Busque em todas as seções:
EDIÇÕES ANTERIORES: anteriores

Cláudio Humberto

ACESSIBILIDADE: A A A A
Claúdio Humberto 13/05/2016
Claúdio Humberto
ch@claudiohumberto.com.br
Cláudio Humberto

“Um feliz Brasil para todos!”

Votos de Michel Temer ao encerrar seu primeiro discurso como presidente

 

Governo Dilma fez a economia regredir a 2011

Os devaneios do governo da presidente Dilma levaram a economia brasileira a quedas seguidas e inéditas no Produto Interno Bruto, levando o PIB ao nível de 2011. Ao fim do primeiro ano de mandato de Dilma, o PIB atualizado pela inflação oficial foi de R$ 5,6 trilhões, exatamente o mesmo previsto para este ano, de acordo com os últimos relatórios com previsões de mercado divulgados pelo Banco Central.

 

Meia década perdida

Os últimos 5 anos de governo Dilma já são considerados perdidos e, no âmbito econômico, é como se o governo Dilma nunca tivesse existido.

 

Soma 0

A estadia de Dilma na Presidência da República, pelo menos na área econômica, é de soma 0: perdeu tudo que conquistou.

 

Bons tempos

O dólar era cotado a R$ 1,65 quando Dilma tomou posse. O litro da gasolina custava R$ 2,59, e o barril do petróleo valia US$ 92,66.

 

Alerta de sabotagem

O presidente Michel Temer tem sido aconselhado a demitir todos os comissionados, mesmo arriscando paralisia. Ou será sabotado.

 

Novo AGU substituirá Lewandowski em setembro

A elogiada escolha do gaúcho Fábio Osório Medina para chefiar a Advocacia Geral da União (AGU) é o prenúncio de outra indicação ainda mais importante: ele já chega ao cargo como o mais forte nome para a vaga de Ricardo Lewandowski no Supremo Tribunal Federal (STF). O ministro admitiu a colegas que vai pendurar a toga no fim do mandato de presidente do STF, que se encerra em 10 de setembro.

 

Pit-stop

A chance de virar ministro do STF explicaria a opção de Fábio Medina, trocando sua requisitada banca de advocacia em São Paulo pela AGU.

 

Carreira no MP

Casado com procuradora da Fazenda Nacional, pai de dois filhos, Medina fez carreira no Ministério Público, até exercer a advocacia.

 

Vocação

Fábio Medina tomou posse aos 24 anos como promotor de Justiça no Rio Grande do Sul, com forte atuação no combate à improbidade.

 

Curitiba à espera

Chamou atenção, no bota-fora de Dilma, o abatimento do ex-presidente Lula. Amigos citam problemas de saúde e depressão. Ou finalmente caiu a ficha: sem foro privilegiado, ele deve encarar o juiz Sérgio Moro.

 

Baleia Rossi líder

O deputado Baleia Rossi é o nome mais forte para assumir a liderança do PMDB na Câmara. Amigo leal de Michel Temer, ele somaria a capacidade de articulação à defesa firme das propostas do governo.

 

Solução Picciani

Para o Ministério do Esporte, Michel Temer escolheu Leonardo Picciani (RJ), que votou contra o impeachment, para unificar e pacificar a bancada do PMDB, abrindo caminho para nova composição política.

 

Rasteira veio de NY

Rasteira atribuída ao ex-chanceler Antônio Patriota foi aplicada em José Serra (Relações Exteriores): removeram às pressas para Nova York, e fora da lista, um casal de diplomatas. Serra está sabendo.

 

Ódio no coração

Lula foi apontado como mandante das agressões, na saída do Planalto, de “mortadelas” contra jornalistas, que ele culpa pelo impeachment. Como se a imprensa tivesse cometido os crimes que afastaram Dilma.

 

Escondidinho

Ao contrário de Fernando Collor, que em 1992 permitiu que jornalistas registrassem o momento em que era comunicado do impeachment, até em respeito à História, Dilma optou pelo escondidinho do gabinete.

 

Promessas

Para deixar a Câmara, Waldir Maranhão cobra do governador Flávio Dino (PCdoB) a promessa de nomeá-lo secretário da Educação, como pagamento pela presepada que o convenceu a fazer. Para assumir o novo cargo, ele se licenciaria do mandato. Seria uma “saída honrosa”.

 

Prêmios para Nise

“Olhar de Nise”, de Jorge Oliveira e Pedro Zoca, foi premiado no festival de cinema de Lisboa: melhor filme do público e menção honrosa. O documentário faz sucesso na Europa e Estados Unidos.

 

Pensando bem...

...o mordomo de filme de terror é quem, afinal, tirava o sono de Dilma.

PODER SEM PUDOR

Inocêncio, o cangaceiro

Certa vez baixou o espírito de Lampião em Inocêncio Oliveira, sertanejo de Serra Talhada (PE) como o célebre cangaceiro. Então primeiro vice-presidente da Câmara, ele chegou ao plenário quando a sessão era presidida por João Caldas (AL), que ficou enrolando e não lhe passava o lugar. Quando percebeu que a TV Câmara transmitir ao vivo, ele ameaçou:

- Ou você sai daí agora ou vai sair debaixo de porrada!

Caldas bateu o pé, mas a turma do “deixa disso” levou Inocêncio para tomar chá de maracujá.