Busque em todas as seções:
EDIÇÕES ANTERIORES: anteriores

Cláudio Humberto

ACESSIBILIDADE: A A A A
Claúdio Humberto 12/10/2016
Claúdio Humberto
ch@claudiohumberto.com.br
Cláudio Humberto

“É lamentável que ex-presidente vire colecionador de denúncias”

Deputado Rubens Bueno (PPS-PR), sobre a nova denúncia contra o ex-presidente Lula

 

Ações contra Lula podem dar 56 anos de cadeia

É grave a situação do ex-presidente Lula, denunciado pelo Ministério Público Federal em ações decorrentes de três investigações distintas. As acusações contra ele, somadas, preveem penas de até 56 anos de cadeia. Ele já foi indiciado por crime de obstrução da Justiça, na Lava Jato, corrupção passiva no caso do tríplex no Guarujá. O terceiro caso é de corrupção e lavagem em contratos da Odebrecht em Angola.

 

Os crimes de Lula

Lula é acusado de corrupção, tráfico de influência, lavagem de dinheiro, quadrilha, enriquecimento ilícito, exploração de prestígio e obstrução.

 

Pode piorar

Somadas, as penas podem exceder meio século de cadeia, mas há agravantes no Código Penal que podem elevar o tempo para 62 anos.

 

Julgadores

No caso do tráfico internacional de influência, Lula será julgado pela Justiça Federal do DF. O caso do tríplex, pelo juiz-herói Sérgio Moro.

 

Confisco

As penas pelos crimes dos quais Lula é acusado também preveem multas e até o confisco de bens, a depender do juiz e da sentença.

 

Apoio a Temer já é maior que ao impeachment

Na semana da maior vitória do presidente Michel Temer, o índice de apoio a seu governo na Câmara dos Deputados continua alto: 83%. Em 98 votações desde que assumiu a presidência, 430 deputados votaram com o governo em 50% das vezes ou mais; e 100 deles, menos de 50%. Após a PEC do Teto, o governo considera “leais” 380 deputados. O impeachment de Dilma recebeu o apoio de 367 parlamentares.

 

Petista quase aliado

O deputado Caetano (PT-BA) parece mais aliado de Michel Temer: votou 27 vezes em favor de matérias de interesse do governo.

 

Oposição no PMDB

O deputado Valdir Collato (SC), correligionário de Temer, comporta-se às vezes como se fora oposição: votou 19 vezes contra o governo.

 

Única exceção

O deputado Moisés Diniz (PCdoB-AC) foi o único que votou 100% contra o governo Michel Temer, quando apareceu: 14 vezes.

 

Surge uma data

A aposta em Brasília é que 9 de dezembro, Dia Internacional contra a Corrupção, seria data emblemática para eventual prisão de Lula, que o Ministério Público Federal chama de “chefe do esquema de corrupção”.

 

Medo de avião

A chegada de avião da Polícia Federal a Maceió, nesta terça (11), às 12h30, provocou a maior fofoca na cidade e noite insone de algumas consciências menos leves. A PF não divulga suas missões.

 

Zzzzzzzz...

A Casa Civil do Planalto passou o dia esperando, em vão, que o senador Renan Calheiros explicasse por que seu protegido e candidato a prefeito de Maceió, deputado federal Cícero Almeida (PMDB-AL), fugiu da votação da PEC 241, que limita gastança do dinheiro público.

 

Carteirada no aeroporto

Celso Russomanno (PRB-SP) se recusou a passar no raio-x, ontem, no aeroporto de Brasília. A polícia teve de retirá-lo do voo 6288 da Gol e submetê-lo a revista. A Câmara informa que deputados “não têm prerrogativa” que os dispense das regras de segurança de voo.

 

Onda vermelha

A reação negativa ao PT supera a positiva ao PSDB: em 2000, o PT conquistou seis das 26 prefeituras nas capitais e 22 municípios com mais de 200 mil eleitores. A vitória foi chamada de “onda vermelha”.

 

Onda azul

Em 2016, o PSDB já elegeu dois prefeitos e pode chegar a dez conquistas, no segundo turno. Nos municípios com mais de 200 mil eleitores, os tucanos já conquistaram 14 cidades e podem somar 33.

 

Água só brasileira

A turma que prepara a visita de Michel Temer a Goa, na Índia, sábado (15), também aconselhou o Planalto a levar estoque de água na viagem. O presidente vai a Goa participar de reunião dos Brics.

 

Boa ideia

A promotoria de Carutapera (MA) mandou ao prefeito “sugestão de proposta legislativa” criando regras de transição na gestão municipal, a serem respeitadas mesmo entre adversários. A ideia original é do procurador-geral de Justiça, Luiz Gonzaga Martins Coelho.

 

Pensando bem...

...os políticos poderiam aproveitar a tal Lei de Repatriação para trazer de volta a ética e a moral, “exiladas” há tanto tempo.

PODER SEM PUDOR

Tonca no beco sem saída

Candidato a prefeito de Olinda, o escritor Antônio Campos, o “Tonca”, irmão do falecido Eduardo Campos, caiu numa pegadinha do candidato Professor Lupércio (SD) com quem disputa o segundo turno. Num debate da Rádio Jornal, Lupércio perguntou o que Campos faria pelo posto de saúde do Beco da Marinete. O adversário prometeu recuperar os postos de Saúde de Olinda, e disse que conhecia o lugar. Na réplica, Lupércio tirou onda:

- Candidato, o senhor não conhece o Beco da Marinete. Lá não tem posto de saúde nenhum. “Tonca” saiu da saia justa dizendo que não era candidato a carteiro, mas a prefeito