Busque em todas as seções:
EDIÇÕES ANTERIORES: anteriores

Cláudio Humberto

ACESSIBILIDADE: A A A A
Claúdio Humberto 08/08/2013
Claúdio Humberto
ch@claudiohumberto.com.br
Cláudio Humberto

“Eu nem sei o que aconteceu”
Ministra Carmen Lúcia, presidente do TSE, sobre o repasse de dados a Serasa

Mercadante agora quer tomar o lugar de Mantega
Diante da decisão da presidenta Dilma em manter Gleisi Hoffmann na Casa Civil, só para não dar o braço a torcer à oposição, o ministro Aloizio Mercadante (Educação) já fala a aliados que deve assumir a Fazenda, onde Guido Mantega se segura como pode. No Planalto, há consenso de que Mantega enfrenta “desgaste natural” e não terá condições de permanecer por muito tempo à frente do ministério. 

Deixa poeira baixar
A queda o ministro Guido Mantega tem sido considerada inevitável, mas Dilma não quer ceder à pressão do mercado para mudar. 

Relação azedou
O ex-presidente Lula não gosta da idéia de Mercadante na Fazenda. Prefere o ex-presidente do Banco Central Henrique Meirelles.

O retorno
Também foi cotado para a Fazenda o economista Otaviano Canuto, que trabalhou com Antonio Palocci no ministério, em 2003. 

Em campanha
Candidata ao governo do Paraná, Gleisi Hoffmann convidou os trinta deputados do Estado para jantar ontem no Piantella, em Brasília.
 
TSE não pode se render ao ‘camelódromo’
O nebuloso episódio do acordo entre o Serasa e o Tribunal Superior Eleitoral, para repasse de informações cadastrais de 141 milhões de brasileiros, mostra a face “oficial” do Brasil “paralelo”, que viceja sem freio há anos: venda de dados sigilosos nas ruas do Rio e São Paulo até por R$ 30. Suspenso pela presidente do TSE, Cármen Lúcia, o repasse consagraria a ilegalidade que só põe na cadeia os camelôs. 

Big Brother
Não importam as justificativas para tal absurdo em nome da “lisura eleitoral”: é crime no Código Penal, com penas de um a 12 anos. 

Longo alcance
Braço da Federação dos Bancos, o Serasa foi alvo de CPI em 2003, por suposta sonegação de R $50 milhões, e conluio com a Receita.

Explica aí
Por que o Serasa quer saber o nome da mãe de quem votou?

Assessor do cadastro
Os ministros do TSE já sabem quem foi o autor do parecer que fez a corte ceder dados de eleitores ao Serasa. Trata-se de Sérgio Cardoso, a quem colegas atribuem talento extraordinário para bajular ministros.

Quem avisa...
O governador Geraldo Alckmin (PSDB) foi informado por setores da Inteligência paulista de que agentes penitenciários preparam greve na próxima semana, abrindo espaço para badernas dos bandidos do PCC.

Lendas brasileiras
Em visita à cidade mineira, conhecida pelo misterioso morador, Dilma elogiou o “ET de Varginha”, dizendo que o “respeitava”. Foi coerente: se consulta com Lula, respeita Mantega e jura que a inflação vai cair.

Vale o escrito
Entre milhares de aspones federais existe um Diretor de Comunicação da Área de Desenvolvimento da Secretaria de Comunicação Integrada da Secretaria de Comunicação Social da Presidência da República.

Dá samba
O Itaquerão, do Corinthians, ainda não está pronto, apesar do apoio luxuoso de Lula, mas vai ganhar desfile de escola de samba em 2014: o ministério da Cultura até já aprovou R$1,4 milhão em isenção fiscal. 

E o umbigo?
Lúcio Vieira Lima (PMDB-BA) critica os ‘pitacos’ do governador Jaques Wagner (PT-BA) sobre a troca de Mantega na Fazenda: “Olha quem fala, Wagner deveria ser o primeiro a sair. Isso é fogo amigo do PT”.  

Contra o tempo
Articuladores do Partido Solidariedade, do deputado Paulinho da Força (PDT-SP), entregaram à Justiça Eleitoral, na terça (6), mais 180 mil assinaturas para criação da sigla. No total, já são 500 mil assinaturas.  

Braços abertos
O vice-presidente Michel Temer se reuniu há dias com o ficha-suja Joaquim Roriz. O PMDB articula a volta dele ao partido para apoiar o vice do DF, Tadeu Fillippeli, a governador em 2014.  

Pensando bem...
...o Obama deve estar horrorizado com a “invasão de privacidade” dos eleitores brasileiros.


 

PODER SEM PUDOR

Árbitro da elegância
Luiz Inácio, o metalúrgico, melhorou de vida. Agora veste Armani e dá lições de elegância. Em Buenos Aires, no dia da posse do falecido presidente argentino Nestor Kirchner, Lula saía do hotel quando cruzou com o assessor de imprensa, Ricardo Kotsho:
- Você vai assim!?... – indagou o presidente, com cara de nojo.
- Como ‘assim’? – retrucou Kotsho.
- ...de sapato preto e cinto marrom!? – completou Lula, indignado.