Busque em todas as seções:
EDIÇÕES ANTERIORES: anteriores

Cláudio Humberto

ACESSIBILIDADE: A A A A
Claúdio Humberto 28/04/2016
Claúdio Humberto
ch@claudiohumberto.com.br
Cláudio Humberto

“Nesta primeira votação, eu não vou votar e não devo votar

Renan Calheiros, na prática antecipando seu voto contra o impeachment de Dilma

 

Temer promete fim da reeleição para presidente

O vice-presidente Michel Temer afirmou a interlocutores do Congresso que uma de suas primeiras providências, na eventualidade de assumir a presidência da República, será enviar ao Congresso uma Proposta de Emenda Constitucional (PEC) extinguindo a reeleição para cargos majoritários, inclusive o dele, já valendo para as eleições de 2018. Em qualquer quadro, Temer garante que não disputará qualquer cargo.

 

Sem candidatura

Michel Temer prevê pressões para preservar o “direito à reeleição” dos eleitos em 2014 e 2016. Nesse caso, ele promete não ser candidato.

 

Discurso na posse

Para demonstrar seu compromisso, Temer garante que já no discurso de sua eventual posse anunciará o fim da reeleição no Brasil.

 

Decisão pegou bem

A decisão de acabar a reeleição soou como música aos ouvidos da cúpula do PSDB, que não abre mão do projeto presidencial.

 

Providência consensual

O fim da reeleição para cargos majoritários, e até para mesas diretoras no Poder Legislativo, é raro consenso no debate sobre reforma política.

 

Lula pediu ajuda a Renan para cooptar senadores

O ex-presidente Lula pediu “ajuda” ao presidente do Senado, Renan Calheiros, terça (26), para atuar junto a senadores “cooptáveis” pelo governo. Lula dá como certa a aprovação da admissibilidade do impeachment, prevista para o dia 11, com o consequente afastamento da presidente Dilma. Mas sua meta é atingir os 28 votos que o governo precisa para impedir a condenação de Dilma, no julgamento final.

 

Aposta no caos

Lula aposta no fracasso e na desestabilização do governo Temer, na qual o PT vai se empenhar, para fragilizar o impeachment definitivo. 

 

Aritmética do voto

Com os votos de dois terços (ou 54) dos 81 senadores, Dilma perderá o mandato, no julgamento. Para escapar, precisa de 28 votos contra.

 

Abstenção pró-Dilma

Lula ficou animado com senadores “independentes” querendo “eleições já”. Para ele, o grupo busca só um pretexto para se abster de votar.

 

Mordomia à brasileira

O governo de Minas pagou caro para homenagear o uruguaio Jose Mujica com a Medalha da Inconfidência, dia 21. Jatinho, carros e hotel custaram R$72.162, pagos pela empresa pública Codemig. Mujica se fez acompanhar da mulher, Lucía Topolansky. Ambos são senadores.

 

Decreto não autoriza

O governo de Minas diz que o decreto 45.618/11 o autoriza a pagar o “deslocamento de autoridades internacionais”, como Mujica. Não há isso nos 47 artigos do decreto do então governador Antonio Anastasia.

 

Corte cosmético

Michel Temer já desistiu de cortar 12 ministérios, como pretendia e o País espera, em razão da dificuldade de acomodar os interesses dos partidos que o apoiam. Dos atuais 31, ele já fala em 24 ministérios.

 

O pesadelo de Alckmin

Chama-se Paulo Skaf o pesadelo de Geraldo Alckmin. O governador paulista é contra o apoio do PSDB no governo Michel Temer, para não fortalecer eventual candidatura do presidente da Fiesp, pelo PMDB.

 

Danese decola

O embaixador Sérgio Danese entrou na lista de prováveis futuros ministros das Relações Exteriores. Michel Temer tem Danese, atual secretário-geral do Itamaraty, em alta conta.

 

Perdeu, madame

Dilma está cercada de sinais de fim de festa. Além do cafezinho servido frio, como é habitual nessas ocasiões, levaram 1h e 20 minutos para hastear a bandeira da Presidência no Alvorada, quando ela voltou da viagem a Nova York, sábado (23). Detalhe: a bandeira estava rasgada.

 

Ops, vou ali

Ao se deparar com Michel Temer conversando com Renan Calheiros na residência do Senado, o tucano Aécio Neves brincou: “Eu não fumo, mas vou fumar um cigarrinho na varanda enquanto vocês conversam...”

 

Julgamento em julho

A oposição prevê para julho, antes do início do recesso parlamentar, a conclusão do processo de impeachment de Dilma. Antes do julgamento de Dilma, deve ser votada a Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO).

 

Pensando bem...

...crise é tão grave, com o Brasil descendo a ladeira sem freios, que parece uma eternidade esperar 14 dias pela votação do impeachment, em 11 de maio.

PODER SEM PUDOR

Só na horizontal

O repentista Pedro Ferreira era deputado estadual em Alagoas, nos anos 1980, quando uma eleitora o procurou para pedir emprego. Mas condicionou:

- Só posso trabalhar à noite, deputado.

- Vou ver o que posso fazer.

- Mas eu só posso trabalhar depois das 9h da noite...
Ele coçou o queixo e advertiu:

- Olhe, minha filha, emprego para moça depois das 9h da noite, só se for deitada olhando para o teto.