Busque em todas as seções:
EDIÇÕES ANTERIORES: anteriores

Cláudio Humberto

ACESSIBILIDADE: A A A A
Claúdio Humberto 07/08/2016
Claúdio Humberto
ch@claudiohumberto.com.br
Cláudio Humberto

“O governo Dilma Rousseff foi delinquente e inconsequente”

Senador Ricardo Ferraço (PSDB-ES) sobre os crimes atribuídos à presidente afastada

 

Lula culpa Dilma pelo seu declínio e a ruína do PT

O ex-presidente Lula se assustou com a queda de popularidade no Nordeste, onde reinava absoluto. Ele constatou isso durante visita recente a Fortaleza, Natal e Recife. Ele aceitou participar de encontros privados, como o almoço oferecido pelo governador do Ceará, Camilo Santana, e nessas ocasiões criticou Dilma Rousseff asperamente. “Foi uma c(*)da!”, penitenciou-se, referindo-se à escolhida como sucessora.

 

Sabe da última?

A irritação de Lula com Dilma chega ao ponto de ele divertir os amigos, em conversas informais, com piadas grosseiras sobre a sucessora.

 

Destino certo

Lula pareceu “sobressaltado” no Nordeste, dizem os petistas. Várias vezes, à mesa, segredou a certeza de que será preso na Lava Jato.

 

Insulto tolo

Nas conversas com petistas do Nordeste, Lula também escolhe como alvo Sérgio Moro. Tentando desqualificá-lo, chama o juiz de “tucano”.

 

Falta explicar

Dirigentes do PT que estiveram com Lula no Nordeste afirmam que o ex-presidente não explicou as graves denúncias que pesam contra ele.

 

Temer se livra de herança petista na ex-CGU

Demorou, mas finalmente o governo Michel Temer se livrou de uma das heranças da era petista: o ex-secretário-executivo do Ministério da Transparência e Fiscalização (antiga CGU) Carlos Higino. No cargo, ele criou inúmeros embates na tentativa de enfraquecer o Tribunal de Contas da União, sobretudo após o TCU rejeitar por unanimidade as contas de 2014, do governo Dilma, o que impulsionou o impeachment.

 

Muso da leniência

Higino empenhou-se pelos “acordos de leniência”, que têm a oposição do MPF por preservarem empreiteiras que roubaram o País.

 

O ‘prato feito’

A ex-CGU foi acusada de usurpar a competência da AGU, afastando-a dos acordos, e de excluir o TCU, impedindo-o de fiscalizá-los.

 

Jogo de esconde

Teria sido ideia de Carlos Higino o mandado de segurança para impedir o acesso do TCU aos documentos dos acordos de leniência.

 

Escândalo do Galpão
Vive um inferno astral o ex-governador cearense Cid Gomes, que vive a expectativa da lista da Odebrecht. É acusado pelo procurador Oscar Costa Filho de enriquecimento ilícito por supostas fraudes em empréstimo de sua empresa Corte Oito Ltda no Banco do Nordeste.
 

Complicou

A Operação Lares que identificou fraudes no programa Minha Casa, Minha Vida, complicou a vida do governador do Acre, Tião Viana. O caso saiu da Polícia Civil e agora será investigado pela Polícia Federal.
 

Voando alto

São grandes as chances de o senador Ricardo Ferraço (ES) assumir a liderança do PSDB, em 2017. Disputa com o mineiro Antônio Anastasia, mas, se quiser, o capixaba será o escolhido.  

 

Novo rumo

O líder do governo na Câmara, André Moura (PSC-SE), garante que o impeachment será aprovado com tranquilidade. “O impeachment é a consolidação de um momento de mudança no país”, afirma.

 

Vaqueiro contundido

O líder do PMDB no Senado, Eunício Oliveira (CE), achou de domar um boi em sua fazenda e acabou fraturando quatro costelas. Agora reclama de dores, nas demoradas reuniões com líderes partidários.

 

Amante das artes

O ministro Geddel Vieira Lima (Governo) surpreende por seu apreço pelas artes. É um estudioso e conhece bem o mercado. Mas ele avisa: tudo o que tem é declarado ao Leão.

 

Dias contados
O líder do PP, deputado Aguinaldo Ribeiro (PB), tenta unir a bancada na Câmara, mas está difícil. Sua recondução em fevereiro é improvável, segundo avaliação do Palácio do Planalto.

 

Ainda a onça

A Comissão de Meio Ambiente discute em audiência pública proposta pelo tucano Ricardo Tripoli (SP), terça (9), na Câmara, a morte da onça Juma, em 20 de junho, após a passagem da tocha por Manaus.

 

Pergunta no Alvorada

Confirmada a condenação de Dilma, os funcionários da residência oficial, que não aguentam mais os seus gritos, poderão sambar à vontade?

PODER SEM PUDOR

O general inconfiável

Após deixar a presidência, o general Ernesto Geisel soube que sua própria segurança estivera envolvida em conspiração para matá-lo. O general que extinguiu o AI-5 reagiu com bom humor, assim como o general Golbery do Couto e Silva. O então chefe da Casa Civil contou a Elio Gaspari, em “A Ditadura Encurralada” (Cia das Letras, SP, 525 pp), por que jamais confiou no chefe da segurança de Geisel, tenente-coronel Germano Arnoldi Pedrozo:

- ...ele, depois de um dia de trabalho, ia para casa e ficava meia hora plantando bananeira, numa posição de ioga. Eu não confio em gente que faz essas coisas.