Busque em todas as seções:
EDIÇÕES ANTERIORES: anteriores

Cláudio Humberto

ACESSIBILIDADE: A A A A
Claúdio Humberto 11/03/2016
Claúdio Humberto
ch@claudiohumberto.com.br
Cláudio Humberto

“Poderiam jogar bola com Lula”

Promotor José Carlos Blat sobre corretores cansados de saber que o tríplex era de Lula

 

Suspeita é que Lula levou o que não era dele

O ex-presidente Lula enfrenta a suspeita de apropriação de objetos do Palácio da Alvorada que pertenceriam à União. No café da manhã com senadores, quarta-feira (9), Lula desdenhou disso e fez uma revelação espantosa: além dos itens encontrados no sítio em Atibaia pela Polícia Federal na 24ª fase da Lava Jato, “tem umas 400 caixas” da sua mudança em imóvel do Sindicato dos Metalúrgicos de São Bernardo.

 

Mudança

Objetos que pertencem à União teriam sido levados nos espantosos 11 caminhões de mudança de Lula e Marisa, no fim do seu governo.

 

Há um limite

Aos senadores, Lula disse ter ganho “muitos presentes”. Ele ignora que itens avaliados em mais de cem reais passam ao patrimônio da União.

 

Nada escapou

Há relatos de que no dia da mudança, d. Marisa mandou colocar em caminhões de mudança até objetos de adorno do jardim do Alvorada.

 

O gato comeu

Por meio de requerimento de Ronaldo Caiado (DEM-GO), o Senado pediu a investigação do eventual sumiço de objetos do Alvorada.

 

PMDB e PSDB têm um consenso: Dilma acabou

Durante a reunião que começou quarta-feira (9) à noite e avançou a madrugada, uma conclusão consensual foi estabelecida por senadores do PMDB, incluindo o governista Renan Calheiros, e do PSDB: “Dilma acabou”. Os dois partidos só divergem na forma de se livrar de Dilma: os tucanos preferem o impeachment e Calheiros, falando pelo PMDB, defende algo “menos traumático”: a mudança do sistema de governo.

 

Rainha Elizabeth

Pela proposta do PMDB, Dilma seria preservada, exercendo apenas funções de Estado, e um chefe de governo tocaria a administração.

 

Pacto nacional

Renan acha que a mudança do sistema de governo passaria por um pacto nacional, envolvendo inclusive o Supremo Tribunal Federal.

 

Conversa no muro

Surpreendidos com a proposta de um novo sistema de governo, os tucanos se comprometeram a “continuar conversando” sobre o tema.

 

Reconhecimento

Os petistas andam muito preocupados com o juiz Sérgio Moro. Eles reclamam em público, mas em particular admitem que o magistrado é competente e não deixa espaço para questionamentos.

 

Fundo do poço

Enquanto ouvia o afável senador Zezé Perrela (PDT-MG) desancando Dilma, Gleisi Hoffmann (PT-PR) cutucou Cassio Cunha Lima (PSDB-PB): “A situação está tão ruim que até o Perrela ataca o governo…”

 

São todos iguais

Questionado pela radio Bandeirantes sobre o apoio a Eduardo Cunha, Paulinho da Força (SD-SP) chamou a repórter de “petista”. Exatamente como os petistas, que chamam seus críticos de “tucanos” e “golpistas”.

 

Saúde para quê?

Dilma mobilizou o assessor Gilles Azevedo e os ministros Jaques Wagner e Ricardo Berzoini para barrar a proposta de emenda que aumenta o investimento obrigatório da União em Saúde.

 

Desespero à porta

O deputado Rubens Bueno (PPS-PR) define o momento político vivido pelo PT e pelo governo. “Eles estão desesperados”. Segundo ele, a queda do governo é apenas uma questão de tempo.

 

Zumbi

Ex-presidente da Câmara, o deputado Marco Maia (PT-RS), espécie de líder do baixo clero petista, anda visivelmente abatido, Maia perdeu peso, e sem dieta. É que foi citado em delações premiadas.

 

Primeiro-ministro

A oferta que mais agrada Lula é a seguinte: o ex-presidente na Casa Civil e Jaques Wagner (titular da pasta) no Ministério da Justiça. Também agrada a cadeira de Ricardo Berzoini (Governo).

 

Spam

Funcionários da Fiocruz de Brasília passaram a semana recebendo e-mails com “convites” para a ação contra o Aedes aegypti. O medo era de baixo quórum na visita do ministro Marcelo Castro (Saúde).

 

Bomba na rede

Viralizou ontem na rede que Lula será o ministro da Pesca: já tem barco, 2 pedalinhos e como todo pescador… mente que nem sente

PODER SEM PUDOR

Feios de doer

Nascido em Guapé (MG), Passos Maia foi eleito “senador estadual” várias vezes, na República Velha. Os amigos e depois os inimigos, só de gozação, exageravam dizendo que era o político mais feio de Minas. Ele não ligava. Certa vez bateram à sua porta, Maia atendeu. Mandou o homem entrar e sentar. Pediu licença, foi lá dentro e voltou com uma medalha na mão:

- Isso é seu, agora. Ganhei no Senado, como “prêmio” por ter sido o sujeito mais feio que passou por lá. Mas agora vejo que o senhor merece o prêmio.

E despachou o homem, apenas um vendedor de livros. Feio de doer.