Busque em todas as seções:
EDIÇÕES ANTERIORES: anteriores

Cláudio Humberto

ACESSIBILIDADE: A A A A
Claúdio Humberto 05/07/2015
Claúdio Humberto
ch@claudiohumberto.com.br
Cláudio Humberto

 

“Temos que pensar em mudar a instituição como um todo”

Juiz federal Sérgio Moro, responsável pela Lava Jato, sobre o combate à corrupção

 

Pessoa será testemunha-bomba contra Dilma

O Tribunal Superior Eleitoral se prepara para um dos julgamentos mais importantes da história. Trata-se da denúncia de que a campanha de reeleição da presidente Dilma foi financiada com dinheiro ilegal, fruto da corrupção. Será decisivo o depoimento, ao TSE, do delator Ricardo Pessoa, dono da construtora UTC e coordenador do cartel que roubou a Petrobras. Seus testemunho nesse caso será nitroglicerina pura.

 

Doleiro na roda

O doleiro Alberto Youssef pode também depor no TSE. Ele contou que o PT lhe pediu para “internalizar” R$ 20 milhões para a campanha.

 

A origem

O processo no TSE foi aberto com a denúncia do PSDB de que a campanha de Dilma recebeu doações ilegais e não prestou contas.

 

Novas evidências

Em depoimento à Lava Jato, Ricardo Pessoa confessou haver levado dinheiro vivo, do esquema do Petrolão, para a campanha de Dilma.

 

Achaque petista

A própria Dilma já admitiu haver recebido R$ 7,5 milhões da UTC, que Ricardo Pessoa garantiu terem sido produto de achaque.

 

Lula trabalha ‘articulação paralela’ do governo

Pesquisa interna do PT já previa números desastrosos para Dilma (popularidade abaixo de 10%) antes mesmo de o Ibope revelar que a popularidade de Dilma despencou a 9%. Os dados foram o estopim para que o ex-presidente Lula desembarcasse em Brasília no começo da semana para adiantar a má notícia a lideranças petistas e peemedebistas. Aos caciques do PMDB Lula pediu “voto de confiança”.

 

O Plano

Para Lula, o plano “Pátria Educadora” pode “salvar” Dilma. A tentativa de milagre foi confiada ao marqueteiro João Santana; já acionado.

  

Ficou mudo

Em reunião com o PT, dia 29, Lula ouviu: “como defendemos a “pátria educadora” que corta R$ 9 bilhões da Educação?”. Ele não respondeu.

 

Duas ‘guerras’

A cúpula petista teme derrota de Dilma no TCU e, com Dilma frágil, que o Congresso julgue as pedaladas fiscais. Lula pediu apoio ao PMDB.

 

Isso pega?

Dirigentes do PSDB andam muito preocupados com o desgaste do governador tucano do Paraná, Beto Richa, e sua rejeição de 84,7%. Preocupados, claro, com a “contaminação” do partido.

 

Pior, impossível

O prefeito paulistano Fernando Haddad (PT), que anda reclamando muito do PT, numa tentativa de se descolar dos escândalos de roubalheira, desistiu do flerte com o PSOL: falta-lhe densidade eleitoral.

 

Interesse do País

Confirmado: Joaquim Levy foi aos EUA contra ordem médica porque achava que do ponto de vista econômico a visita seria muito mais importante do que de fato o foi, para deixá-la nas mãos de Dilma.

 

Longa viagem

O presidente do Senado, Renan Calheiros, foi a Punta Cana para o casamento da filha de um velho amigo e conterrâneo, o ministro Humberto Martins, do Superior Tribunal de Justiça (STJ).

 

#ReduçãoJá

Cresce o número de advogados que divergem do presidente da OAB, Marcus Vinicius Coelho, sobre a redução da maioridade penal. O grupo apoia a medida e promete fazer barulho.

 

Big Brother

Os arapongas da Abin torraram R$ 71,8 mil na compra de câmeras de segurança. Como é preciso um sistema para usar o produto, lá se vão quase R$ 35 mil bancando a licença de gerenciamento das filmadoras.

 

Novo em folha

As excelências estão trocando os armários de aço da Câmara dos Deputados. A WTec Móveis levou R$ 130 mil para substituir a mobília dos parlamentares. Tudo isso bancado, é claro, pelo contribuinte.

 

Gastança

Não bastasse toda a regalia dada aos parlamentares, a Câmara resolveu bancar mais R$ 1,5 milhão na contratação de dois carros, com motorista e combustível, para transportar deputados e servidores.

 

Pergunta no berçário

Já que reduzir a maioridade penal “não resolve o problema”, segundo os críticos, aumentá-la para 40 anos agravaria o problema?

PODER SEM PUDOR

Profissão: embromador

Na campanha presidencial de 1989, Paulo Maluf esteve em Natal (RN) e foi entrevistado no programa do jornalista Petit das Virgens, na TV. Espaçoso, foi chegando e saudando o entrevistador como a um velho amigo. Pouco mais de um mês depois, Maluf rasgaria a máscara. Ele retornou ao mesmo programa da TV Tropical e lá estava outro jornalista, Miranda Sá, substituto e fisicamente muito diferente do primeiro. Maluf o saudou, efusivo:

- Olá, grande Petit das Virgens, aqui estou de volta. Como vai a família?