Busque em todas as seções:
EDIÇÕES ANTERIORES: anteriores

Em Questão

ACESSIBILIDADE: A A A A
Décio Bragança 07/12/2014
Décio Bragança
deciobraganca@yahoo.com.br
Em Questão

JEITO DE SER - No ser humano, tudo lhe é amontoado, acumulado. A emoção necessariamente não paralisa a fala de um orador. O efeito pode lhe ser melhor! A paixão necessariamente não produz o delírio. A antipatia, a simpatia, a empatia e o amor próprio necessariamente não nos conduzem ao erro. A inteligência e a razão não podem ser hostis à afetividade e a ternura. Os homens da ciência, da arte e do ensino não podem indiferentes aos homens do povo, da feira, das favelas, dos analfabetos. O trabalho, o emprego, a cultura não são necessariamente preservativos e derivativos da ociosidade, da paixão, da honestidade. Há trabalhadores honestos, como há preguiçosos honestos. A honestidade não é privilégio de quem estudou, de quem amou, de quem é juiz, de que é presidente, nem de quem é pobre, ou miserável. Os sentimentos não têm essa racionalidade que gostaríamos que tivessem.

 

EMOÇÃO PURA - Somos filhos de Deus, sim, mas não temos, como pensamos, o poder de tudo controlar, de tudo saber, a liberdade de fazer o que nos dá na telha. Muitos atos humanos são involuntários. Muitos deles derivam da paixão e do hábito. As pessoas mais inteligentes nem sempre são as mais espertas, mais destemidas, mais ousadas. “O que dói em José, nem sempre dói no Mané” – “O que é bom para João, nem sempre é bom para Rubião” Em cada um dos homens tudo é filtrado diferentemente. Não há muitas vidas, senão uma só, cujos diversos seres são inteiramente associados.

 

AMANTES - A humanidade é constituída pela unidade de ação dos homens e das mulheres. A vontade, a paixão, o prazer e a dor podem traduzir-se na atividade de cada um. O pensamento, a ideia e a imaginação têm também sua expressão nos gestos, nas palavras, nos desenhos de cada um.  Homens e mulheres, porque animais, têm por finalidade principal a conservação do indivíduo e da espécie.   

 

NADA NOS FALTA - Para facilitar o entendimento das organizações e do poder, também é possível entender seus pecados e virtudes separadamente, mesmo que tanto os pecados e quanto as virtudes convivem, coexistem na mesma organização e poder. A “alma” das organizações e do poder são seus atos e modificações, missão e função, depois de determinados suas características, origem e destino. O princípio pensante é o ser que no poder e nas organizações sente, conhece, opera, programa, delibera, determina.

 

ESTUDOS PRELIMINARES - Sem uma filosofia organizacional – princípio pensante – não há destino, porque não há responsabilidade dos atos e das ações do todo, do empreendimento. O princípio pensante a filosofia organizacional – existe para engrandecer o homem, suas qualidades e inteligência, impulsionando-o rumo à liberdade e à felicidade – destino do homem e da humanidade. Uma filosofia organizacional clara, objetiva, explícita é a glorificação viva do trabalho e esforço do homem.

 

ATÉ PARECE - Os caminhos e os atalhos, por que passa o poder e as organizações, são observáveis e passíveis de descrição, podendo ser inclusive previstos. Todo empreendimento é um reino de corpos organizados, de pessoas comunicativas que produzem fenômenos e experiências conscientes, isto é, atribuídos a cada um, a um EU íntimo, pessoal, indivisível, irrepetível, intransferível, permanente, idêntico a si mesmo. O EU é uma síntese, queiramos ou não, de todas as dores e prazeres, sensações e excitações musculares e elétricas de todos os membros.

 

PAVOR E ÊXTASE - O gerenciamento de uma grande empresa é mais fácil, muitas vezes, do que uma pequena, porque na grande (+ de mil empregados) o gerenciamento, infelizmente, é mais impessoal e os empregados são considerados “peças”; na pequena (- de cem empregados) o gerenciamento é pessoal e os empregados, queira ou não o gerente, tem de trabalhar os pecados e as virtudes das pessoas. 

 

AINDA ASSIM - As funções e os cargos são caracterizados pelo movimento e pela dinâmica da organização e do poder – passagem de um lugar para outro. Nas organizações e no poder, como um corpo vivo, a circulação, a digestão, a secreção são completas, quando os órgãos todos ou os aparelhos correlativos executam com perfeição uma determinada tarefa.  (Por exemplo, para assimilação e desassimilação dos tecidos, as moléculas se movimentam e se organizam. Órgão, organismo, organização, organizar pertencem à mesma família ideológica ou etimológica).

 

REAÇÕES - Funções e cargos, como órgãos, ocupam um determinado lugar e não podem estar em outro lugar. A secreção da bílis, por exemplo, só poderá acontecer num determinado momento e determinado lugar. Ocupando determinado lugar, poderá o órgão ser perceptível, observável, avaliado, analisado, por seu movimento e dinâmica. As ações das pessoas estão unidas à consciência – o que torna mais difícil quantificar, mensurar o trabalho e o esforço.

 

EMPENHO NECESSÁRIO - Daí, a importância de uma auto avaliação – único instrumento possível da consciência. Os instrumentos de avaliação, se não tão objetivos e claros, são insuficientes para a observação e análise necessárias. O objetivo, as finalidades dos cargos e das funções é a conservação da vida, desenvolvimento e conservação das próprias organizações, do próprio poder.

 

CADÊ O TOUCINHO - Falar em vida, em conservação e desenvolvimento da vida é falar no entusiasmo e encantamento pela própria vida, no amor pela beleza, na busca pela verdade e pelo bem de todos e de cada um. Uma unha encravada, um dente cariado, um dor de cabeça... é problema para todo o corpo, para todo o organismo. Daí, a importância da SINERGIA.

 

IMPORTANTE DECISÃO - A palavra sinergia foi usada inicialmente para demonstrar e analisar os fenômenos da natureza. Temos no nosso corpo milhões e milhões de células, cada uma já nasce para exercer determinado papel e função. Assim são as células epidérmicas, nervosas, cardíacas... Uma doença é um problema para o corpo. A partir daí, todas as células do corpo, por um tempo, abrem mão do que estão fazendo para “socorrer” as colegas que estão doentes. Não porque elas sejam “boazinhas”, mas porque caso não seja socorrido o indivíduo da doença, ele pode morrer e, então, todas as células morrerão juntas. A sinergia é questão de sobrevivência.