Busque em todas as seções:
EDIÇÕES ANTERIORES: anteriores

Cláudio Humberto

ACESSIBILIDADE: A A A A
Claúdio Humberto 29/11/2013
Claúdio Humberto
ch@claudiohumberto.com.br
CLÁUDIO HUMBERTO

“Não há mais espaço para o obscurantismo”

Presidente da Câmara, Henrique Alves, sobre promulgação da PEC do Voto Aberto

Penúria livrou ANP de espionagem americana

Os espiões norte-americanos só não obtiveram dados preciosos sobre a exploração e produção de petróleo porque a Agência Nacional de Petróleo não tem verbas para criar um sistema informatizado de dados.

A informação é da própria diretora-geral da ANP, Magda Chambriard, que procurou membros da Comissão de Orçamento para apelar por mais verba em 2014 para construir um sistema seguro de informações.

Acabou bem

A pindaíba é tão grande na ANP que os dados são guardado em uma sala-cofre a prova de balas, o que acabou impedindo a espionagem.

Vale ouro

Considerado um dos maiores do mundo, o acervo da ANP contém dados geológicos, além de amostras e perfis de poços de óleo e gás.

Mal a pior

O estrangulamento orçamentário da autarquia, segundo a diretora, é tamanho, que tem prejudicado a fiscalização das atividades no País.

Quem ganha

Em contrapartida, Magda Chambriard diz já ter repassado, durante sua gestão, em torno de R$ 17,6 bilhões aos cofres públicos da União. 

Ministro flerta com a plateia, no caso dos planos

Após o desgaste no mensalão, o ministro Ricardo Lewandowski flerta com o populismo, no caso da poupança e planos econômicos, dando razão, no relatório, a quem reclama de perdas nos planos Bresser, Verão e Collor – que, ao tentarem acabar com a inflação, definiram descontos, preços e correção de forma arbitrária. Quem pode pagar a conta é o contribuinte, com menos crédito, desemprego e recessão.

Risco Brasil

Outro provável efeito do julgamento do caso da poupança e planos econômicos, no STF, será o rebaixamento da nota de risco do Brasil.

Rebordosa

Lewandowski sentiu a rebordosa do mensalão. No evento “Democracia Digital e Judiciário”, pediu até proteção pessoal para os magistrados.

Paixões políticas

Para Lewandowski, num caso que envolve política, mesmo atuando tecnicamente, o juiz se vê envolvido no turbilhão das paixões pessoais.

Temor

Empresários baianos afirmam, nos bastidores, que estão receosos de aparecer na lista de financiadores da campanha ao Senado da ex-ministra Eliana Calmon (PSB), que denunciou “bandidos de toga”.

Ligou as turbinas

O vice Michel Temer e o presidente do PMDB, Valdir Raupp (RO), vão intensificar conversas com o PT para tentar resolver o quanto antes as alianças estaduais. O partido quer realizar pré-convenção já em março.

Prioridade

Presidente do Solidariedade, o deputado Paulo Pereira tem promovido uma maratona de encontros regionais em São Paulo para tratar da estruturação de novos diretórios para fortalecer o partido no Estado.

Que juramento?

Militares questionam o silêncio do general Enzo Peri sobre a cassação da condecoração de Genoino. Perguntam se esqueceu do juramento de defender a honra e a integridade com o sacrifício da própria vida. 

Manobra

O deputado Simplício Araújo (SDD-MA) tentará barrar na Justiça a indicação do vice-governador Washington Oliveira para assumir vaga no Tribunal de Contas do Maranhão, como deseja a família Sarney.

Não confirmou

Eduardo Suplicy (PT-SP) declarou ao portal Diário do Poder que “todas as pessoas do PT” com quem conversa são favoráveis à sua reeleição em 2014. “Estou à disposição do partido”, disse. O senador disse até que é apresentado como candidato, mas o partido não confirmou nada.

Lobby estrelado

O hotel St. Peter, gerenciado pelo ex-ministro José Dirceu, não precisa mais de classificação de qualidade. Suas estrelas serão contadas pelo número de petistas mensaleiros em seu lobby.

  Dois pesos

Um dia antes das prisões dos mensaleiros, a Justiça negou prisão domiciliar a Ronaldo Guimarães, portador de infecção bacteriana na prótese da valva cardíaca aórtica, com refluxo sanguíneo, por entender que poderia ser tratado no Complexo da Papuda. Já José Genoino...

Pensando bem...

...se antes ele era um Genoino preso em casa, na cadeia será um preso Genoino.

PODER SEM PUDOR

Todos calçam 40

Servidor aposentado, Dalvo atuou até como ator, no papel de pai do personagem vivido por Fábio Júnior no filme “Bye, bye Brasil”, de Cacá Diegues, porque sua cidade, Piranhas (AL), foi cenário do filme. Dalvo se desiludiu com os políticos, carregando na ponta da língua sua resposta diante de um pedido de voto: “Todo político calça 40!”

- Mas eu calço 39 – tentou o deputado estadual Gervásio Raimundo.

- Você calça 39 antes da eleição – reagiu Dalvo, na bucha – Se for eleito, pode trocar de sapato...