Busque em todas as seções:
EDIÇÕES ANTERIORES: anteriores

Cláudio Humberto

ACESSIBILIDADE: A A A A
Claúdio Humberto 05/08/2016
Claúdio Humberto
ch@claudiohumberto.com.br
Cláudio Humberto

Facilmente abriria mão do benefício [foro privilegiado]

Juiz Sérgio Moro, durante sua aula de justiça e dignidade na Câmara dos Deputados

 

PT já não pede votos para Dilma no Senado

Os políticos do PT já não tentam articular a reversão de votos, para tentar preservar o mandato da presidente afastada Dilma Rousseff. A avaliação da cúpula do PT é a mesma do ex-presidente Lula: as chances do partido, nas próximas eleições, serão melhores sem Dilma na presidência. Lula acha que, sem Dilma, o PT pode tentar vitimizar-se, alegando nos palanque e no Congresso que foi vítima de “golpe”.

 

Baixo astral

Ainda que o esperassem, a aprovação do relatório por 14x5, favorável à destituição de Dilma, deixou os petistas ainda mais desanimados.

 

Que Dilma?

Lula já nem cita Dilma em suas andanças. Está mais preocupado com a própria sorte, certo de que só não será preso se “vazar” do Brasil.

 

Desafio do investigado

O ex-presidente Lula decorou a frase bolada por um amigo: “Se me prenderem, terão um mártir; se não, serei presidente em 2018”.

 

Puro fingimento?

Articuladores do atual governo acham que os petistas escondem o jogo, fingindo que desistiram enquanto pedem votos para Dilma.

 

Beneficiado pela olimpíada, carioca vê ‘prejuízo’

Desde sua escolha para sediar a Olimpíada, foram investidos no Rio R$38,6 bilhões, sendo 57% dos cofres públicos, materializando mais uma linha de metrô, VLT, prédios espetaculares, a transformação de um charco na bela Vila Olímpica etc. Apesar disso, pesquisa do Instituto Paraná mostra que 75% dos cariocas não têm interesse e 58% acham que os Jogos trarão mais prejuízos que benefícios à cidade.

 

Crivella lidera

Não têm candidato a prefeito 74% dos cariocas. Dos citados, Marcelo Crivela (PRB) tem 33,3%, seguido de Marcelo Freixo (Psol), com 13,8.

 

Embolados

O pré-candidato Flavio Bolsonaro (PSC) tem 8,3%, Jandira Feghali (PCdoB) 7.9, Índio da Costa (PSD) 4,8% e Pedro Paulo (PMDB), 4,6%.

 

Lanterninhas

Estão na lanterna Osório (4,2) e Alessandro Molon (Rede), com 2,9%, diz a pesquisa que ouviu 900 cariocas entre 27 e 31 de julho.


Atropelou
Sem ouvir o presidente Michel Temer, mas consultando o ex-ministro Paulo Bernardo que luta para não voltar a cadeia, o presidente da Anatel, João Resende, defenestrou Rodrigo Zerbone da vice-presidência e indicou Igor Freitas, ex-protegido de Renan Calheiros.

 

Como um curinga

Após o mandato-tampão na presidência da Câmara, Rodrigo Maia pode ganhar ministério no governo Michel Temer. Mas, se ele preferir, poderá substituir André Moura (PSC-SE) na liderança do governo.

 

Boquinha petista

O ex-ministro Gilberto Carvalho arrumou uma boquinha na assessoria do senador Lindbergh Farias (PT-RJ). A nomeação deve sair nesta sexta-feira. Em comum, os dois têm o fato de serem investigados.

 

Oportunismo

Senadores debocharam da defesa estridente que a ex-inimiga Kátia Abreu fez de Dilma. Ex-filiada ao DEM, quando chamava Lula de bandido, ficou tão encantada com as delícias de ser ministra que virou amiga de infância da presidente afastada.


Fumaça branca
Eliseu Padilha (Casa Civil) encaminha a nomeação da nova diretoria do Banco do Nordeste. Os petistas arrumam as gavetas. Renan Calheiros (AL) e Eunício Oliveira (AL), ambos do PMDB, estarão representados.
 

Em João Pessoa...

O senador Cássio Cunha Lima (PSDB-PB) pediu a Ciro Nogueira (PP-PI) apoio à candidatura de Luciano Cartaxo (PSD), em João Pessoa. O governador da PB, Ricardo Coutinho (PSB), tenta melar a aliança.

 

Tá feia a coisa

Dos cartolas aos jogadores, todos parecem achar que os 7x1 foram um acidente, “apagão” do time do Felipão. Contra a modestíssima África do Sul, ontem, ficou claro outra vez que o futebol brasileiro escafedeu, é medíocre, vive só das glórias do passado e sem perspectivas de futuro.

 

Gabinada

A imprensa esportiva precisa urgentemente arrumar outro apelido para o jogador Gabriel, que bajula chamando-o de “Gabigol”. O apelido sugere a expectativa de algo que, na seleção, ele não consegue fazer.

 

Onze manés

O torcedor Paulo Cunha, de Brasília, matou a pau: “o Brasil jogou no estádio que leva o nome de Garrincha com onze Manés”.

PODER SEM PUDOR

A cuia e o governador

Alceu Collares era governador do Rio Grande do Sul, no início dos anos 1990, e provocou grande polêmica ao proibir o chimarrão durante o expediente, nas repartições. Naqueles dias, ele esteve em Brasília para uma audiência no Ministério da Agricultura e encontrou o deputado gaúcho Adão Pretto (PT) na ante-sala. Pretto, é claro, saboreava sua cuia de chimarrão e a ofereceu ao governador. Mas Collares a recusou com graça:

- Primeiros os encargos, meu amigo, e só depois os “amargos”...