Busque em todas as seções:
EDIÇÕES ANTERIORES: anteriores

Cláudio Humberto

ACESSIBILIDADE: A A A A
Claúdio Humberto 12/06/2016
Claúdio Humberto
ch@claudiohumberto.com.br
Cláudio Humberto

“Sua arrogância e prepotência não permitiram”

Dep. André Moura (PSC-SE) notando que, antes, Dilma não discutia novas eleições

 

Congresso precisa votar redução da maioridade

Em pleno o clamor contra o estupro coletivo no Rio, uma garotinha de 11 anos foi estuprada em Brasília por adolescentes seguindo a liderança de um homem feito de 16 anos. Nem foram incomodados. São “crianças”, segundo a lei. Um crime horrível foi praticado, uma menina que brincava com bonecas ficará com sequelas emocionais irremovíveis, mas não haverá culpados, nem punição. E o Congresso reluta em discutir e votar a redução da maioridade penal para 16 anos.

 

Cruéis e covardes

O grupo de adolescentes estupradores dopou a menina antes de abusar dela com selvageria, crueldade e covardia.

 

Não é remédio, é punição

Reduzir a maioridade não é o “melhor remédio”, mas ao menos abriria a chance de punir assaltantes, assassinos e estupradores de 16 anos.

 

Ele sabe o que faz

Ciente de que aos 16 anos poderia ser punido, o estuprador brasiliense pensaria mil vezes antes de liderar crime tão abjeto quanto covarde.

 

Renan é quem manda

A proposta de emenda constitucional nº 171, que reduz a maioridade, está há 23 anos nas gavetas do Congresso.

 

Planalto deverá cortar mais privilégios de Dilma

O corte de aviões da FAB foi só o começo das restrições a Dilma Rousseff, que, afastada por cometer graves crimes contra a Nação, age como se continuasse no cargo. A Secretaria de Governo revê tudo, até com base no único precedente. Afastado, Fernando Collor não teve qualquer dos privilégios de Dilma: um exército de assessores, palácio, empregados, carros com motoristas, seguranças, jatos da FAB, nada.

 

Fim das diárias

O ministro Geddel Vieira Lima finaliza levantamento dos assessores da de Dilma, cujas generosas diárias serão suspensas.

 

Devolva o filé

O número de assessores, cerca de 200, também deve ser reduzido. Os melhores cargos, subtraídos por Dilma, devem voltar ao Planalto.

 

Força-tarefa

Para evitar questionamentos do corte na Justiça, a área jurídica da Casa Civil apoia os trabalhos da Secretaria de Governo.

 

Imperador Renan

Prefeitos e deputados alagoanos estão preocupados com a pretensão do senador Renan Calheiros de “eleger” o próximo prefeito de Maceió. Como já controla o governo de Alagoas e grande parte dos deputados estaduais e federais, Renan parece candidato a Imperador de Alagoas.

 

Sangue no olho

Tucanos no Senado garantem que não permitirão o retorno de Dilma à Presidência da República. Segundo eles, o Congresso não se acovardará diante da decisão que precisa ser tomada: o impeachment.

 

Sonegômetro

Mais de R$ 230 bilhões em impostos teriam sido sonegados no Brasil este ano, estima a turma do Sonegômetro, criado por sindicalistas em resposta aos imbatíveis e chocantes números do Impostômetro.

 

Estilo

Advogado de Dilma no impeachment, o ex-ministro José Eduardo Cardozo deve estar ganhando bem para defender a presidente afastada. Desfila no Senado com um Apple Watch de R$ 2 mil.

 

Mudança na Oi

O diretor financeiro da Oi, Marco Schroeder, deve assumir a presidência da operadora de telefonia, em substituição a Bayard Gontijo, que está de saída.

 

Segurança reforçada

Após a sequência de invasões de manifestantes, a Câmara reforçou a segurança em locais estratégicos. E o serviço de segurança monitora os baderneiros mais assíduos para impedi-los de entrar na Casa.

 

Pernas curtíssimas

O deputado Sibá Machado (PT-AC), expert em pagar mico na internet, divulga no Facebook uma “pesquisa” sobre o governo Temer sem indicar fonte. Estranho é a somatória dos dados: extrapola os 100%.

 

Otimismo trabalhista

O presidente do PTB do Tocantins, ex-deputado José Geraldo, acredita que seu partido sairá fortalecido porque soube se posicionar na crise, e aposta no crescimento dos trabalhismo nas eleições de outubro.

 

Pergunta no Alvorada

Neste Dia dos Namorados, Dilma vai receber flores?

PODER SEM PUDOR

Só mesmo cutucando

Henrique Hargreaves era influente ministro de Itamar Franco quando, certa madrugada, circulou que ele havia morrido. Uma repórter amiga ligou para sua casa. Atendeu a mulher:

- E aí, tudo bem?

- Tudo bem, mas já é meio tarde, não acha?

- Desculpe, mas é que estão dizendo que o ministro morreu...

A sra. Hargreaves reagiu com surpreendente bom humor:

- Olha, ele está aqui do meu lado, aparentemente vivo. Mas vou dar uma cutucadinha para ver se está tudo em ordem...