Busque em todas as seções:
EDIÇÕES ANTERIORES: anteriores

Cláudio Humberto

ACESSIBILIDADE: A A A A
Claúdio Humberto 08/09/2013
Claúdio Humberto
ch@claudiohumberto.com.br
Cláudio Humberto

“Corrupção também se combate com mais educação e cidadania” 
Senadora Ana Amélia (PP-RS)

Inquérito contra Sabóia lembra ditadura militar
A presidenta Dilma reclamou quando o cubículo do senador boliviano na embaixada em Laz Paz foi comparado a cela do DOI-Codi, mas sua atitude de abrir inquérito contra o diplomata Eduardo Sabóia guarda semelhança com o autoritarismo do regime militar. É que pela primeira vez no Itamaraty, não-diplomatas tocarão o inquérito: dois servidores da Receita e um da Controladoria-Geral da União, que o presidirá. 

Ato de coragem
Então encarregado de negócios em La Paz, Eduardo Sabóia pôs fim, por razões humanitárias, a 452 dias de asilo do senador Roger Molina.

Contra a letargia
Sabóia não descumpriu ordens (não as tinha) e o Brasil não pressionou a Bolívia a expedir salvo-conduto, previsto na Convenção de Caracas.

Lendo a História
Consultando a História, para evitar erros, Dilma veria que em 1964 o chanceler Leitão da Cunha impediu militares investigando diplomatas.

Imaginação
Depois do Rede, surgem dois novos partidos “exóticos”: o Nacional Indígena e o Popular de Liberdade de Expressão Afrobrasileira. 

Caças dos EUA: moeda de troca na espionagem
É do jogo político: Dilma pode manter a visita de Estado a Washington, em outubro, ainda que não a satisfaçam as alegações do presidente Barack Obama sobre a espionagem dos seus telefones e emails. Dilma tem na manga os caças F-18 que os EUA querem vender ao Brasil, e não quer perder a disputa pelo assento permanente no Conselho de Segurança da ONU. O “degelo” pode ser bom para ambos os lados. 

Deixa como está
O “degelo” será costurado pelos canais diplomáticos dos dois países, após Obama prometer a Dilma que vai “investigar o episódio”. 

Amigo fronteiriço
Espionado pela Inteligência dos EUA, o presidente do México, Enrique Peña Nieto considerou “encerrada” a questão com seu maior parceiro. 

Sem saída
Quando contou piadas a Bush e ouviu de Obama que ele era “o cara”, Lula também era espionado, e antes dele até o finado Vargas o foi. 

Brinde à incompetência
Nem a crise diplomática tirou do Ministério das Relações Exteriores o apego a comemorações: antes de sair, o ex-chanceler Antonio Patriota reservou R$ 16,4 mil para comprar 500 garrafas de espumante Brut.

Sucesso
Que voto aberto que nada. O que causou alvoroço na Câmara esta semana foi o ensaio fotográfico de Maria Thereza Trad, irmã do deputado Fábio Trad (PMDB-MS), publicado na revista Playboy.

Setembro sangrento
Preocupados com pauta agitada de setembro no Congresso, policiais legislativos reforçam a segurança. Estão previstas votações de matérias envolvendo policiais militares, bombeiros e agentes de saúde. 

Foi por R$ 0,46
A Petrobras perdeu recurso no Tribunal Superior do Trabalho na ação de uma ex-funcionária porque depositou menos que os R$0,46 exigidos e contestou os centavos. Falta de atenção? De grana é que não foi.

Caso de polícia
Do deputado Fernando Francischini (PSDB-PR) sobre articulações de José Roberto Arruda e Joaquim Roriz rumo 2014: “Com tanto candidato respondendo por crime, só a polícia para dar jeito na eleição do DF”. 

Três porquinhos
Conhecida pela teimosia, a ex-senadora Marina Silva escuta orientações apenas de três fiéis escudeiros: Bazileu Margarido, João Paulo Capobianco e o assessor político Pedro Ivo. 

Boicote
O ex-governador Íris Rezende e a mulher, deputada federal Íris de Araújo, tem se recusado a participar das reuniões PMDB de Goiás, presidida pelo jovem deputado estadual Samuel Belchior, 33 anos. 

Corre-corre
O vice Michel Temer, o ministro Aloizio Mercadante (Educação) e os presidentes do PMDB, Valdir Raupp (RO), e do PT, Rui Falcão (SP), trabalham para concluir esta semana o mapeamento das eleições nos Estados, que deve ser apresentado ainda este mês a presidenta Dilma.

Reprise
Com denúncias de compra de votos e até de mortos votando na disputa pela presidência do partido, o PT enfim criou o Mensalão do B. 

PODER SEM PUDOR

Nos braços de Morfeu
Em seu primeiro mandato de prefeito de Gurinhém (PB), Jorge Ribeiro Coutinho adotou o saudável hábito de fazer uma “ronda administrativa” durante a madrugada, nos bairros da cidade, e sempre encontrava o único guarda municipal noturno, Antônio Minata, entregue ao que mais gostava de fazer: dormir. Certa vez, segundo relato do jornalista Heraldo Nóbrega, Minata apareceu na prefeitura para pedir um novo uniforme, e o prefeito foi à forra: entregou-lhe um pijama, cor cáqui.