Busque em todas as seções:
EDIÇÕES ANTERIORES: anteriores

Cláudio Humberto

ACESSIBILIDADE: A A A A
Claúdio Humberto 01/10/2016
Claúdio Humberto
ch@claudiohumberto.com.br
Cláudio Humberto

Li um artigo me criticando pelo fato de eu falar bem o português”

Presidente Michel Temer, prometendo nunca mais usar a mesóclise

 

PSOL se alia a DEM e PSDB em 165 candidaturas

Nascido de dissidência do PT, o PSOL se orgulha de ser “de esquerda, socialista”, como diz a missão do partido, mas para aumentar a chance de eleição de seus candidatos, colocou a ideologia de lado e se aliou a partidos do lado oposto do espectro político. Apenas com o DEM, ex-PFL, de ACM Neto e Ronaldo Caiado, e PSDB de Aécio e Fernando Henrique Cardoso, o PSOL decidiu apoiar 165 candidaturas este ano.

 

Bom filho

A maior aliança do PSOL nas eleições deste ano é com o partido que o originou: a coligação com o PT tem 1.123 candidaturas pelo País.

 

Quase comunistas

Outros grandes aliados dos ‘psolistas’ são o PCdoB e o PCB. São 830 e 705 candidaturas coligadas, respectivamente.

 

PSOL com ‘golpistas’

O PSOL dá destaque à campanha “Fora, Temer” em todos seus meios de comunicação, mas se uniu ao PMDB em 96 candidaturas.

 

Unha e carne

O PSOL se coligou ao PPS, que fez forte oposição a Dilma e foi grande defensor do impeachment, para apoiar 238 candidatos este ano.

 

Herança de Dilma: uma Bolívia de desempregados

O IBGE anunciou nesta sexta-feira (30) os números do desemprego no Brasil, em 2016: oficialmente são 12 milhões de desempregados, equivalente à população da Bolívia. Quando foi afastada do cargo em maio, a ex-presidente Dilma Rousseff deixou ao sucessor Michel Temer o País com a economia destroçada e 11,1 milhões de pessoas sem empregos. Em apenas 4 meses, mais 800 mil ficaram desempregados.

 

Ritmo Dilma

Em fevereiro deste ano o IBGE apontou que o desemprego havia ultrapassado a marca dos 9,1 milhões; aumento de 42% em um ano.

 

Derrocada

Entre fevereiro e abril deste ano o Brasil perdeu mais de 2 milhões de empregos com carteira assinada, ainda sob o governo Dilma.

 

Acomodado não conta

O curioso é que a metodologia de pesquisas no Brasil só considera “desempregados” aqueles que procuram emprego e não acham.

 

PF enfurnada

A Polícia Federal trabalhou com discrição, nesta sexta-feira, vasculhando a sede de Furnas, empresa de energia subsidiária da Eletrobrás, alvo da operação Lava Jato, no centro do Rio de Janeiro.

 

Golpe ‘se colar, colou’

Ministros do Supremo Tribunal Federal reagiram entre irritados e irônicos à nova tentativa dos advogados de Dilma. “Eles já deveriam ter percebido que o Supremo não vai se meter no impeachment”, afirmou um dos mais experientes. O STF já mandou para o lixo 16 tentativas.

 

Políticos centenários

Segundo o Tribunal Superior Eleitoral, oito dos 496 mil candidatos nas eleições deste domingo têm mais de 100 anos de idade. Caso eleitos, outros três podem completar um século de vida durante o mandato.

 

‘Asterisco’, o livro

Dono de um dos textos mais admirados do Itamaraty, o diplomata Pablo Duarte Cardoso finaliza seu livro Asterisco – Como a CBF derrotou o futebol em 1987, sustentando que o Flamengo é hexa.

 

O dinheiro sumiu

O deputado Jerônimo Goergen (PP-RS) confirma a cobrança de candidatos municipais na maior pindaíba. “Está muito difícil”. A crise é provocada pelo fim do financiamento privado e campanha.

 

Tráfico nas eleições

O TRE-PB vai enviar tropas federais ao bairro “Mário Andreazza”, em Bayeus, onde os eleitores estão sendo ameaçados por integrantes do tráfico de drogas local, ligados a candidatos a vereador.

 

Bico feito

O vaidoso ex-líder tucano Carlos Sampaio (SP) gosta de fazer as unhas. Entre reuniões de bancada e o plenário da Câmara, o deputado frequenta salões em Brasília.

 

Urgência

O governo federal discutiu com aliados a votação do projeto que altera regras de exploração do pré-sal. Na primeira reunião no Alvorada, ficou acertado que “será resolvido na primeira semana de outubro”.

 

Fim da d. Dúvida

Dilma é sinônimo de dúvida: após a destituição definitiva, a confiança da indústria atingiu maior nível desde julho de 2014.

PODER SEM PUDOR

O puxadinho de Lacerda
A alegação de Waldir Pires, ex-ministro da CGU no governo Lula, que dizia ocupar ilegalmente um apartamento da Câmara para “zelar” pelo imóvel, lembrou a justificativa do ex-governador do Rio, Carlos Lacerda, ao cineasta João Batista de Andrade, no documentário “Liberdade de Imprensa”. Acusado de ocupar irregularmente a cobertura de seu prédio, no Flamengo, Lacerda alegou:
- Isto aqui era uma sujeira danada, montes de tijolos velhos, madeira podre com pregos, um perigo. Limpei tudo e construí o salão. Não ficou bonito?