Busque em todas as seções:
EDIÇÕES ANTERIORES: anteriores

Cláudio Humberto

ACESSIBILIDADE: A A A A
Claúdio Humberto 30/12/2014
Claúdio Humberto
ch@claudiohumberto.com.br
Claudio Humberto

“Você tem que deixar toda a atuação política”

Ex-pizzaiolo das CPIs da Petrobras e agora ministro do Tribunal de Contas, Vital do Rêgo

 

Ministros de Dilma recebem até R$ 62 mil por mês

Oficialmente, ministros do governo Dilma recebem salários “comuns” de R$ 26,7 mil por ocuparem cargos na Esplanada. Mas um terço dos 39 ministros ganham “jetons”, bônus salariais, por integrarem conselho de empresas estatais e outros órgãos do governo federal. O Conselho de Administração da Petrobras, por exemplo, rende R$ 10 mil por mês. “Jetons” são pagos nos Correios, Finep, BNDES, Itaipu, Sesc, BB etc.

 

É campeão

O ministro Mauro Borges (MDIC) ganha R$ 21,6 mil líquidos e mais R$ 40 mil com “jetons” do Conselho do BNDES e do BNDESPar: R$ 62 mil

 

Vice campeã

A ministra do Planejamento, Miriam Belchior, tem recebido em torno de R$ 46,8 mil com salário mais jetons da Petrobras e da BR distribuidora.

 

Fechando o pódio

O ministro José Eduardo Cardozo (Justiça) vem logo atrás com R$ 42 mil incluindo o “honorário” de R$ 20.904,99 que recebe do BNDES.

 

Prata da casa

O jeton é uma remuneração por representar a União em Conselhos de Administração ou Fiscal de empresas controladas... pela União.

 

Dilma pode repetir ato napoleônico na reposse

A presidenta Dilma cogita encampar ideia, que ganha força no Palácio do Planalto, de colocar a faixa presidencial em si mesma durante a posse do seu segundo mandato. Por sugestão do cerimonial, Dilma subiria a rampa e se auto-imputaria a faixa, considerada símbolo da passagem de poder, assim como fez Napoleão Bonaparte ao tirar o diadema das mãos do papa Pio VII e coroar-se a si mesmo, em 1804.

 

Falta protocolo

O cerimonial da Presidência da República não tem protocolo para o recebimento da faixa presidencial, em caso de reeleição.

 

Preciosa

O ex-presidente Lula preferiu aparecer já com a faixa presidencial, com a qual subiu a rampa para o pronunciamento na posse da reeleição.

 

Recordar é viver

Já o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso optou por receber a faixa do chefe de cerimonial em 1998, após sua reeleição no cargo. 

 

Samba do deputado doido

Ninguém sabe o que será das cassações de Luiz Argôlo (SD-BA) e Jair Bolsonaro (PP-RJ) em 2015. Apesar de o regimento interno da Câmara prever o arquivamento de processos, o Conselho de Ética questionou a mesa diretora. No entanto o recesso chegou antes da resposta.

 

Prestígio de volta

Em 2010, o futuro ministro da Aviação Civil Eliseu Padilha não gozava de tanto prestígio quanto hoje junto ao seu partido, o PMDB. O partido doou apenas R$ 142,52 para a campanha do agora deputado eleito.

 

Sem prestígio

Desde que assumiu o Itamaraty em agosto de 2013, o chanceler Luiz Figueiredo não se reuniu uma vez sequer com a ex-chefe da Casa Civil Gleisi Hoffmann. Com Dilma, só teve dois encontros durante todo 2014.

 

Habemus quórum

Cotado para disputar a Presidência da Câmara dos Deputados em 2015, Arlindo Chinaglia (PT-SP) quer aproveitar a cerimônia de posse da presidenta Dilma para reunir deputados do PT em Brasília, na sexta-feira (2). Resta saber se haverá quórum.

 

Seis por meia dúzia

A bancada do PDT reagiu com mau humor à proposta do Planalto de trocar o “fraco” Ministério do Trabalho pelo “abacaxi” da Previdência. O deputado André Figueiredo (CE) resiste em assumir ambos os cargos.

 

Concorrência

O PMDB está com a pulga atrás da orelha diante da força de Cid Gomes (PROS-CE) e Gilberto Kassab (PSD-SP) no governo Dilma II. Indicados para cargos importantes, eles ameaçam enfrentar o PMDB.

 

Cotado

O PT-SP tem defendido o nome do sociólogo Juca Ferreira para o Ministério da Cultura no governo de Dilma II. A indicação de Juca fará frente à senadora Marta Suplicy, que saiu do governo atirando.

 

Já pra fora!

O Ministério da Fazenda não comenta episódio vexatório que o ministro Guido Mantega teria vivido no bar Astor, em São Paulo. O pré-demitido ministro da Fazenda teria sido hostilizado, xingado e vaiado no sábado (20), até se retirar do bar. No Ministério, ninguém sabe, ninguém viu.

 

Pensando bem...

...a lancha que a Dilma usou com a família no litoral da Bahia é batizada de “Amazônia Azul”. Correligionários prefeririam “Amazônia Vermelha”.

PODER SEM PUDOR

Café com desculpa

Adhemar de Barros apoiou Café Filho para presidente e Broca Filho para deputado federal, em São Paulo, na campanha de 1950. Ao chegar em Ribeirão Preto, cidade de outro amigo candidato a deputado, e tomando conhecimento de um manifesto anti-Café Filho, Adhemar resolveu não pedir votos para as duas candidaturas que o levaram à cidade:

- Não me fica bem, na cidade de Ribeirão Preto, produtora da melhor rubiácea, enaltecer café com broca..