Busque em todas as seções:
EDIÇÕES ANTERIORES: anteriores

Cláudio Humberto

ACESSIBILIDADE: A A A A
Claúdio Humberto 04/01/2015
Claúdio Humberto
ch@claudiohumberto.com.br
Claudio Humberto

“É evidente que existem muitos desafios a superar”

Miriam Belchior, ao passar o comando do Planejamento para Nelson Barbosa

 

Parlamentares não devem escapar da Lava Jato

O Conselho de Ética da Câmara já decidiu que deputados podem ser cassados pelo envolvimento no esquema do Petrolão, mesmo que toda a roubalheira tenha acontecido antes do mandato que irão assumir em fevereiro. De acordo com o posicionamento do conselho, ato ilícito que não era conhecido à época da eleição e fere a imagem do Parlamento pode levar à cassação do parlamentar, mesmo em outra Legislatura.

 

Regra agora é clara

A questão foi levantada pelo deputado Miro Teixeira (Pros-RJ) quando Jaqueline Roriz usou essa tática para escapar da cassação, em 2011.

 

Senadores tremem

Petistas citados no listão, Gleisi Hoffmann, Humberto Costa, Lindbergh Farias e Delcídio Amaral estão no meio do mandato e na linha de tiro.

 

PMDB idem

Renan Calheiros, Edison Lobão, Romero Jucá e Valdir Raupp estão na mesma situação e vão passar o ano desconfiando até das sombras.

 

Todo comprometido

Figuras constantes em delações, Benedito de Lira e Ciro Nogueira não se identificaram quando Youssef disse que só se salvam dois no PP.

 

Sem governar desde 2003, FHC é ‘homem do ano’

O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, hoje aos 83 anos de idade, vai receber o título de “homem do ano” mais de doze anos depois de entregar o poder ao sucessor Luiz Inácio Lula da Silva, em 1º de janeiro de 2003. O título, o mais concorrido do gênero, é concedido em Nova York, todos os anos, pela Câmara de Comércio Brasil-Estados Unidos. A solenidade de entrega será realizada em maio.

 

Ícone tucano

O senador Aloysio Nunes (PSDB-SP) não poupa elogios ao amigo FHC: “Ele é o homem do século! Preparou o Brasil para o século 21”. 

 

Mal sinal

A nota das escolas estaduais de Ensino Médio no Ceará caiu de 3,4 para 3,3 na gestão de Cid Gomes, novo ministro da Educação. 

 

Divisão da Esquerda

Das siglas que integram o Bloco da Esquerda, só o SD apoia Eduardo Cunha ao comando da Câmara. PSB, PPS e PV vão de Júlio Delgado.

 

Bigodes lustrados

Considerado exímio nas artes e manhas da corte, o novo chanceler Mauro Vieira, na definição de experiente embaixador, “vai dar lustre aos bigodes oliva do primeiro-ministro Aloizio Mercadante”.

 

BNDES pequeno

Na lista de prioridades do governo em 2014, Caixa e Banco do Brasil colocam a concorrência no chinelo: levaram R$ 125,4 bilhões contra R$ 17 bilhões do BNDES que, na teoria, promove o desenvolvimento. 

 

Onde mora o perigo

Para o líder do SD, Arthur Maia (BA), as investigações feitas pelos EUA sobre a corrupção na Petrobras oferecem mais riscos de desgaste à presidenta Dilma do que a delações premiadas da Operação Lava Jato

 

Última cartada

Depois de fingir que não quer nada, o presidente da Câmara, Henrique Alves (PMDB-RN), sem mandato para este ano, investiu forte durante a posse de Dilma com conversa ao pé do ouvido. Faltou chorar no ombro

 

Base no Rio

Eduardo Cunha diz que o PMDB não tem operador em esquema na Petrobras. Mas que o lobista Fernando Baiano gera tremeliques no PMDB do Rio, isso nem os próprios deputados são capazes de negar.

 

Na fila

Eleito suplente na coligação, o presidente do PV, José Luiz Penna, está na expectativa de assumir mandato caso o governador Geraldo Alckmin (PSDB-SP) nomeie mais um deputado federal no secretariado.

 

#DevolveGilmar

Já chega a 7,4 mil o número de participantes de evento no Facebook pressionando pelo julgamento de ação que proíbe doação de empresas a campanhas. O ministro Gilmar Mendes (STF) pediu vista há 9 meses.

 

Olho vivo

O Itamaraty afirmou que o Consulado em Zurique acompanha de perto a situação da brasileira Monica Vieira, expulsa da Suíça depois de ficar tetraplégica e passar a dormir na casa do tutor, que mora na Itália.

 

Pensando bem...

... o susto de Henrique Alves não deve ter sido com os tiros de canhão disparados, mas com a ausência de público na posse de Dilma. 

PODER SEM PUDOR

O gato é bravo...

Três dias após renúncia de Jânio Quadros (28 de agosto de 1961), o deputado udenista Adauto Lúcio Cardoso subiu à tribuna para atacar os ministros militares que se opunham à posse do vice João Goulart, que visitava a China. Adauto, adversário de Jango, propôs enquadrar os militares na Lei de Segurança Nacional e por crime de responsabilidade. Seu colega Aliomar Baleeiro (UDN) pediu um aparte para concordar com ele “em gênero, número e grau”, mas fez uma pergunta incômoda:- Quem é que vai colocar guizo no gato? Eu é que não vou...