Busque em todas as seções:
EDIÇÕES ANTERIORES: anteriores

Cláudio Humberto

ACESSIBILIDADE: A A A A
Claúdio Humberto 25/11/2015
Claúdio Humberto
ch@claudiohumberto.com.br
CLÁUDIO HUMBERTO

“Fecha-se o cerco a Lula e ao PT

Deputado Rubens Bueno (PR), líder do PPS, sobre a prisão de José Carlos Bumlai

 

Prisão do amigo Bumlai é séria ameaça a Lula

Desde o início da Lava Jato, a prisão do “primeiro amigo” José Carlos Bumlai é a mais séria ameaça ao ex-presidente Lula. No Planalto, o temor é que Bumlai não resista à pressão da família para fazer acordo de delação. Íntimo amigo e conhecedor de segredos, o temor é Bumlai confessar, afinal, como e por que se beneficiou dessa amizade e virou uma espécie de “resolvedor de problemas” da família Lula da Silva.

 

Resolvido (1)

O lobista Fernando Baiano delatou que Bumlai lhe pediu R$ 2 milhões para supostamente uma nora de Lula comprar um imóvel.

 

Resolvido (2)

Bumlai também aparece como articulador da reforma do sítio da família Lula da Silva em Atibaia (SP), feita pela OAS, empreiteira do petrolão.

 

Pressão familiar

Tem sido decisiva a pressão das famílias nos acordos de delação premiada. O mesmo se espera no caso Bumlai, hoje com 71 anos.

 

Sob pressão

A inclusão dos filhos de Bumlai entre os investigados (foram levados pela PF para depor sob vara) será usada para pressioná-lo à delação.

 

Rio 2016: sequer houve licitação para segurança

O desleixo do governo quanto à ameaça terrorista é constrangedor: a pouco mais de 8 meses dos Jogos Olímpicos de 2016 do Rio, ainda nem sequer foram comprados equipamentos de segurança, como detectores de metais. O Ministério da Justiça fará a licitação apenas em janeiro. O Japão, que sediará os Jogos de 2020, já encomendou esses equipamentos. A abertura dos Jogos do Rio será em 5 de agosto.

 

Blá, blá, blá

O Ministério da Justiça só foi capaz de fazer audiência pública para “discutir aspectos técnicos” dos equipamentos de segurança.

 

Solução simplista

O governo brasileiro parece facilitar a ação terrorista: resolveu adquirir apenas aparelhos de detecção de metais, como os de aeroportos.

 

Mole para terroristas

O aparelho de raio-x, que o governo definiu, não detecta bombas. Só uma máquina chamada “body scanner” pode detectar explosivos.

 

Virou autoridade

Porta-papéis e celulares de Dilma, Giles Azevedo está se achando, depois que foi designado para assessorar a equipe de articulação política. Costuma dar chá-de-cadeira no vice-presidente Michel Temer.

 

Amigo

A prisão do pecuarista José Carlos Bumlai, amigão de Lula, devolve o poder ao presidente da Câmara Eduardo Cunha (PMDB-RJ). Caberá a Cunha decidir sobre o prazo dos trabalhos da CPI do BNDES.

 

Súbita mudança

Líder PSDB, Carlos Sampaio (SP) virou anti-Cunha desde criancinha, mas na CPI da Petrobras bajulou o deputado acusado de corrupção: “Vossa Excelência sai mais presidente do que quando entrou.”

 

Bola da vez

Membro da oposição na CPI do BNDES, o deputado Alexandre Baldy (PSDB-GO) defende um acordo com o juiz federal Sérgio Moro para compartilhamento de informações e/ou depoimento sobre Bumlai.

 

Orçamento imaginário

O governo inviabilizou o Orçamento ao inserir no relatório de receitas a CPMF e o leilão de hidrelétricas. “Para quem quer ter credibilidade, é fundamental ter Orçamento”, diz Danilo Fortes (PSB-CE).

 

Retrocesso

Um projeto do deputado Áureo (SD-RJ) é um retrocesso na defesa ao consumidor. Ele reduz a pena de quem lesa o consumidor de 5 para 3 anos. O projeto tem apoio da Associação Brasileira de Supermercados.

 

Saída confirmada

O adgovado-geral da União, Luiz Inácio Adams, comunicou ontem à presidente Dilma Rousseff que está de saída do cargo. A informação foi antecipada por esta Coluna no último dia 27 de outubro.

 

Sem confirmação

José Carlos Bumlai foi preso em Brasília, nesta terça (24), data do seu depoimento na CPI do BNDES. Mas ele ainda não havia confirmado presença junto ao secretário da comissão de inquérito.

 

Pensando bem...

...a julgar pelo pânico no Planalto e no Instituto Lula, a Operação Passe Livre, que prendeu Bumlai, poderia ter sido chamada de “Nunca Durma 2”.

 

PODER SEM PUDOR

Mineirice explícita

Ainda eram confusas as informações sobre o golpe militar quando, naquele 31 de março de 1964, o lendário José Maria Alkmin encontrou Benedito Valadares no aeroporto da Pampulha, em Belo Horizonte.

- Vai para onde, Alkmin? – perguntou Valadares.

- Para Brasília.

- Ah, sei.

Benedito abraçou Olavo Drummond, que assistia a conversa, e cochichou:

- Ele diz que vai para Brasília para eu pensar que ele vai pro Rio. Mas ele vai é para Brasília mesmo...