Busque em todas as seções:
EDIÇÕES ANTERIORES: anteriores

Em Questão

ACESSIBILIDADE: A A A A
Décio Bragança 23/03/2014
Décio Bragança
deciobraganca@yahoo.com.br
Em Questão

EM QUESTÃO

Professor Décio Bragança Silva

decio.braganca@uniube.br

 

SINAL - A linguagem é a base para todas as disciplinas, por isso conhecida como “disciplina instrumental.” A leitura constitui uma fonte de crescimento pessoas, tanto afetivo como intelectual e/ou profissional. A leitura nos proporciona ampliar e diversificar nossos propósitos e intenções, porque nos permite viver e criar situações de enriquecimento linguístico e melhoramento de nossas relações com a gente, com os outros homens, com todos os seres e com Deus. Um texto não traz consigo seu significado. O significado de um texto é dado pelo leitor, com base na sua competência de leitura, de interpretação.

 

SIGNO - Não há método para uma pessoa aprender a ler e a compreender o que leu. Isso faz parte de um processo, ou projeto individual, pessoal, intransferível, insubstituível. A única contribuição que alguém possa oferecer é mostrar como um texto é feito, por que um texto é feito, para quem um texto é feito, quando e onde um texto é feito. Ler e interpretá-lo é “PROBLEMA” do leitor, ou falta de competência dele. Como adquirir competência? No caso da leitura, posso assegurar que a competência linguística é a prática. Quanto mais se lê, mais se está apto para ler mais e melhor, interpretar mais e melhor. Anteriormente, afirmei que a leitura de textos tem caminhar junto com a leitura de mundo, das coisas do mundo, para que principalmente os textos tenham sentido.

 

SIGNIFICANTE - Você deve conhecer alguns tipos humanos chamados de analfabetos passivos – aqueles que não sabem nem ler textos, nem ler o mundo e as coisas do mundo; analfabetos sábios – aqueles que não sabem ler textos, mas leem o mundo e as coisas do mundo com curiosidade, conhecimento e sabedoria incomuns; alfabetizados úteis – aqueles que só sabem ler palavras sem nenhum sentido, soletram ideias, não buscam interpretá-las, não têm interesse de nada saberem, mas fazem parte das estatísticas dos alfabetizados; alfabetizados ativos – aqueles que aprenderam a ler o mundo e as coisas do mundo, e a leitura de textos passou a ser quase que uma consequência natural, apesar de seu esforço, persistência, do meio em que vive. O ambiente também tem de ser estimulador de leituras.

 

SIGNIFICADO - Vamos conversar, a partir de agora, só com a alfabetizados ativos, iguais a você. Você sabe que aprender a ler é um processo sem fim. Sempre se estará aprendendo a ler e a compreender diferentes tipos de textos. Nesse processo,  haverá sempre “adaptações” de seus conhecimentos às características de um texto. Veja, como você, leitor, é importante! Um texto, sem você, é simplesmente um amontoado de palavras. Um texto técnico, altamente especializado num assunto, só terá sentido se o leitor for também altamente especializado no mesmo assunto.

 

SÍMBOLO - Se você, hoje, for a um Congresso Internacional de Pneumologia e não tiver domínio da língua inglesa, bobagem! Perdeu seu tempo! E mais, se você não dominar profundamente a pneumologia, segunda bobagem! Perdeu seu tempo novamente! Isso para dizer que na medida em que você vai se aperfeiçoando, vai estudando cada vez mais, o seu universo vocabular também vai crescendo, como vai crescendo a sua visão de mundo, das pessoas e das coisas deste mundo. Esse processo, porém, é lento e muito trabalhoso. Exige muita atenção, retenção, evocação, comparação, raciocínio, análise, reflexão de sua parte. Em ciência, não há luzes do Divino Espírito Santo. Você vai reconstruindo o significado do texto e do mundo, segundo seus objetivos, propósitos, intenções e interesses. Na leitura e interpretação, tudo, absolutamente tudo depende de você!

 

DENOTAÇÃO - Desde muito cedo, ainda bem criancinhas, a gente experimenta o mundo com a curiosidade e observação, interpretando e atribuindo sentido aos seres, objetos, ações, situações que nos rodeiam. Vamos brincar um pouco com as palavras. As palavras têm um sentido denotativo e um sentido conotativo. A denotação é o sentido dicionarizado, real, verdadeiro, convencionado, aceito, acordado entre as pessoas. Aliás, essa é a função do dicionário. No início, temos acesso à denotação. Assim, mesa só pode ser mesa. Copiando do Aurélio: “1. Móvel, comumente de madeira, sobre o qual se come, escreve, trabalha, joga, etc. 2. Conjunto do presidente e secretários de uma assembleia. 3. A alimentação, o passadio, o sustento. 4. O conjunto dos que estão à mesa para a refeição. 5. Quantia fixa ou cumulativa de apostas, em certos jogos de azar. 6. Designação comum a várias repartições pelas quais está dividido o serviço de alfândegas. 7. Grade ou altar para comunhão. 8. Sessão de catimbau ou feitiçaria. 9. Estrado de madeira, pentagonal, que constitui a parte principal de um carro de bois. 10. Lugar onde caem frutos silvestres procurados pela caça. 11. Camada horizontal limitada por todos os lados por escarpas em geral abruptas. 12. Cerimônia inicial da macumba.” Veja o linguista e dicionarista Aurélio Buarque de Holanda Ferreira conseguiu “selecionar” 12 sentidos para a palavra mesa, no sentido estritamente denotativo.

 

CONOTAÇÃO - Pois é, agora, podemos usar a mesma palavra mesa com o significado, sentido figurado, metafórico, criado por quem escreve – o sentido conotativo. Assim mesa poderá não ser mesa. Como se faz isso? Por comparação, por associação de ideia, por perífrase (um conjunto de palavra para significar uma coisa só), pelo uso da liberdade de criar simplesmente. A partir daí, você, eu, quem quer que seja poderá criar, construir expressões, como: A mesa de Roma, A mesa da presidência, A mesa do senado, A mesa da câmara, A mesa da prefeitura. Até aqui a palavra mesa foi usada com o significado de poder, mando, comando, desmandos, rusgas, falcatruas, acordos.

 

POLISSEMIA - Podemos usar a palavra mesa com outros sentidos. Por exemplo: A mesa farta = a riqueza, a opulência, a ostentação, o desperdício, o abuso, o luxo, a gula; A mesa de pé de galo = mesa de um único pé, que se alarga junto à base (observe-se que aqui mesa é mesa, o galo é que não galo); Estar à mesa = estar almoçando, jantando, lanchando; Botar a mesa, pôr a mesa = o mordomo, a cozinheira, o garçom preparar as refeições e servir os convivas, os comensais; Botar na mesa, pôr na mesa, colocar na mesa = trazer um assunto para ser discutido às claras qualquer problema, qualquer assunto; Levantar a mesa, tirar a mesa = o mordomo, a cozinheira, o garçom tirar os alimentos da mesa (observe-se que nenhum dele levanta, ergue, tira a mesa. Aqui, levantar não é levantar); Virar a mesa = irar-se, ficar irado, botar todo mundo para correr, não aceitar acordos, colocar questões, problemas, falcatruas à mostra de todos; Mesa de rendas = repartição pública onde se pagam os impostos, direitos e outros emolumentos; Mesa redonda = reunião de pessoas versadas num mesmo assunto que discutem, refletem, deliberam em pé de igualdade sobre o assunto; Mesa sagrada = altar, para os católicos, onde se reza, ou celebra a santa missa; Mesa vazia = solidão, abandono, ermo; ou ainda carência de alimentos, de víveres e as pessoas com muita fome, muito apetite.