Busque em todas as seções:
EDIÇÕES ANTERIORES: anteriores

Cláudio Humberto

ACESSIBILIDADE: A A A A
Claúdio Humberto 13/12/2013
Claúdio Humberto
ch@claudiohumberto.com.br
Cláudio Humberto

“Pessoas jurídicas somente deveriam contribuir para fundo partidário”
Senador Eduardo Suplicy (PT-SP) discursando contra doações privadas a campanhas

Contra Lula, Dilma quer substituir ministros já
Apesar da pressão do ex-presidente Lula para manter nos cargos os ministros candidatos até março, a presidenta Dilma está ansiosa para promover uma reforma ministerial entre 20 de dezembro e 15 de janeiro. Ela está irritada com ritmo lento dos ministros, preocupados demais com suas campanhas, e planeja substituí-los o quanto antes, até para ter o que mostrar em sua própria campanha à reeleição. 

Deixa ele
A pressão maior de Lula é por Alexandre Padilha (Saúde). Acha que prolongar sua permanência é vital para a disputa pelo governo paulista. 

Todos iguais
Partidos aliados cobram “isonomia” de Dilma: querem que seus ministros fiquem nos cargos até março, como os do PT. 

Boquinha
Na expectativa de faturar ministérios, PTB e PROS, dos irmãos Cid e Ciro Gomes, pressionam por imediata reforma ministerial. 

Alvo de cobiça
O PMDB também não vê a hora de ver a posse ao senador Vital do Rêgo (PB) na Integração, também cobiçado por PT, PTB, PP, PROS... 

PT aposta no ‘propinoduto’ do metrô contra PSDB
O governo Dilma aposta que as denúncias sobre esquema de corrupção dos trens de São Paulo vão gerar desgaste eleitoral maior ao PSDB do que o “mensalão tucano”, a ser julgado em 2014 pelo Supremo Tribunal Federal. Na avaliação do Palácio do Planalto, além do fator “novidade”, o escândalo atinge em cheio o núcleo duro do PSDB, incluindo governador Geraldo Alckmin e antecessor José Serra. 

Saiu ofuscado
Denúncias do “propinoduto” paulista tiraram do noticiário o mineiro Eduardo Azeredo (PSDB), estrela do “mensalão tucano”.  

Mangalô
Não é maldade do calendário: hoje é sexta-feira 13, de 2013, combinação numerológica que assombra petistas supersticiosos.

Cara lisa
No final do seu segundo governo no Rio, Sérgio Cabral (PMDB) culpou as “décadas de abandono” pelas enchentes na Baixada Fluminense.

Lula em campanha
Horas antes da convenção, ontem, em Brasília, o PT já incomodava centenas de trabalhadores das duas torres do centro empresarial Brasil 21, com um carro de som tocando loas ao ex-presidente, incluindo a musiquinha “Lula lá”. E sem qualquer referência à reeleição de Dilma.

A banca do distinto
À espera do trânsito em julgado da pena no mensalão, o ex-presidente da Câmara João Paulo Cunha aproveita a mão aberta do contribuinte: já gastou R$ 62 mil em cota parlamentar após a sentença, em agosto.

Explica, ministro
Entre as medidas dos ministros José Eduardo Cardozo e Aldo Rebelo está a criação de uma “câmara técnica” no Ministério da Justiça para combater a violência nos estádios. Igual àquela que Cardozo extinguiu em 2011, em decisão que até hoje ele enrola, enrola, e não explica.
 
Sinal vermelho
Brasil, Indonésia e África do Sul estão no mapa de risco de investidores estrangeiros por possíveis medidas populistas após as eleições nesses países, segundo aponta mapa da consultoria inglesa Maplecroft.

Água no chope
Alemães da Volks ainda não entenderam a piada: a Kombi teve de sair de linha no Brasil por falta de airbags e freios ABS – itens de segurança que o governo agora dispensa para “não encarecer” as carroças.

Pela hora da morte
Referência em planos de saúde “top”, a Casa de Saúde São José, no Rio, tem camas com ferrugem, lençóis furados e cobertores fedidos. “Sem fins lucrativos”, recebe incentivos e isenções do governo. 

Instinto primitivo
O Conselho Nacional de Justiça recomendou rigor na fiscalização da presença de crianças nas cidades-sede da Copa. Quanto a animais em estádios com barras de ferro, só mesmo consultando o Ibama. 

Direitos dos animais
A pedido do PV, o presidente da Câmara, Henrique Alves, autorizou a criação de comissão especial para elaborar marco sobre direitos dos animais. Hoje, 550 projetos sobre o tema tramitam Casa. 

Pensando bem...
...o ministro Guido Mantega criou a “economia Frankenstein”: além das “duas pernas mancas” que citou, tem cabeça avariada e língua presa.

PODER SEM PUDOR
Gesto inusitado

Num país onde autoridade não pede demissão, Segadas Vianna o fez. Ministro do Trabalho de Vargas em 1953, avisou que derrotaria a greve dos marítimos com a lei que considerava deserção faltar ao trabalho. João Goulart foi contra e convenceu Getúlio. Segadas não titubeou:
- Se a opinião dele é tão importante, faça-o Ministro do Trabalho.
Pediu o boné em seguida.