Busque em todas as seções:
EDIÇÕES ANTERIORES: anteriores

Em Questão

ACESSIBILIDADE: A A A A
Décio Bragança 20/07/2014
Décio Bragança
deciobraganca@yahoo.com.br
Em Questão

BIG BANG - No dia 19 de julho de 1969, aconteceu, talvez, uma das maiores aventuras humanas: o homem chega à lua. Lembro-me até hoje das palavras do astronauta norte-americano Neil Amstrong (1930 – 2012), ao dar o primeiro passo em solo lunar: “Um pequeno passo para o homem, um grande salto para a humanidade.” Na época, muitos duvidaram da aventura, alegando que as imagens tinham sido feitas em algum deserto nos EUA; outros criaram mil sonhos, pensando até em passar sua lua-de-mel na lua. O fato é que a ida do homem à lua provou e comprovou que os seres homens são capazes de avançar e progredir no campo das ciências e das tecnologias. 

SPUTNIK - Em 1957, a URSS havia lançado o primeiro satélite artificial. Em 1961, a mesma URSS lançou o primeiro ser humano ao espaço, Yuri Gagarin, dando a volta completa na Terra. Na época, tempos da guerra fria, os dois lados: a então URSS – União das Repúblicas Socialistas Soviéticas – e os EUA – Estados Unidos da América – queriam mostrar e demonstrar aos outros países o seu poder, a sua hegemonia e supremacia. Era muito mais uma guerra ideológica entre capitalismo e socialismo. Para os Estados Unidos foi uma afronta quando foi colocado o Sputnik I em órbita da Terra – o que colocava o planeta de sobreaviso, sob uma ameaça de destruição, já que o satélite poderia atingir qualquer parte do planeta com suas ogivas nucleares, criando um clima de medo e terror. 

PROJETO APOLLO - O presidente norte-americano John Kennedy (1917 – 1963) começou a dar o troco. Foram vultosas quantias dos dois lados. E para quê? Por que, depois do fim da Guerra Fria, não quiseram mais ir à lua? A ida à lua foi uma alucinação? Uma loucura? A bandeira norte-americana foi fincada em solo lunar. Isso significa que a lua é dos Estados Unidos, como fizeram os portugueses ao chegarem ao Brasil? O que pensam os astronautas? Inclusive o nosso astronauta brasileiro? Quais os benefícios para a humanidade? Foi uma irresponsabilidade? Quem lucrou com tudo isso?  Para que serviu o projeto Apollo? Hoje, está em órbita a Estação Espacial Internacional, avaliada em 100 bilhões de dólares. E para quê? Sempre que falo ou escrevo sobre estrelas, astros, planetas, satélites, corpos celestes e celestiais, lembro-me do filme de Stanley Kubrick (1928 – 1999): “2001 – uma odisseia no espaço”, feito em 1968. O filme se trata de uma viagem imaginária ao planeta Júpiter. 

GUERRA FRIA - A verdade é que a Guerra Fria provocou uma alucinação coletiva no mundo, uma corrida tecnológica jamais vista e/ou vivida. A chamada “indústria espacial” norte-americana, na época, mobilizou mais de 300 mil pessoas e mais de 20 mil empresas. A partir daí, 12 astronautas norte-americanos pisaram a lua, de onde trouxeram aproximadamente 400 quilos de pedras do solo lunar. O interessante é que a descoberta de água em solo lunar foi feita por uma sonda, Clementine, em 1994. Será que a lua não poderia ter sido transformada numa Estação Espacial em vez de ter gastado bilhões de dólares numa artificial? Claro, eu não entendo absolutamente nada. Só sei perguntar, duvidar, interrogar, inquirir, ser o advogado do diabo! Não faço parte nem assumo a famosa Teoria da Conspiração – o que ainda me é absurda! 

GUERRA ESPACIAL - A verdade é que após anos de muita pesquisa e muito investimento foi atestada a presença de água – hidrogênio – no planeta Marte – sinal de vida. No mínimo, Marte poderá servir de plataforma para futuras explorações e descobrimentos, além, é claro, coleta de amostras do solo. A imprensa sempre alarmista e sensacionalista e apocalíptica – porque isso lhe traz dividendos – vez e outra anuncia a queda de um ou outro corpo celeste na superfície da terra, destruindo cidades, países e até o planeta, às vezes, até decretando o fim da humanidade. Vivemos sob o impacto das profecias de Nostradamus (1503 – 1566). Até quando Nostradamus? Um eclipse já é motivo de alarde. 

TIRAR PROVEITO - Tenho um amigo escultor que brinca dizendo que para ele não há motivo maior de faturar quando se fala em guerra, em desastre, em destruição, porque as pessoas o procuram para fazer imagens dos muitos e diferentes santos de suas devoções. Lembra que no ano de 1999 foi o melhor ano de faturamento, porque diziam “1000 passará, mas 2000 não chegará!” Hoje, todos nós sabemos que um eclipse não pode assustar tantas pessoas como na Idade Média, ou tempos mais remotos ainda. Qualquer criança consegue entender, por exemplo, um eclipse solar: a lua se coloca entre o sol e a terra. O que há de tão perigoso nisso? O problema é que sempre associamos o movimento dos astros como castigo de Deus, ou a alguma profecia maluca. Falar de fim de mundo fatalmente traz muitos lucros a quem o apregoa. Observe as muitas religiões que ameaçam com o fogo do inferno, com o fim do mundo, com o alinhamento de planetas! 

O PASSADO - Dirão alguns: mas há mais ou menos 65 milhões de anos não houve um choque de um asteroide com terra, decretando a era dos dinossauros? Os astrofísicos e cientistas nos tranquilizam afirmando ser zero a possibilidade de um novo choque com aquele, pelo menos nos próximos séculos. Só que fazemos questão de não acreditar nos cientistas, matemáticos e astrofísicos. A humanidade, em geral, ainda acredita nessa colisão. Todos os astros, todos os dias, são como que bombardeados por tantos outros pequenos corpos do universo – o que é absolutamente natural. No caso da Terra, esses pequenos corpos se desintegram ao entrar na atmosfera. Isso não significa que a humanidade não deva se prevenir sempre, aqui e agora. “Prevenir é melhor do que remediar”.  Em situação “cósmica”, prevenir significa antever uma catástrofe. Para tanto, será preciso muitos investimentos. 

NO JAPÃO - Uma catástrofe prevista poderá salvar muitas vidas humanas, como o fazem os japoneses com seus tsunamis, terremotos, tempestades, furacões, maremotos... Até a construção de casas e edifícios têm normas específicas e próprias lá.  Ainda há muitos segredos cósmicos para serem desvendados pelos cientistas, como, por exemplo, os famosos buracos negros. O que há neles? Nada? Tudo? Por que é dito que os buracos negros sugam todo o lixo cósmico? O que é lixo cósmico? Se tudo é sugado, o que acontece com essa quantidade imensa de matéria? Isso significa que os buracos negros estão sempre em processo de crescimento? O que é feita com tanta energia? Sabe-se somente que todos os astros são grandes usinas de produção de energia. E esses astros e estrelas podem parar de produzir energia? É possível a implosão de uma estrela? É possível a explosão de uma estrela, produzindo um novo Big Bang?