Busque em todas as seções:
EDIÇÕES ANTERIORES: anteriores

Cláudio Humberto

ACESSIBILIDADE: A A A A
Claúdio Humberto 16/01/2014
Claúdio Humberto
ch@claudiohumberto.com.br
Cláudio Humberto

“Vai ter que explicar por que não assinou meu mandado de prisão”
Deputado mensaleiro João Paulo Cunha (PT-SP), voltando a desafiar Joaquim Barbosa

Governo bate recorde nos gastos com cartões
O dinheiro torrado em 2013 com cartões corporativos do governo federal ultrapassou os R$ 61 milhões e estabeleceu o novo recorde do mandato de Dilma Rousseff, segundo o Portal da Transparência. Como sempre campeã, a Presidência da República gastou R$ 18,6 milhões, mas 95% do total são mantidos sob sigilo sob a alegação de “garantir a segurança”, por isso não são detalhados no Portal da Transparência.
 
Sem miséria

Se fosse ministério, Agência Brasileira de Inteligência (Abin) estaria em empate técnico com a Justiça. Gastaram mais de R$ 11 milhões cada.
 
2014 promete
Se a história se repetir, governo vai estourar os limites este ano. O ex-presidente Lula torrou R$80 milhões em 2010, ano da eleição de Dilma.
 
Pontuação máxima
Campeão de uso de cartão do governo foi o servidor Bruno Schettino com mais de R$ 105 mil gastos em churrascarias, pizzarias, flores etc.
 
Dinheiro vivo
Raul Mourão, outro servidor do governo, sacou R$ 9.170 na boca de caixas eletrônicos, para despesas de “pequeno vulto”.    

PSDB já ameaça retaliar Eduardo em Pernambuco
Caso Eduardo Campos lance candidato do PSB/Rede ao governo de São Paulo, nos bastidores, o PSDB ameaça retaliar com a candidatura do deputado tucano Daniel Coelho ao governo de Pernambuco. Bem votado para prefeito e opositor declarado de Eduardo Campos, Daniel Coelho é jovem, bom de discurso, tem ficha limpa e detesta a ideia de fazer parte da base de apoio do atual governador de Pernambuco.

Águas passadas
Lula tem mais que a questão “Rose” para manter-se calado: advertiu em 2008 que trabalhador deveria consumir para “não perder emprego”.
    
Além da vida
Ironia no slogan da Caixa no Twitter: “A vida exige que um banco vá além.” Mas não precisava exagerar no caso da poupança surrupiada.

#Desaforos
Antes de admitir sua aposentadoria, a deputada distrital Arlete Sampaio (PT-DF) já revelava impaciência com o eleitorado, nas redes sociais.

Ricas boquinhas
Dilma recebeu Michel Temer, segunda (13), com a lista dos cargos do PMDB. Como aquele ocupado por Sérgio Machado, apadrinhado de Renan Calheiros e agarrado à presidência da Transpetro há 11 anos. 

O troco
Em pé de guerra com a presidenta Dilma, que lhe negou o sonhado Ministério da Integração, o senador Vital de Rêgo (PMDB) ameaça apoiar o senador tucano Cássio Cunha Lima ao governo da Paraíba. 

Já era
Ademir Wiederkehr, da Contraf, entidade de “trabalhadores do ramo financeiro”, é contra devolver a “participação nos lucros” de servidores da Caixa, engordada com R$ 719 milhões surrupiados de poupadores.

Outras modalidades
Além de Nado Sincronizado com Lixo, na baía da Guanabara, o leitor Marcos G. Fraga sugere outras modalidades, nas Olimpíadas 2016: Saltos Orçamentários, Arremesso de Preço e Superfaturamento 4x100.

Cabeleira
Nem mesmo os amigos mais chegados do senador Renan Calheiros (PMDB-AL) o poupam de críticas e ironias, por usar jato da FAB para ir ao Recife dar um tapa no visual. Chamam-no agora de “Cabeleira”.

No pasáran
Cuba negou visto ao excelente Fábio Pannunzio, jornalista da Band, para a cobertura da viagem de Dilma, fim do mês. Crítico da ditadura comunista, diz em seu blog que “foi grande o prejuízo profissional”. 

Pergunta no STF
Joaquim Barbosa declarou transitada em julgado a sentença de João Paulo Cunha (PT-SP), e saiu de férias. Por que seu substituto, ministro Ricardo Lewandowski, não assina o mandado de prisão do meliante? 

‘Cafeteria’ CH
Doida por cafezinho, a coluna confundiu o filtro Nº2 com o filtro 102 da Melitta, com um centímetro a mais. A empresa mantém o padrão de qualidade, ao contrário de outras que voltaram a maquiar produtos.

Pensando bem...
...Lula socializou o governo e “privatizou” Rosemary Noronha. 

PODER SEM PUDOR
Visita indesejada

Dia 1º de abril, “day after” do golpe de 1964. Às 9h, um carro preto entra na sede do então IV Exército, no centro do Recife. Falam de dentro do carro:
- Sou Celso Furtado, superintende da Sudene, e desejo me inteirar dos últimos acontecimentos do País.
- Doutor Celso – responde um oficial – eu sei quem é o senhor e tenho certeza de que as pessoas aqui não têm qualquer intenção de lhe colocar a par dos acontecimentos. Por favor, volte para a sua Sudene e aguarde lá. Vai ser melhor para o senhor e para mim.
Furtado tratou de ir embora devagarinho.