indústria de Cana de Açúcar, Elizabeth Farina criticou, em reunião na CNA, a “submissão” e “falta de conhecimento” do senador Romero Jucá (PMDB-RO), relator do PL 432, que define trabalho escravo

 

Mal na fita

A desconfiança no Congresso é tamanha que o presidente da Federação dos Agricultores do MS, Eduardo Riedel, também questionou na reunião o que a Frente Parlamentar da Agropecuária tem feito pelos ruralistas.

 

75% dos ministros

O governo petista de Dilma e Lula foi responsável por nomear 54 dos 71 ministros que compõem constitucionalmente os quadros do STF, STJ e TST. Da gestão tucana de FHC, restam apenas 15 ministros.

 

Estranhos no ninho

Há, ainda, Celso de Mello, nomeado por José Sarney, e Marco Aurélio, da gestão de Collor, ambos ministros do STF. Já o STJ e TST estão polarizados: só há ministros nomeados pela dupla Lula/Dilma e por FHC.

 

Vergonha coletiva

Com a rejeição ao PT em SP, políticos comparam eleitores de Dilma com os de Maluf: eles até votam, mas não tem coragem de falar em quem.

PODER SEM PUDOR

Gato escaldado

Depois que perdeu preciosos votos na eleição municipal de 1985, quando admitiu que era ateu, FHC ficou muito sensível ao tema. Certa vez, quando senador, ele deixou o então reitor da Unicamp plantado no meio do gabinete, porque precisava sair apressadamente. O reitor, atual ministro da Educação Paulo Renato Souza, estava ali para pegar o texto do prefácio de FH a um livro que publicaria em breve.

-- Agora não posso! – disse o senador, saindo afobado.

-- O que houve? – insistiu Paulo Renato.

-- Vou a uma missa! – gritou FH, já no corredor, diante da expressão de incredulidade do amigo.

O gato escaldado com horror a água fria estava a caminho de uma missa em memória a um parente falecido.