Busque em todas as seções:
EDIÇÕES ANTERIORES: anteriores

Cláudio Humberto

ACESSIBILIDADE: A A A A
Claúdio Humberto 20/08/2015
Claúdio Humberto
ch@claudiohumberto.com.br
Claudio Humberto

“O crime do ex-presidente Lula foi associar-se a ladravazes”

Senador Lasier Martins (PDT), e o envolvimento de Lula nos escândalos de corrupção

 

Romero Jucá não quer ser ministro de Dilma

Conhecido pelo talento político e a incomum capacidade de trabalho, o senador Romero Jucá (PMDB-RR) não quer assumir a chefia da Casa Civil no lugar de Aloizio Mercadante, como deseja o ex-presidente Lula. Jucá não está entre os políticos mais otimistas em relação ao futuro de Dilma, que inclusive já o prejudicou em diversas ocasiões, levando-o a apoiar a candidatura de Aécio Neves (PSDB), no ano passado.

 

Homem de confiança

Jucá acha que o cargo de ministro da Casa Civil deve ser ocupado por alguém da confiança de Dilma, e que esse nome é Aloizio Mercadante.

 

Foco no Senado

Romero Jucá tem outros projetos políticos arrojados, como suceder o amigo Renan Calheiros na presidência do Senado, a partir de 2017.

 

Ideia de Lula

A ideia de fazer Romero Jucá chefe da Casa Civil foi do ex-presidente Lula, que não suporta Mercadante e o acusa de prejudicar o governo.

 

Relator-geral

Senador das 1001 utilidades, Romero Jucá é relator de projetos importantes, da comissão de reforma política e até da CPI do Futebol.

 

Deputados já articulam substituto de Cunha

Deputados articulam o afastamento do presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ). Até alguns membros do PMDB duvidam que ele resista após ser denunciado pelo Procurador-Geral da República, Rodrigo Janot. Na bolsa de apostas da Câmara, Arlindo Chinaglia (PT-SP), derrotado por Cunha no início do ano, e Leonardo Picciani (PMDB-RJ), líder e fiel escudeiro de Cunha, são os principais candidatos.

 

Chinaglia, não

Em um eventual afastamento, o grupo que hoje apoia Eduardo Cunha  tem maioria na Câmara e deve trabalhar para eleger Leonardo Picciani.

 

Afastamento

Em “reunião suprapartidária” comandada por Chico Alencar (PSOL-RJ), deputados decidiram pedir o afastamento de Cunha da presidência.

 

Fico

Cunha nega que vai se afastar e garante que não há constrangimento. Mais de 160 deputados respondem por inquéritos na Justiça.

 

Por um fio

Bancado por Eduardo Cunha, o ministro Henrique Alves (Turismo) vive clima de incerteza. Após seu padrinho declarar-se oposição a Dilma, ele ainda não sabe como vai se manter no ministério. E Dilma o detesta.

 

Dois lados da crise

Após as manifestações de domingo (16), o senador Aécio Neves (PSDB-MG) avaliou que o cenário é favorável para a oposição, já que “a crise não saiu do governo”. E para o Brasil, “a economia só piora”.

 

Ele adorou

Sindicalistas da Força Sindical, do deputado Paulo Pereira, o Paulinho da Força (SD-SP), prepararam uma recepção ao presidente da Câmara. Assim que Eduardo Cunha (PMDB-RJ) entrou no plenário, nesta terça-feira (18), a turma gritou: “Eduardo, guerreiro, do povo brasileiro”.

 

Um lá, outro cá

O deputado Danilo Forte (PMDB-CE) está com um pé no Partido Socialista Brasileiro (PSB). Ele vem discutindo com o senador Fernando Bezerra (PSB-PE) os detalhes para ingressar no partido.

 

Acordos emperrados

Michel Temer reclamou com Dilma da dificuldade que encontra de emplacar as nomeações de aliados. É que nos estados o PT reluta em entregar até cargos acertados com deputados e senadores governistas.

 

Fofoca high tech

Parlamentares que estiveram com Gilberto Kassab para celebrar o aniversário do ministro deram um jeito para falar mal de Dilma, que chegou de surpresa. Sacaram os celulares e fofocaram via Whatsapp.

 

Petrolão internacional

A Transparency International, movimento global anticorrupção, revelou que passará um pente-fino em operações de empreiteiras enroladas na Lava Jato e no Petrolão e verificar se o esquema de propinas e roubalheira à estatal foi usado em outros sete países, além do Brasil.

 

Mapeamento

Entidades de 20 países participam de audiência no Senado para denunciar o desrespeito do McDonald’s aos seus trabalhadores. Mas a franquia está preocupada mesmo é só com a repercussão negativa.

 

Pergunta no governo

Por que a Marcha das Margaridas, bancada com quase R$ 1 milhão do contribuinte, pode ocupar a Praça dos Três Poderes, o Estádio Mané Garrincha e o plenário do Senado, mas os protestos contra Dilma, não?

PODER SEM PUDOR

Mão no desperdício

Espremidos no banco de trás do carro oficial, Tancredo Neves e mais três parlamentares jogavam conversa fora. Falavam sobre a importância do sexo na vida do homem. Um deles não se sentia à vontade com o assunto – uma deputada correligionária do então governador de Minas, conhecida pelo tamanho do sapato que usava. O papo prosseguiu e a moça só ouvia os comentários libidinosos dos políticos. Percebendo que ela não estava mesmo à vontade, Tancredo colocou a mão delicadamente sobre suas pernas e disse, como um lamento:

- Ah, menina... já pensou se eu pudesse e se você gostasse?