Busque em todas as seções:
EDIÇÕES ANTERIORES: anteriores

Cláudio Humberto

ACESSIBILIDADE: A A A A
Claúdio Humberto 07/06/2013
Claúdio Humberto
ch@claudiohumberto.com.br
Cláudio Humberto

“Minha vida vem sendo vigiada”
Deputado Garotinho (PR-RJ), acusando o governador Sérgio Cabral de espionagem

Dilma tem baixo índice de demarcação de terras 
Em comparação com os últimos governos, desde a gestão de José Sarney, a presidenta Dilma foi a que menos demarcou terras indígenas. Levantamento do Instituto Sócio Ambiental aponta que, nos últimos 27 anos, das 340 terras declaradas, apenas cinco foram na era Dilma, o que equivale a 1%. O índice de homologação das áreas também é o pior dos últimos tempos: de 437, apenas 10 são do atual governo.

Primeiro do pódio
O ex-presidente FHC (PSDB) foi o recordista de demarcações. Em dois governos, declarou 118 e homologou 145. 

Redução
Já nas duas gestões do ex-presidente Lula (PT), o número foi menor. No total, foram declaradas 81 terras indígenas e homologadas 87. 

Gestões anteriores
Em dois anos de mandato, Fernando Collor homologou 112 áreas, seguido de 67 de José Sarney e de 16 do governo Itamar Franco. 

Me dá a chupeta
Vem aí o Código Penal do Berçário, após Dilma dizer que “no Brasil todos cumprem a lei, até o bebê”. 

Eros Grau: Genro deve pagar a concessionária
Em artigo, o ex-ministro Eros Grau, que integrou o Supremo Tribunal Federal, afirma que estradas objetos de contratos de concessão, no Rio Grande do Sul, só podem voltar ao governo Tarso Genro após este pagar o que deve à concessionária. E que a conta – mais de R$ 3 bilhões – deve ser repartida entre o governo gaúcho e o federal, donos das estradas e das responsabilidades nos contratos de concessão.

Avisa lá
Carochinha brasileira: estão atrasadas as obras do porto de Mariel, em Cuba, que já custaram US$ 682 milhões ao nosso BNDES.

Morto no caminho
Aviso aos vivos: contra tumultos, Fortaleza (CE) proibiu velórios no cemitério próximo à Arena Castelão, na Copa das Confederações.

Saindo do jogo
Está cada vez mais distante o sonho da ministra petista Ideli Salvatti (SC) de disputar reeleição ao Senado numa aliança PSD-PMDB-PT. 

Me índio...
O novo Código Penal mantém o artigo arcaico de que índios não “compreendem” a lei. Com laptops, carrões e celulares nas tribos, 8 em dez levariam bomba num teste antropológico sério de origem étnica. 

...you trouxa
Se  um índio for condenado, segundo o Código Penal, ficará impune, em regime semiaberto ou alojado em um órgão federal (a Funai, certamente) mais próximo da tribo, considerando sua “integração”. 

Welcome
A nova embaixadora dos EUA, Liliana Ayalde, foi alvo de “teoria da conspiração” de golpe contra o ex-presidente Lugo quando servia no Paraguai. Ela coordenou o Plano Colômbia, que despedaçou as Farc.

Quem inspirou
Peemedebistas suspeitam que a ministra Gleisi Hoffmann (Casa Civil) é a musa inspiradora da intervenção em 72 diretórios do partido, todos resistentes a apoiar a candidatura dela ao governo estadual.

Bolsa misteriosa
Além de doadores de campanha no interior, beneficiários do Bolsa Família aparecem em doação a Dilma Rousseff, em 2010. O Ministério do Desenvolvimento Social ainda não matou a charada para a coluna. 

Rei nu
Mensaleiro condenado no Supremo, o ex-ministro José Dirceu reagiu em seu blog contra as PECs do voto aberto na Câmara: “Se o eleitor tem direito ao voto secreto, seu representante também deve ter.” 

O padrinho
A GOL entrou na Nigéria e a nigeriana Arik Air quer entrar no Brasil, após uma “forcinha” de Lula no país africano. Já está de olho em grana do BNDES para comprar jatos da Embraer. O país é malvisto nos ares.

Mais espaço
Preterido no PMDB para cadeira de ministro, o deputado Leonardo Quintão recuou sobre ir para o PSB, onde o prefeito Márcio Lacerda já figura como cacique, e cogita se filiar ao PDT, aliado de Aécio Neves. 

Pensando bem...
...o dólar poderia cair e o Brasil subir do vexaminoso 22º lugar no ranking da Fifa.

PODER SEM PUDOR
A vingança do petista

Silvinho “Land Hover” Pereira era dirigente do PT e foi convidado pelo então ministro José Dirceu para auxiliar na escolha de nomes para integrar o governo Lula. Tinha muito poder, mas era desconhecido da equipe econômica no início da era Lula, de origem tucana. Certa vez, ele provocou uma reunião com o então presidente do Banco do Brasil para tratar de cargos inclusive no bilionário fundo de pensão Previ, mas Cássio Casseb não lhe deu a menor bola. Não o conhecia. Sílvio foi embora. Já estava na garagem do prédio quando foi alcançado por um sôfrego Casseb, já informado quem era ele. Mas Silvinho se vingou:
- Agora sou eu quem não quer falar com o senhor.
Entrou no carro e foi embora.
Acabaria envolvido no escândalo de corrupção do mensalão.
___
        Com Ana Paula Leitão e Teresa Barros 
www.claudiohumberto.com.br