Busque em todas as seções:
EDIÇÕES ANTERIORES: anteriores

Cláudio Humberto

ACESSIBILIDADE: A A A A
Claúdio Humberto 04/11/2015
Claúdio Humberto
ch@claudiohumberto.com.br
Claudio Humberto

“Ainda nem pensei sobre isso”

Presidente da Câmara, Eduardo Cunha, sobre a representação que pede sua cassação

 

Sonegação nas fronteiras ‘sugam’ R$ 100 bilhões

Relatório preliminar do Tribunal de Contas da União (TCU), sobre a auditoria que realizou nas fronteiras brasileiras, aponta uma fuga de R$ 100 bilhões dos cofres públicos, devido à sonegação decorrente do contrabando. O valor é mais do que o dobro do déficit já previsto pelo governo federal para o Orçamento de 2016. Em resumo, isso ocorre porque faltam planejamento e coordenação, e sobra incompetência.

 

Desarticulação

De acordo com o TCU, o Brasil é vítima da desarticulação das políticas públicas e a pulverização de recursos em investimentos mal pensados.

 

Sangria desatada

O TCU avalia que as diferenças legais e socioeconômicas entre o Brasil e os países vizinhos contribuem para a “sangria” nas fronteiras.

 

Calote nas fronteiras

Outro fator apontado pela auditoria do TCU é o valor destinado às políticas de fronteira, muito abaixo do que prevê o próprio Orçamento.

 

Governo abandonou

Em 2012, foram aplicados 80% do Orçamento; em 2013, 25%; em 2014, menos de 40%. O governo abandonou as fronteiras do Brasil.

 

Gabas afasta corregedor que acusou protegido

O ex-ministro e atual secretário especial da Previdência Carlos Gabas – personagem da fase “Pixuleco” da Operação Lava Jato – afastou o corregedor que denunciou seu “cumpanhero” Carlos de Paula, que ele tornou chefe da Previc, a Superintendência Nacional de Previdência Complementar. O corregedor Nilo Silva Thé Pontes, admirado auditor da Receita Federal do Brasil, acabou devolvido ao órgão de origem.

 

Estranha transferência

O atrito do corregedor com o superintendente da Previc foi ocasionado pela estranha transferência de uma servidora do Rio para Brasília.

 

Pagamentos irregulares

A apuração do caso indicou que a servidora ligada ao chefe da Previc teria recebido pagamento irregular de diárias e passagens aéreas.

 

Denúncia à CGU

O corregedor afastado denunciou as irregularidades de Carlos de Paula, protegido de Gabas, à Controladoria Geral da União (CGU).

 

Xeque mate

Os tucanos deram prazo de quinze dias para que Eduardo Cunha decida sobre o impeachment de Dilma. Caso não indefira a pretensão, o peemedebista perderá apoio no Conselho de Ética.

 

Quinze minutos de fama

Relator do caso do mensalão, Júlio Delgado (PSB-MG) diz que o relator do processo contra Eduardo Cunha no Conselho de Ética pode fazer história. Todos os indicados são ilustres desconhecidos.

 

Nova fase

O presidente da CPI dos Fundos de Pensão, Efraim Filho (DEM-PB), acredita que a comissão entrará em nova fase, de aprofundamento das investigações. Porque chegou nova remessa de quebras de sigilos.

 

Golpe no ‘débito em conta’

Estatal de energia de Alagoas absorvida pela Eletrobrás, a Ceal aplicou golpe em um cliente que, tolo, autorizou débito em conta: surrupiou-lhe R$ 9.988,00 a pretexto de consumo “excedente” por 1 ano em casa de praia usada eventualmente, de conta mensal nunca superior de R$ 300

 

Uber é legal

O prefeito do Rio, Eduardo Paes (PMDB), preferiu não ouvir seus munícipes e criminalizou o Uber para fazer demagogia com taxistas. Mas a Justiça fluminense confirmou a legalidade do aplicativo.

 

Turma do holofote

O crime de racismo contra a atriz Tais Araújo já é demasiado doloroso para que ela, a vítima, ainda seja submetida ao constrangimento de “prestar esclarecimentos” à polícia do Rio de Janeiro. Até parece que o objetivo da oitiva é outro: garantir holofotes à turma da delegacia.

 

Maior sujeira

Sindicalistas ligados a partidos radicais tentam asfixiar, com greves, o governo quebrado do DF. Após a do Metrô, iniciada ontem, juntando-se a outras 30 categorias, a próxima será a do pessoal de limpeza pública.

 

Bate e rebate

Líder do PSOL, Chico Alencar (RJ) reagiu às ameaças de Paulinho da Força (Solidariedade-SP) de apresentar suas “notas frias”: “Delicada mesmo é a situação dele, como réu no Supremo Tribunal Federal”.

 

Pensando bem...

... a vaia que Dilma recebeu nos Jogos Mundiais Indígenas repercutiu mal no mundo todo, mas não no Brasil. É que no Brasil é praxe.

 

PODER SEM PUDOR

Autêntico “pele vermelha”

Visitando Washington, em 1991, o ex-deputado bainao Benito Gama se deparou no Museu de História Natural com um genuíno “pele vermelha”, mostrando sua dança típica, ao som de tambor, e gritando “uh-uh-uh-uh”, como nos filmes do velho oeste. Ele já caminhava para outro setor, quando o índio se aproximou e cochichou, em perfeito português:

- Não vá embora sem falar comigo...

Era um cearense que viveu na Bahia. Trabalhava em Washington como motorista do embaixador da Argentina e, à noite, fazia bico como índio.